Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
A Origem dos Bytes Por Filipe Vilicic Crônicas do mundo tecnológico e ultraconectado de hoje. Por Filipe Vilicic, autor de 'O Clube dos Youtubers' e de 'O Clique de 1 Bilhão de Dólares'.

Brasil: um país lento

Um ranking que será divulgado hoje, globalmente, aponta um cenário que o brasileiro sente em seu dia a dia: a internet daqui é bem pior do que a que se usa lá fora. O levantamento foi feito pela Akamai, uma empresa americana que poucos conhecem, mas que está por trás da infraestrutura de serviços como […]

Por Filipe Vilicic Atualizado em 30 jul 2020, 23h51 - Publicado em 16 dez 2015, 08h00

Um ranking que será divulgado hoje, globalmente, aponta um cenário que o brasileiro sente em seu dia a dia: a internet daqui é bem pior do que a que se usa lá fora. O levantamento foi feito pela Akamai, uma empresa americana que poucos conhecem, mas que está por trás da infraestrutura de serviços como Netflix, Facebook, Twitter e Amazon. Seu principal serviço é o aluguel de servidores para armazenamento de arquivos pesados, como vídeos e fotos. Para isso, a Akamai conta com 140 mil unidades dessas máquinas, espalhadas pelo planeta, e que dominam 30% do tráfego global de dados. No estudo que divulga hoje, pesquisadores da empresa analisaram 808 milhões de endereços de IP (o registro de cada aparelho conectado; ou seja, smartphones, tablets, computadores e afins) de 242 países. O Brasil, como disse, se saiu bem mal.

Com velocidade média pífia de 3,6 megabits por segundo (os Mbps), a internet brasileira nem se qualifica como de banda larga – o mínimo para tal é 4 Mbps –, em ranking liderado pela Coreia do Sul (20,5 Mbps). A média global? 5,1 Mbps. Em que colocação ficou o Brasil? 93ª. Ficamos para trás mesmo entre latino-americanos. No Uruguai, por exemplo, a velocidade é de 5,9 Mbps – ao menos estamos à frente da Venezuela, com 1,5.

Quando se considera internet realmente veloz, de ponta, o país passa ainda mais vergonha. Apenas 2,2% dos brasileiros conectados navegam a mais de 10 megabits por segundo. Entre americanos, a porcentagem é de 46%. Injusto comparar com nações ricas? Ok. No Uruguai, é 7,7%. No Chile? 7,1%. México? 6,4%. Estamos atrás até da Argentina, com 3,1%.

Em resumo, a vida online continua bem lenta aqui no Brasil.

Para acompanhar este blog, siga VEJA no Twitter e no Facebook.

Também compartilharei as atualizações pelo meu Twitter: @FilipeVilicic.

Continua após a publicidade
Publicidade