Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Os riscos da proliferação do peixe-leão pela costa nordestina

O avanço do 'rei dos oceanos' traz riscos à biodiversidade, à economia pesqueira e à saúde dos humanos que cruzarem o seu caminho

Por Luiz Felipe Castro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 nov 2022, 09h59 - Publicado em 25 nov 2022, 06h00

Um animal imponente — tal qual um leão —, de listras verticais em tom alaranjado e nadadeiras que lhe concedem um aspecto elegante vem aterrorizando os mares brasileiros. Antes restrito a águas dos oceanos Índico e Pacífico, ele se espalha velozmente e ameaça não apenas os seus pares aquáticos, mas humanos que ousarem cruzar o seu caminho. Trata-se do Pterois, mais conhecido como peixe-leão, espécie carnívora, feroz, de reprodução fértil e difícil contenção. Acima de tudo, é um viajante inconveniente. O primeiro avistamento fora de seus domínios se deu na região da Flórida, nos Estados Unidos, em 1985. Mais tarde, foi achado em maior número depois que o furacão Andrew destruiu um aquário à beira-mar. Não demorou para que as correntes marítimas o levassem até o Caribe, onde causou enormes danos. Agora sua presença ostensiva assusta os ambientalistas brasileiros.

No Brasil, sua primeira aparição ocorreu no Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, em 2014, mas ninguém levou o perigo a sério: achava-se que era apenas um exemplar desgarrado. Em 2022, contudo, foi encontrado em diversos estados do Nordeste. O mais recente flagrante foi feito por mergulhadores no Parque Marinho da Pedra da Risca do Meio, uma unidade de conservação de Fortaleza, no início de novembro. Antes, em abril, na Praia de Bitupitá, em Barroquinha, no Ceará, um pescador pisou acidentalmente no peixe e teve de ser internado com múltiplas perfurações que causaram dores e convulsões. Também há registros recentes de sua passagem por praias do Piauí.

arte peixe leão

O que torna o animal tão nocivo? Basicamente, é o fato de ser um predador voraz (pode comer até vinte peixes ou crustáceos em apenas meia hora) e possuir espinhos altamente venenosos. “É uma ameaça à ecologia, porque se alimenta das espécies nativas e pode causar um desequilíbrio ambiental e econômico, pois afeta a pesca e a saúde pública”, afirma Luís Ernesto Arruda Bezerra, cientista-chefe da Secretaria do Meio Ambiente do Ceará e professor do Instituto de Ciências do Mar (Labomar/UFC). Ele diz que o peixe-leão chegou ao Nordeste depois de nadar por águas doces da Amazônia. Há motivos de sobra para preocupação. “A previsão é de que até março de 2023 ele chegue a Pernambuco e depois ao litoral de São Paulo e do Rio Janeiro”, projeta o especialista.

É provável, portanto, que se espalhe por todo o país, causando danos, mas de magnitude ainda imprevisível. Até o momento, foram reportados 227 peixes-leão em águas brasileiras (48% no Nordeste, 14% no bioma amazônico e 38% na Ilha de Fernando de Noronha), sendo oito em áreas de proteção ambiental. No Pacífico e no Caribe, o peixe-leão tem predadores naturais — tubarões e moreias —, mas no Brasil nenhum animal ainda o reconhece como presa. “Uma opção seria a garoupa, mas esse também é um peixe com poucos exemplares no país”, diz Bezerra.

Continua após a publicidade
NO FUNDO DO MAR - Parque da Pedra da Risca do Meio (CE): a primeira aparição -
NO FUNDO DO MAR – Parque da Pedra da Risca do Meio (CE): a primeira aparição – (Parque Estadual Marinho da Pedra do Risco do Meio/.)

Diante disso, o que deve ser feito é controlar a proliferação e a movimentação do incômodo animal — antes que seja tarde. Cientistas e pesquisadores montaram uma rede colaborativa, com aplicativos e outros dispositivos, para orientar pescadores a notificar as aparições, capturar os peixes-leão e enviá-los para estudos. Se um humano se ferir, recomenda-se jogar água quente no local por meia hora. A ingestão do bicho não é indicada, pois ele pode estar contaminado e seu manuseio traz riscos. Bezerra afirma que o controle no Brasil é mais desafiador, pois nossas águas são turvas e os ventos em determinadas épocas do ano dificultam a navegação. Em breve, a Secretaria do Meio Ambiente do Ceará deverá lançar uma instrução normativa para permitir que o peixe-leão possa ser capturado em áreas de conservação, de modo que os parques não se tornem um refúgio para o predador. Há muito a ser feito e as instituições precisam de investimento para conter os perigos que o novo rei dos oceanos oferece.

Publicado em VEJA de 30 de novembro de 2022, edição nº 2817

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.