Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Eco-ansiedade: preocupação com a mudança do clima se torna fenômeno global

Primeiro estudo global sobre os efeitos na saúde mental mostra semelhanças e diferenças nos diferentes países

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 19 out 2022, 19h37

Um novo estudo publicado no periódico Journal of Environmental Psychology e divulgado no início de outubro mostrou que a ansiedade climática se tornou um fenômeno global. Pesquisadores entrevistaram mais de 10.000 alunos universitários de 32 países, incluindo o Brasil, e identificaram traços do transtorno em todas as regiões. O estudo foi realizado por pesquisadores de diversos países, como Inglaterra, Brasil e Noruega, entre outros.

O fenômeno pode ser relacionado ao movimento que teve início com Greta Thunberg, a ativista sueca que ficou conhecida por dar início aos protestos pelo clima. Em diversas oportunidades, ela fez vários discursos emocionados e com palavras fortes para expressar a sua preocupação com o futuro dos animais, do meio ambiente e do planeta.

A ativista abriu o caminho para que inúmeros jovens começassem a se interessar pelo tema do aquecimento global e, dessa forma, compartilhar a mesma indignação.

Contudo, o aumento da preocupação com o futuro do planeta ganhou contornos mais sólidos e se tornou uma tendência conhecida como eco-ansiedade ou ansiedade climática.

Continua após a publicidade

Segundo o estudo internacional, um quadro psicológico é chamado dessa forma quando a experiência de angústia relacionada ao ambiente engloba emoções negativas como medo, preocupação, culpa, vergonha, desesperança e desespero.

Dentro dos resultados encontrados, ao mesmo tempo em que o transtorno foi identificado de forma global, a ansiedade climática foi relacionada a um comportamento positivo em relação ao meio ambiente. Os participantes do estudo indicaram que agem de forma consciente para poupar a natureza, como economizar energia em casa, usar transporte público e evitar o desperdício de alimentos.

Essas pessoas também tendem a participar de protestos pelo clima, mas essa relação foi comprovada em apenas 12 dos 32 países analisados. A maioria dos países em que foi observada uma ligação significativa entre a ansiedade climática e o ativismo ambiental eram europeus, democráticos e relativamente ricos.

Continua após a publicidade

Entre as conclusões do estudo, os pesquisadores afirmaram que a ansiedade climática está relacionada à natureza da informação que as pessoas recebem através da mídia. “Não o mero volume de exposição na mídia, mas o conteúdo da informação e a quantidade de atenção que as pessoas prestam a ela. As informações sobre os impactos das mudanças climáticas parecem mais fortemente ligadas à ansiedade climática do que as informações sobre as soluções das mudanças climáticas”, diz o estudo.

Do total de pessoas entrevistadas, 45,9% afirmaram que estão “muito ou extremamente preocupadas” com a mudança do clima, e 24% afirmaram que estão “muito ou extremamente aterrorizadas”.

Ao mesmo tempo em que o estudo mostra uma primeira compreensão global sobre como a ansiedade por causa do clima afeta pessoas de diferentes regiões do planeta, e com diferentes condições de mudar de estilo de vida, os dados trazem novas informações sobre a saúde mental da população. “É preciso dar maior prioridade ao desenvolvimento de uma compreensão ampla correspondente do escopo, natureza e distribuição dos impactos no bem-estar potencialmente decorrentes de emoções negativas relacionadas ao clima”, diz o estudo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.