Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Floresta em chamas: como El Niño e a mudança climática devastam a Amazônia

Seca no estado do Amazonas, que decretou situação de emergência, já é considerada uma das piores da história

Por Ernesto Neves
Atualizado em 3 out 2023, 07h24 - Publicado em 3 out 2023, 07h07

A combinação entre as mudanças climáticas, o fenômeno natural El Niño e a irresponsabilidade humana fez o Amazonas mergulhar num inferno ambiental nas últimas semanas.

Com 6.991 focos de incêndios registrados somente em setembro, o Amazonas enfrentou o pior mês em área queimada de 2023.

Os dados foram divulgados pelo Programa Queimadas, criado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Se forem considerados os dados históricos coletados pelo instituto desde 1998, os números colocam esse período como o segundo pior mês de setembro no total de focos de queimadas no Amazonas que se tem notícia.

Ainda considerado recorde, setembro de 2022 contabilizou 8.659 focos.

Continua após a publicidade

Os últimos dois anos também tiveram área queimada muito acima da média, que para o mês de setembro é de 3.003 focos.

O mês de agosto também registrou trajetória de alta, com 5.474 focos, contra uma média de 3.532.

Efeito direto das queimadas, a qualidade do ar em Manaus foi considerada péssima nos últimos dias.

A metrópole com 2 milhões de habitantes ficou encoberta por uma nuvem tóxica de fuligem.

Seca do rio Negro afeta a comunidade ribeirinha de Davi Marina, no Amazonas
Seca do rio Negro afeta a comunidade ribeirinha de Davi Marina, no Amazonas (AFP/AFP)

O elevado número de queimadas esta época do ano tem como explicação a estratégia de limpar o solo depois que uma área é desmatada para, em seguida, ser usada como pasto ou plantio.

Continua após a publicidade

Este ano, porém, o fogo tem se propagado com maior velocidade graças à seca severa que castiga a região Norte.

A estiagem já é considerada uma das piores que se tem notícia.

No final de setembro, o governador amazonense, Wilson Lima, decretou situação de emergência ambiental. A medida ficará em vigor por ao menos 90 dias e também já foi seguida pelo Acre.

Dos 62 municípios do Amazonas, 17 já estão em situação de emergência e 38, em alerta.

De acordo com Lima, mais de 100.000 amazonenses já são severamente afetados pela estiagem .

Continua após a publicidade

E o número deve piorar até o final de outubro, podendo alcançar meio milhão de pessoas sem acesso a alimentos e água potável.

Lima também afirma que a seca provavelmente vai se estender ao longo de 2024, ganhando ainda mais intensidade até o próximo ano

O agravamento, diz o governador, se dará graças ao baixíssimo nível dos rios atualmente.

Lima acredita que o próximo período de chuvas, entre novembro e março, vai ser insuficiente para recuperar a bacia hidrográfica.

Como resultado, centenas de localidades estão isoladas pelas águas cada vez mais rasas dos rios, impedindo o abastecimento de produtos básicos.

Continua após a publicidade

Entre as medidas já colocadas em prática está a distribuição de kits de higiene pessoal e a renegociação de dívidas de produtores rurais.

A Defesa Civil, por sua vez, está fazendo a capacitação de agentes municipais e estaduais para atender a população.

Também vem realizando a entrega de purificadores de água e aquisição de caixas d’água para a população.

O governo federal enviou uma força-tarefa para a região para ajuda humanitária.

Além disso, anunciou que vai liberar 140 milhões de reais para dragar os rios Solimões e Madeira, ambos utilizados como vias de transporte e escoamento de mercadorias.

Continua após a publicidade
Lago Aleixo, a oeste de Manaus, completamente seco: estado do Amazonas declarou situação de emergência
Lago Aleixo, a oeste de Manaus, completamente seco: estado do Amazonas declarou situação de emergência (Getty/Getty Images)

Desde o início de 2023, quando surgiram os primeiros indícios de formação do El Niño, climatologistas de todo o mundo avisam para as consequências do fenômeno sobre a floresta amazônica.

Fenômeno que consiste no aquecimento das águas do Oceano Pacífico ao largo da costa do Peru, o El Niño altera o padrão de circulação atmosférica, o que interfere na distribuição de chuvas e na temperatura em várias partes do planeta.

Normalmente, o El Niño provoca acentuação de chuvas no Sul e Sudeste do Brasil, sudeste dos Estados Unidos, no Chifre da África e na Ásia Central.

Ao mesmo tempo, desencadeia estiagens na Austrália, Indonésia, no sul da Ásia e na região Norte do Brasil.

Ou seja, a região da Amazônia se torna mais quente e seca em períodos de El Niño.

Para efeito de comparação,  durante o último El Niño, entre 2015 e 2016,  cerca de 2,5 bilhões de árvores morreram devido a estiagem prolongada, o que representa 1,2% de toda florestal tropical.

Cientistas alertam que o desenvolvimento do atual El Niño pode ser ainda pior, já que acontece em meio a uma escalada nos termômetros provocada pelo aquecimento global.

O somatório dos dois fenômenos trouxe recordes de temperatura ao longo do verão do Hemisfério Norte.

Ainda de acordo com pesquisadores, devido às mudanças climáticas, a Amazônia já está 1,5ºC mais quente na comparação com o período pré-Revolução Industrial.

Além disso, possui períodos de seca maiores na comparação com os padrões da década de 1970. 

Seca do rio Negro provoca colapso no abastecimento de comunidades ribeirinhas do Amazonas
Seca do rio Negro provoca colapso no abastecimento de comunidades ribeirinhas do Amazonas (AFP/AFP)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.