STJ nega liminar que suspenderia ação contra mulher de Cabral

Adriana tentava na Corte mudar a competência do processo. Ela é acusado de integrar a quadrilha liderada por seu marido nos desvios de contratos do Rio

A ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Maria Thereza de Assis Moura rejeitou, em decisão monocrática, uma liminar que visava a suspender a ação penal aberta contra Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, na 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

A ex-primeira dama tentava mudar a competência do caso por meio de um recurso ordinário contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), que considerou haver conexão entre os fatos imputados a Adriana e o processo decorrente da Operação Calicute, no qual ela é acusada de integrar uma organização criminosa encabeçada pelo marido que recebia propinas de contratos do governo do Rio.

A defesa solicitava o reconhecimento da incompetência do juízo da 7ª Vara, cujo titular é Marcelo Bretas, o que levaria o processo a ser sorteado; e, através de liminar, buscava suspender o processo até a apreciação final do recurso. 

A ministra Maria Thereza, no entanto, argumentou que as questões levantadas pela defesa são complexas e exigem uma análise pormenorizada dos autos, o que deve ser feito por um órgão colegiado — no caso, a Sexta Turma do STJ. Desta forma, o processo continua normalmente na 7ª Vara Federal Criminal do Rio, enquanto o julgamento ainda não tem data definida.

Presa no dia 6 de dezembro do ano passado, Adriana deixou Bangu 8 no fim de março deste ano após a ministra acatar a um habeas corpus impetrado pela sua defesa para ela ficar em prisão domiciliar.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nilton Castro

    Enquanto pobres ficam apinhados em celas superlotadas das delegacias esperando julgamento e são tratados como gado sendo transportado para matadouros, ricos contam com regalias infindáveis, conseguidas por advogados “espertos”. Nossa constituição é uma velha prostituta que deveria ser presa, ficar incomunicável e ser substituída por outra, mais enxuta, justa e compreensível por todos. Não são advogados “espertos”, juízes e agentes policiais que estão errados. É a lei.

    Curtir

  2. José Carlos Pons

    Essa vagabunda tem que devolver tudo o que ela, e o ladrão do marido dela roubaram, com juros e correção, nem que pra isso tenha que vender o próprio apartamento, e viver embaixo do viaduto. Vagabunda

    Curtir

  3. Vamos estar do olho no pescoço do judiciario!! Sobrou algum colar de diamantes? Que presentinho legal! O nosso judiciario NAO VALE NADA!!

    Curtir

  4. Nathan Khornnes

    Não é apenas prender e condenar a corja que roubou o dinheiro do povo. O povo Brasileiro clama ao Judiciário que confisque os bens dessas gangues para ressarcir ao povo o que do povo foi roubado. Justiça esperamos seja feita, porque o povo está ávido por isso.

    Curtir

  5. Silvia Valle

    Essa creatina deveria estar na prisão e não em casa.

    Curtir

  6. Silvia Valle

    *cretina. ..

    Curtir