Polícia Federal prende o empresário Jacob Barata Filho

O empresário, um dos maiores do ramo de ônibus do Rio de Janeiro, foi detido no Aeroporto Internacional Tom Jobim, quando tentava embarcar para Portugal

Jacob Barata Filho, um dos maiores empresários do ramo de ônibus do Rio de Janeiro, foi detido na noite deste domingo no Aeroporto Internacional Tom Jobim, enquanto tentava embarcar para Portugal. O mandado foi expedido pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pelas investigações que levaram à cadeia o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB).

A prisão seria nos próximos dias, mas foi antecipada após a polícia descobrir que ele viajaria neste domingo para Portugal somente com uma passagem de ida, antecipou o programa Fantástico, da TV Globo. O advogado do empresário, no entanto, nega. Segundo o defensor, Barata Filho tem negócios no país europeu “há décadas”, para onde faz “viagens mensais”, não tendo relação com as investigações.

Veja também

O empresário é filho de Jacob Barata, conhecido como “o rei do ônibus”. Jacob Barata Filho é acusado de pagar milhões de reais em propina a políticos e agentes públicos no Rio de Janeiro. Nesta segunda-feira, uma operação da PF e do Ministério Público Federal (MPF) cumpre mandados de prisão contra outros empresários do ramo do transporte no estado. A ação é baseada nas delações premiadas do doleiro Álvaro Novis e de Jonas Lopes, ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Jacob Barata Filho herdou o negócio de seu pai, que foi dono de um conglomerado de empresas no Rio de Janeiro e em outros estados com mais de 4.000 veículos. As empresas da família operam desde os anos 60, incluem operações de turismo e também se estendem por Portugal.

(Com Agência Brasil e Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nathan Khornnes

    Isso é fogo de palha. Daqui a uns dias ele estará em liberdade e continuará monopolizando suas linhas de ónibus no Rio, com mais força. Aqui é o Brasil, paizinho corrupto; o paraíso da impunidade parlamentar.

    Curtir