Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Parlamentares pedem apuração sobre liberação de emendas por Temer

Representação deve ser entregue nesta segunda à Procuradoria-Geral da República para investigar a liberação de verbas a deputados da CCJ

Os deputados Alessandro Molon (Rede-RJ) e Aliel Machado (Rede-PR) e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) deverão entregar à Procuradoria-Geral da República (PGR), na tarde desta segunda-feira uma representação contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Eles pedirão que a PGR investigue a liberação de emendas para deputados da base governista no contexto da votação da admissibilidade da denúncia na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

O documento foi elaborado com base em um levantamento feito pela assessoria de Alessandro Molon sobre as emendas liberadas.

“Queremos impedir que Temer continue usando dinheiro público para obstruir a Justiça e permanecer impune com a ajuda do Congresso. Além disso, queremos impedir que serviços essenciais sejam prejudicados por causa dessas manobras ilegais e irresponsáveis do governo”, afirmou o deputado.

Conforme levantamento do jornal O Estado de S. Paulo publicado neste domingo, dos quarenta deputados que votaram pela rejeição do parecer que recomendava a abertura de investigação contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, 39 tiveram 266 milhões de reais em emendas parlamentares empenhadas, de acordo com valores atualizados. Esse valor corresponde ao período entre junho, após a divulgação da delação do empresário Joesley Batista, que foi usada na denúncia contra Temer, e as duas primeiras semanas deste mês, às vésperas da votação.

As trocas feitas pelo governo na CCJ da Câmara, antes da votação da denúncia, também ajudaram a elevar o valor desembolsado. Os catorze deputados que se tornaram titulares do colegiado da Casa com ajuda do Palácio do Planalto receberam mais de 106 milhões de reais em recursos. No entanto, dois deles contrariaram o governo e votaram pela admissibilidade da denúncia: Renata Abreu (Podemos-SP) e Laércio Oliveira (SD-SE).

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Antônio de Oliveira Marques

    Este aí, de mãozinha erguida, petralha, foi se esconder noutro partido hospedeiro. Velhaco.

    Curtir

  2. Tadeu Passarelli

    E DAÍ??? É LÓGICO que é verba para comprar a votação!! Não foi sempre SEMPRE assim? Precisa “investigar”??? Cambada de vagabundos, não têm mais o que fazer? ganham nosso $$$ para quê???

    Curtir