“Não quero apoio do PMDB”, diz Freixo

Em festa na Lapa, candidato do PSOL diz que apoio ao seu 'projeto de cidade' será bem recebido para o segundo turno

Com o passaporte garantido para o segundo turno no Rio de Janeiro, o PSOL pela primeira vez admite fazer alianças ao centro para derrotar Marcelo Crivella do PRB. Ao lado de sua vice, a professora Luciana Boiteaux, Marcelo Freixo agradeceu o apoio declarado por Jandira Feghali (PC do B) e disse contar também com o de Alessandro Molon (Rede). Quanto ao apoio de Índio da Costa (PSD), não descartou: “É possível. Só não vamos trocar apoio por cargo. Isso não vai existir. Também já aviso de antemão que não quero o apoio do PMDB”, disparou.

Ao lado da mulher e dos filhos, Marcelo Freixo acompanhou hoje o resultado da apuração em casa. Chegou por volta das 19h aos Arcos da Lapa, tradicional ponto turístico da cidade, onde cerca de 5 mil pessoas festejaram o histórico resultado do PSOL. “Chora Pedro Paulo, o sonho acabou! Segundo turno, sou eu quem vou…”, cantava a militância em coro.

Primeiro, Freixo pediu para todos esperarem um pouco até o fim da apuração. “É possível! Tá chegando”, Freixo disse, com 90% de votos apurados. O público provocava ainda mais: “Ô Pedro Paulo! Como é que é? Quer ser prefeito mas espanca a mulher”.

Quando o resultado foi oficializado, Freixo desabafou: “Podem chorar bastante. Derrotamos o PMDB em homenagem à democracia brasileira. É a resposta a um partido golpista. Esta é uma vitória que entra pra história dessa cidade”, completou. Enquanto isso, os militantes girtavam “Fora Temer!”, com Freixo balançando o microfone.

Em cima de um palco improvisado, o psolista recebeu o ator Wagner Moura, que teve atuação destacada nas agendas do candidato na reta final da campanha. Freixo lembrou a luta para conseguir fazer uma campanha praticamente sem tempo de televisão ( foram apenas 11 segundos diários na TV): “Não há na história algo semelhante a isso”.

Bastidores do debate da Globo

A VEJA, Freixo contou uma curiosidade sobre o debate da TV Globo. O encontro foi decisivo para o seu crescimento nas pesquisas na reta final da campanha. Em um determinado momento do terceiro bloco do programa, Freixo provocou Pedro Paulo e o desafiou a lhe fazer uma pergunta, iniciativa que o peemedebista não teve em outros debates. A ideia foi da filha Isadora, de 18 anos. “Pai, chama ele pro debate cara a cara que ele vai cair na pilha”, contou. Na Globo, Pedro Paulo questionou Freixo sobre o tema ‘agressão à mulher’, dizendo que um de seus assessores havia sido condenado pelo Lei Maria da Penha: “Minha filha estava certa. Eu comparo ele (Pedro Paulo) a um garoto brigão, que se você bota pilha ele cai. Queria provocá-lo para o debate de ideias, e ele caiu. Ele é muito fraco. O Rio não quer agressor de mulher”, disse.

Freixo falou ainda sobre o projeto de cidade que pretende apresentar para setores da sociedade, como a Igreja Católica: “Vamos apresentar a todos o programa que montamos no último ano e meio. O Estado é laico e precisamos entender isso. Religião tem papel importante na sociedade, mas acho perigoso misturar com política”.

Sobre a relação com o governo do presidente Michel Temer, a quem acusa de golpista, o candidato do PSOL disse que pretende, se eleito, manter o diálogo. “Tenho uma posição firmada sobre o governo dele, mas se for prefeito vou tratar de maneira institucional”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Maria Emilia Martins de Lima

    Até parece que o PMDB ofereceu apoio. O povo do Rio é louco, brincando com a possibilidade de ser governado por um tipo deste, que só sabe falar de utopias. Se a cidade estava bem de finanças, ao contrário do resto do estado, vai ver seu dinheiro ser dilapidado em dois tempos, se este zero à esquerda ganhar.

    Curtir

  2. João de Alexandria

    Festinha na Lapa ? Deve ter sobrado chope e orégano do capiroto !!

    Curtir

  3. Yoshiyuki Sadamoto

    Lixo esquerdista…

    Curtir

  4. carioca vota mal, muito mal, colocar uma assombraçao dessa no segundo turno.

    Curtir

  5. Fábio Luís Inaimo

    Já tem apoio dos Black Blocks, pra que PMDB

    Curtir