Mais Lidas

  1. Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

    Brasil

    Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

  2. Lavenère faz discurso do medo e diz que impeachment é ‘pena de morte’ de Dilma e de programas sociais

    Brasil

    Lavenère faz discurso do medo e diz que impeachment é ‘pena de...

  3. Johnson & Johnson terá que pagar US$ 55 milhões para cliente vítima de câncer

    Economia

    Johnson & Johnson terá que pagar US$ 55 milhões para cliente vítima...

  4. Dilma e o fogo olímpico: a imagem de um mandato em chamas

    Brasil

    Dilma e o fogo olímpico: a imagem de um mandato em chamas

  5. Justiça de Sergipe suspende bloqueio do WhatsApp no Brasil

    Vida Digital

    Justiça de Sergipe suspende bloqueio do WhatsApp no Brasil

  6. Sasha Meneghel vai fazer faculdade nos Estados Unidos

    Entretenimento

    Sasha Meneghel vai fazer faculdade nos Estados Unidos

  7. Bloqueio do WhatsApp deve ser decidido pelo STF

    Brasil

    Bloqueio do WhatsApp deve ser decidido pelo STF

  8. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

Brasil tem 370 mil usuários regulares de crack em capitais

Pesquisa brasileira mostra ainda que 78,9% dos usuários querem se tratar

- Atualizado em

Jovem consome crack no centro de Manaus
Jovem consome crack no centro de Manaus. O crack e outras drogas a base de cocaína fumada são consumidos regularmente por 370.000 pessoas nas capitais do país (Bruno Kelly/Reuters/VEJA)

O crack e outras drogas a base de cocaína fumada são consumidos regularmente por 370.000 pessoas nas capitais do país e no Distrito Federal, sendo que a maior parte dos usuários se concentra na região Nordeste. E quase oito em cada dez usuários desejam um tratamento para o vício. Os números foram relevados por um grande estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta quinta-feira pelos ministérios da Justiça e da Saúde.

Apesar de 78,9% dos usuários de crack terem manifestado vontade de passar por um tratamento, a pesquisa mostrou que o acesso aos serviços atualmente disponíveis é baixo. Nos trinta dias anteriores à pesquisa, postos e centros de saúde foram procurados por apenas 20% dos usuários. De acordo com os pesquisadores da Fiocruz, esse fato reforça a necessidade de ampliação desses serviços e de "pontes", como agentes de saúde e consultórios de rua, entre os locais onde ocorre o uso da droga e os pontos de atendimento.

Nas capitais, os usuários do crack representam 35% do total de consumidores de drogas ilícitas, com exceção da maconha. Apesar de comumente se pensar que a maior parte deles habita a região Sudeste do país, a pesquisa mostrou que 40% deles vivem na região Nordeste. De acordo com informações da Agência Brasil, para o secretário nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça, Vitore Maximiano, isso ocorre por causa do Índice de Desenvolvimento Humano mais baixo na região.

Perfil - As pessoas que fazem uso de crack no Brasil são principalmente homens (78,7%), não brancos (80%), com idade média de 30 anos e baixa escolaridade. Apenas 20% cursaram ou concluíram o ensino médio e 0,3%, o ensino superior. Crianças e adolescentes representam 14% dos usuários das capitais.

A renda da maior parte dos usuários (65%) vem de trabalhos esporádicos ou autônomos. Em comparação à população geral, a porcentagem de pessoas que utilizam o sexo como forma de obter dinheiro ou drogas é elevada: 7,5% contra 1%.

Cerca de metade dos entrevistados relevou já ter sido presa, sendo 41,6% no último ano. O principal motivo apontado foi o uso e porte de drogas, com 13,9%.

Leia também:

Pesquisas definem o perfil do usuário de crack

Brasil: 4% da população adulta já experimentou cocaína

Divisão por sexo - O tempo médio de uso de crack nas capitais é de quase oito anos (91 meses), com estimativa de dezesseis pedras da droga por dia. Já nos demais municípios, esse período corresponde a aproximadamente 5 anos (59 meses), com consumo de onze pedras. Enquanto os homens tendem a consumir a droga por mais tempo (média de 83,9 meses, contra 72,8 das mulheres), elas consomem 21 pedras por dia e os homens, treze.

Cerca de 10% das mulheres usuárias de crack relataram estar grávidas no momento da pesquisa, e mais da metade disse já ter engravidado depois de começar a usar a droga. Além disso, 44,5% das entrevistadas já sofreram violência sexual. Nos homens, esse número é de 7%.

Levantamento - O estudo quantitativo, denominado Estimativa do Número de Usuários de Crack e/ou Similares nas Capitais do País, foi realizado com informações de 25.000 pessoas, ouvidas entre março e dezembro de 2012.

Junto com essa pesquisa, foi divulgado também nesta quinta-feira o Perfil dos Usuários de Crack e/ou Similares no Brasil, realizado com 7.381 usuários de crack de 112 municípios de portes variados, entrevistados novembro de 2011 e junho de 2013.

TAGs:
Crack
Saúde Pública