Mais Lidas

  1. Na casa de Cunha, clima de velório após afastamento

    Brasil

    Na casa de Cunha, clima de velório após afastamento

  2. Câmara questiona Lula e Dilma por discursos sobre 'golpe'

    Brasil

    Câmara questiona Lula e Dilma por discursos sobre 'golpe'

  3. Saiba como observar a chuva de meteoros desta madrugada

    Ciência

    Saiba como observar a chuva de meteoros desta madrugada

  4. Delcídio deve comparecer à CCJ e comprometer Lula e Renan na Lava Jato

    Brasil

    Delcídio deve comparecer à CCJ e comprometer Lula e Renan na Lava Jato

  5. Substituto de Cunha foi notificado de calção e tênis

    Brasil

    Substituto de Cunha foi notificado de calção e tênis

  6. Por unanimidade, STF afasta Eduardo Cunha do mandato

    Brasil

    Por unanimidade, STF afasta Eduardo Cunha do mandato

  7. Ex de Susana Vieira vira garçom e vende artesanato na web

    Entretenimento

    Ex de Susana Vieira vira garçom e vende artesanato na web

  8. Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se revoltam

    Mundo

    Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se...

Fazer dieta por apenas dois dias é melhor que a semana inteira, diz estudo

Pesquisa foi realizada com 115 mulheres, acompanhadas por quatro meses

- Atualizado em

Uma pesquisa inglesa garante que fazer dieta por apenas dois dias é melhor que manter o regime a semana inteira. Segundo estudo apresentado, nesta quinta-feira, no encontro da Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, uma dieta intermitente, com pouca ingestão de carboidratos, é mais eficiente em reduzir peso e diminuir os níveis de insulina no corpo do que uma dieta padrão.

Michelle Harvie, Ph.D e pesquisadora do Genesis Prevention Center, de Manchester, na Grã-Bretanha, tinha como objetivo estudar alternativas para reduzir os níveis de insulina nas mulheres. Altas quantidades do hormônio aumentam o risco de desenvolver câncer de mama. "Perda de peso e redução dos níveis de insulina são necessários para prevenir o câncer de mama, mas são metas difíceis de alcançar com as dietas convencionais", disse Michelle.

A pesquisadora e suas colegas acompanharam, por quatro meses, os efeitos de três dietas diferentes na redução do peso e dos níveis de insulina em 115 mulheres com histórico de câncer de mama na família.

A primeira dieta permitia durante dois dias comer no máximo 650 calorias, e evitar carboidratos. A segunda previa baixo consumo de carboidratos durante dois dias da semana, nos quais seria permitido comer sem restrições gorduras insaturadas, vindas de alimentos como peixes, azeite de oliva e nozes. A terceira era a dieta mediterrânea (veja quadro abaixo) e permitia o consumo máximo de 1.500 calorias nas refeições diárias.

As duas dietas intermitentes tiveram mais sucesso na redução de peso e dos níveis de insulina que a dieta mediterrânea. As mulheres que fizeram as duas primeiras perderam, em média, 4 quilos e apresentaram diminuição de 22% e 14% nos níveis de resistência à insulina (a resistência ocorre quando o corpo não utiliza a insulina de maneira apropriada). Quem fez a dieta mediterrânea emagreceu, em média, 2,5 quilos, e tive 4% de diminuição nos níveis de resistência à insulina.

"É interessante notar que a dieta que restringe o consumo de carboidratos, mas permite o consumo de gorduras insaturadas, é tão eficiente quanto a que restringe tanto o consumo de calorias quanto o de carboidratos", afirmou Michelle.

TAGs:
Alimentação
Dietas
Obesidade