Mais Lidas

  1. Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

    Brasil

    Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

  2. 'Hulk iraniano': halterofilista quer combater o Estado Islâmico

    Mundo

    'Hulk iraniano': halterofilista quer combater o Estado Islâmico

  3. Funaro ameaçou atear fogo em casa de delator com os filhos dentro, diz PGR

    Brasil

    Funaro ameaçou atear fogo em casa de delator com os filhos dentro,...

  4. Como o médium João de Deus venceu o câncer

    Brasil

    Como o médium João de Deus venceu o câncer

  5. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  6. Muro da mansão de Zuckerberg no Havaí irrita moradores locais

    Mundo

    Muro da mansão de Zuckerberg no Havaí irrita moradores locais

  7. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

  8. Ex de Luiza Brunet se defende: 'Versão distorcida'

    Entretenimento

    Ex de Luiza Brunet se defende: 'Versão distorcida'

Michael Jordan denuncia marca por uso irregular de seu nome

O ex-atleta alega que o nome da empresa, Qiaodan, utiliza sem permissão a tradução de Jordan para mandarim

- Atualizado em

Michael Jordan: camisa com o número 23 tornou-se sua referência
Michael Jordan: camisa com o número 23 tornou-se sua referência(Jonathan Daniel/Getty/VEJA)

O ex-jogador de basquete Michael Jordan levou a julgamento a marca esportiva chinesa Qiaodan pelo uso indevido de seu nome, informou nesta quinta-feira seu advogado citado pela agência Xinhua. O ex-atleta do Chicago Bulls alega que o nome da empresa, Qiaodan (Jordan, em mandarim), utiliza sem permissão a tradução de seu sobrenome, acompanhado ainda do número 23, o mesmo que usava em seu clube.

A Qiaodan tentou usar os nomes dos filhos de Jordan com fins comerciais, revelam os advogados chineses do ex-jogador da NBA. A empresa, que alega ter registrado a marca em 2000, é relativamente desconhecida no mercado do país asiático, mas nesta semana foi notícia pelo suposto interesse em um contrato de patrocínio com a nova estrela da NBA Jeremy Lin, de origem taiwanesa. A defesa de Jordan diz que o caso se parece com o apresentado pelo ex-jogador chinês Yao Ming, Houston Rockets, que levou a julgamento outra marca esportiva chinesa por usar seu nome e assinatura sem permissão. Ming ganhou a disputa no ano passado. Os conflitos pelo uso de marcas e nomes conhecidos são frequentes na China e nas últimas semanas ganharam destaque com mais um caso da Apple, que disputa na justiça com uma empresa do país o uso no mercado nacional da marca iPad. (Com agência EFE)
TAGs:
Basquete