Carreira

Professores do estado de SP terão reajuste salarial de 8%

Aumento é superior ao 6% que estava previsto. Salário vai a R$ 2.257,84

Salário-base dos docentes do estado de SP a partir de 1º de julho será de 2.257,84 reais

Salário-base dos docentes do estado de SP a partir de 1º de julho será de 2.257,84 reais (Thinkstock/VEJA)

Professores do estado de São Paulo terão reajuste salarial de 8% neste ano. O porcentual é superior ao 6% que foi definido pelo governo, em 2011, para ser aplicado em 2013. O novo piso da categoria, válido a partir de 1º de julho, será de 2.257,84 reais para 40 horas semanais de trabalho. O valor representa um aumento de 44,28 reais em relação ao previsto anteriormente. Nesta quarta-feira, o governo estadual encaminha à Assembleia Legislativa um projeto de lei complementar com o novo salário-base dos profissionais.

Leia também:
USP estuda curso de formação de professores a distância
SP: professor da rede estadual falta 27 dias por ano
Gustavo Ioschpe: Como identificar um bom professor


A decisão do governo estadual tenta compensar a perda ocasionada pela inflação, que foi de 5,84% em 2012, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A ampliação do reajuste vale para 415.000 servidores e vai custar 165 milhões de reais aos cofres do estado.

O anúncio impacta na política salarial anunciada pelo governador Geraldo Alckmin há dois anos, com reajustes previstos até 2014. No próximo ano, com os 7% de aumento previsto, o piso salarial da categoria deve ser de 2.415,89 reais. Dessa forma, a variação do salário-base dos professores entre 2011 e 2014 será de 44,3%. "Valorizar nossos profissionais é imprescindível para conseguirmos aprimorar a qualidade do ensino", afirma o secretário estadual de Educação, Herman Voorwald.

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, a Apeosp, no entanto, alega que o reajuste não representa ganho real. "Pelo menos demonstra que a política não vai ficar congelada, mas o problema é o porcentual. Os dois pontos são vergonhosos", critica a presidente do sindicato, Maria Izabel Noronha. "Não houve compensação da inflação do ano passado e de 2011. Teria de ser, no mínimo, 12% neste ano para se falar em ganho real", afirma.

(Com Estadão Conteúdo)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados