Mais Lidas

  1. Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por várias pessoas’

    Entretenimento

    Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por...

  2. Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

    Entretenimento

    Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

  3. Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo interino

    Brasil

    Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo...

  4. Delação da Odebrecht 'vem como uma metralhadora ponto 100', diz Sarney em gravação

    Brasil

    Delação da Odebrecht 'vem como uma metralhadora ponto 100', diz...

  5. Janot defende legalidade de grampo entre Lula e Dilma

    Brasil

    Janot defende legalidade de grampo entre Lula e Dilma

  6. Serra diz que Brasil é 'atacado' por causa do impeachment

    Brasil

    Serra diz que Brasil é 'atacado' por causa do impeachment

  7. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  8. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

Dilma e Merkel querem ampliar ajuda brasileira ao FMI

As chefes de governo do Brasil e da Alemanha, no entanto, continuam divergindo sobre os rumos da política monetária dos países desenvolvidos

- Atualizado em

Presidente Dilma Roussef discursa ao lado da chanceler alemã Angela Merkel em Hannover, Alemanha
Ajuda financeira a países e reflexo no câmbio são causas de atrito entre chefes de governo(Odd Andersen/AFP/VEJA)

A chefe do governo alemão, Angela Merkel, declarou nesta terça-feira que a presidente brasileira, Dilma Rousseff, garantiu que o Brasil contribuirá para fortalecer o colchão de recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar a zona do euro, apesar de ter criticado fortemente as políticas monetárias europeia e americana.

Mais espaço para emergentes - "Desde a cúpula do G20 de Cannes (novembro de 2011) dizemos que concordamos em participar com o aumento dos recursos do Fundo Monetário Internacional", disse Dilma em coletiva de imprensa, após uma visita conjunta ao salão tecnológico de Hannover (noroeste da Alemanha), em que o Brasil é o convidado de honra deste ano.

Apesar disso, a presidente brasileira condicionou o auxílio a um "aumento da participação dos países emergentes" nos órgãos de direção da instituição em Washington. Merkel acrescentou que não só não se opõe, como considera "muito natural" que seja reforçada a influência dos países emergentes no FMI, ressaltando que Alemanha e Brasil estão "em grande harmonia".

Divisão no campo monetário - Esta harmonia, no entanto, não se aplica à política monetária, fortemente criticada pela presidente da sexta maior economia mundial, que em 2011 sofreu desaceleração em seu crescimento para fechar em 2,7% do PIB, devido à crise internacional. Em 2012, a previsão é de um crescimento maior, entre 4% e 4,5%, e uma inflação de 4,5%.

Leia mais:

Governo tomará medidas para acelerar crescimento

Dilma, mais uma vez, reiterou seus "temores pela expansão monetária nos Estados Unidos e na Europa" em sua luta contra a crise da dívida, ao considerar que os europeus estão fazendo "uma desvalorização artificial de sua moeda". Isso prejudica os países emergentes, em particular o Brasil, cuja moeda se tornou um refúgio, valorizando-se fortemente em relação ao dólar e ao euro, o que penaliza suas exportações. "O que o Brasil quer com isto é mostrar que está em marcha uma forma competitiva de proteção de mercado", disse a presidente brasileira à imprensa. Merkel disse "compreender essas preocupações" e assegurou que "se trata de uma medida temporária".

Desde o início da crise da dívida, o Banco Central Europeu (BCE) tem inundado os bancos da zona do euro com liquidez, mantendo, ao mesmo tempo, as taxas de juros muito baixas em uma tentativa de reativar o crédito e a economia, fazendo que a moeda europeia seja menos atraente.

Crítica alemã - A chanceler da Alemanha denunciou, no entanto, a tentação de responder a esta política mediante o "protecionismo", em uma referência direta ao recente aumento dos impostos pelo governo brasileiro para os veículos importados.

Leia mais:

Dilma e Merkel têm seu dia de UFC em Hannover

As duas mandatárias assinaram o livro de ouro digital do pavilhão da Microsoft durante a visita à Feira Internacional das Tecnologias da Informação e das Comunicações, a Cebit, em Hannover, um dos maiores eventos do mundo da informática que fecha suas portas no dia 10 de março.

(com Agence France-Presse)

TAGs:
Câmbio
Fundo Monetário Internacional - FMI
Política Monetária
Alemanha
Dilma Rousseff
Angela Merkel
Zona do Euro
Brasil
Crise do Euro