Mais Lidas

  1. Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

    Entretenimento

    Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

  2. Toffoli revoga prisão de Paulo Bernardo na Operação Custo Brasil

    Brasil

    Toffoli revoga prisão de Paulo Bernardo na Operação Custo Brasil

  3. Miss Brasil 2004 é encontrada morta em casa

    Brasil

    Miss Brasil 2004 é encontrada morta em casa

  4. Apartamento não tem foro, diz juiz que autorizou busca e apreensão contra Paulo Bernardo

    Brasil

    Apartamento não tem foro, diz juiz que autorizou busca e apreensão...

  5. Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

    Entretenimento

    Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

  6. Seleção olímpica é convocada para Rio-2016 com Prass, Douglas Costa e Neymar

    Esporte

    Seleção olímpica é convocada para Rio-2016 com Prass, Douglas Costa...

  7. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  8. Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

    Entretenimento

    Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

Justiça determina bloqueio de contas do governo do RJ

Pagamento de servidores tem criado conflito entre o governo de Luiz Fernando Pezão e o Judiciário fluminense desde o fim de 2015

- Atualizado em

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (Fernando Frazão/Agência Brasil)

A Justiça do Estado do Rio determinou nessa quinta, o arresto de contas do governo do Estado no valor de 265,6 milhões de reais para pagamento dos servidores do Poder Judiciário. A liminar pelo bloqueio foi concedida pelo juiz Bruno Vinícius da Rós Bodart, da 9ª Vara de Fazenda Pública da Capital, e atende a ação movida pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Rio de Janeiro (SindJustiça RJ). No despacho, o juiz determinou que fossem preservados recursos de saúde, educação e segurança pública.

Desde o fim do ano passado, o pagamento dos servidores tem causado conflito entre o Executivo e o Judiciário do Estado. Em nota divulgada no início da noite, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) protestou contra o atraso nos repasses do Executivo e apontou "afronta à autonomia dos Poderes". O TJ lembrou que a Constituição Federal determina que os repasses do Executivo ao Judiciário, Legislativo, Ministério Público e Defensoria Pública sejam feitos até o dia 20 de cada mês.

"Permitir que o Poder Executivo fique com verbas além daquelas a que tem direito ou que estabeleça datas para o repasse diferentes da imposta pela Constituição Federal implica afronta à autonomia dos Poderes, o que não pode ser admitido. Portanto, ao contrário do que tem afirmado o Poder Executivo, a discussão sobre repasse de verbas não é apenas um debate sobre data de pagamento, mas sim uma luta pela independência dos Poderes e uma insurgência contra a retenção indevida pelo Poder Executivo de verbas que não lhe pertencem", diz a nota do Tribunal de Justiça fluminense.

O diretor-geral do SindJustiça-RJ, Alzimar Andrade, afirmou que a entidade decidiu recorrer à Justiça quando constatou que o Executivo não havia feito o repasse no dia 20 de janeiro. "Não é nenhum privilégio do servidor, é dinheiro do Judiciário que está sendo retido pelo governador. Não há nada de errado na reivindicação de o servidor receber em dia", afirmou. O sindicato marcou para a próxima quarta-feira um protesto em frente à Assembleia Legislativa (Alerj) contra o atraso nos pagamentos dos servidores e por "moralidade do Estado, saúde e segurança para a população".

LEIA TAMBÉM:

Pezão cobra que governo aplique novos índices para dívida dos Estados

Pezão ironiza medidas judiciais e diz que vai recorrer de decisões

Pela segunda vez na semana, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) sofreu derrota na Justiça por causa do pagamento do funcionalismo. Na última quarta-feira, a 8ª Vara de Fazenda Pública determinou que os salários dos servidores fossem pagos até o último dia útil do mês de trabalho. O governo, no entanto, não pagou os servidores e deverá recorrer ao próprio TJ contra a decisão do juiz da 8ª Vara, Leonardo Grandmasson Ferreira Chaves. O magistrado também determinou que o governo pague de uma vez os valores pendentes do 13º salário dos funcionários do Estado.

Em dezembro passado, Pezão anunciou que a segunda parcela do 13º seria paga em cinco vezes, até abril. Além disso, por decreto, o governador transferiu a data do pagamento dos servidores do segundo para o sétimo dia útil do mês seguinte ao trabalhado. O juiz fixou multa de 50.000 reais diários para o descumprimento do pagamento dos servidores. No caso do 13º, a multa é de 300.000 reais. As multas foram impostas diretamente ao próprio Pezão, que terá que pagá-las caso venham a ser aplicadas.

O governo gasta 1,9 bilhão de reais por mês com pagamento de servidores ativos, aposentados e pensionistas de todos os Poderes. O governador tem insistido que a grave crise econômica enfrentada pelo Estado, em razão da queda brusca de arrecadação, sobretudo de royalties do petróleo, impôs restrições orçamentárias e não há como pagar os servidores antes do sétimo dia útil do mês seguinte. Segundo o governo, o pagamento foi adiado para o sétimo dia útil para que o Estado utilize recursos do ICMS, que são transferidos para os cofres estaduais nos dias 5, 10 e 20 de cada mês.

O Ministério Público do Estado (MPE) informou que pagou nessa quinta os salários de promotores, procuradores e servidores, com recursos próprios, que serão repostos pelo Tesouro estadual em 11 de fevereiro, data prevista para o pagamento de todos os funcionários do Estado. A folha de pagamento do MPE é de 48,5 milhões de reais mensais.

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Luiz Fernando Pezão
Rio de Janeiro