Mais Lidas

  1. Pimentel garante foro privilegiado à mulher, alvo da Acrônimo

    Brasil

    Pimentel garante foro privilegiado à mulher, alvo da Acrônimo

  2. Lava Jato: defesa de Lula pede afastamento de procurador

    Brasil

    Lava Jato: defesa de Lula pede afastamento de procurador

  3. MP faz nova denúncia contra João Santana, Odebrecht e mais 15 na Lava Jato

    Brasil

    MP faz nova denúncia contra João Santana, Odebrecht e mais 15 na...

  4. Atriz de ‘50 Tons’ se diz ‘entediada’ após gravar cenas de sexo por sete horas

    Entretenimento

    Atriz de ‘50 Tons’ se diz ‘entediada’ após gravar cenas de sexo por...

  5. MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

    Brasil

    MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

  6. Contra impeachment, MTST bloqueia rodovias e avenidas de São Paulo

    Brasil

    Contra impeachment, MTST bloqueia rodovias e avenidas de São Paulo

  7. Câmara aprova regime de urgência para projeto de reajuste do Judiciário

    Brasil

    Câmara aprova regime de urgência para projeto de reajuste do...

  8. 'Arrimo de família', operador de propina pede desbloqueio de R$ 405 mil

    Brasil

    'Arrimo de família', operador de propina pede desbloqueio de R$ 405...

Delúbio é autorizado pela Justiça a trabalhar na CUT

Ex-tesoureiro do PT é o primeiro mensaleiro petista a ter pedido de trabalho atendido, o que pode beneficiá-lo com a redução da pena de 8 anos e 11 meses

- Atualizado em

Delúbio Soares, ex tesoureiro do PT
Delúbio Soares, ex tesoureiro do PT(Andre Coelho/Agência o Globo/VEJA)

Condenado no julgamento do mensalão e preso desde novembro no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares obteve na noite desta quinta-feira direito a trabalhar fora da cadeia. Ele é o primeiro mensaleiro petista a conseguir a autorização, que pode beneficiá-lo com a redução da pena de oito anos e 11 meses de prisão, dos quais seis anos e oito meses em regime semiaberto por corrupção ativa - os dois anos e três meses restantes, por formação de quadrilha, dependem do julgamento dos chamados embargos infringentes.

Leia também:

Justiça reajusta multa de Delúbio para R$ 466 mil

O juiz Bruno André Ribeiro, da Vara de Execuções Penais de Brasília, permitiu que o petista trabalhe na Central Única dos Trabalhadores (CUT), entidade sindical em que ele já atuou. Delúbio vai receber 4 500 reais por mês para assessorar a direção nacional da CUT. Na decisão, o juiz disse que o trabalho externo, "além de ser fundamental para a ressocialização do sentenciado", "é compatível com o regime semiaberto". "Não é muito lembrar que a concessão do beneplácito neste momento constitui uma possibilidade de se avaliar a disciplina, autodeterminação e responsabilidade do(a) reeducando(a) antes de uma possível transferência para um regime de pena mais avançado", observou o magistrado.

Leia mais:

As pendências do mensalão que ficaram para 2014

Saiba quais são as penas dos condenados no mensalão

Até o momento, dos dez condenados no processo do mensalão a cumprir pena em regime semiaberto, sete pediram para trabalhar fora da cadeia. Três mensaleiros conseguiram o benefício: os ex-deputados Pedro Henry (PP-MT) e Romeu Queiroz (PTB-MG), além de Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL,(atual PR).

O ex-ministro José Dirceu também pediu a autorização de trabalho externo. Inicialmente, tentou trabalhar como gerente de um hotel em Brasília, chegou a ser contratado, mas desistiu após a revelação de que ele registrou no Panamá uma filial de sua consultoria no mesmo endereço da empresa Morgan & Morgan, que disponibiliza laranjas para firmas estrangeiras - entre elas a Truston International, proprietária do mesmo hotel que ofereceu emprego a Dirceu.

Agora, ele quer trabalhar na biblioteca do escritório do advogado José Gerardo Grossi, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A Justiça, entretanto, ainda não se manifestou sobre o pedido do ex-ministro da Casa Civil, apontado como líder do esquema do mensalão.

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Mensalão
José Dirceu
Julgamento do Mensalão
Justiça
PT