Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ucrânia: trégua é rompida e ao menos 25 morrem

Tiros são ouvidos na Praça da Independência e televisão mostra corpos de manifestantes carregados em macas. Clima segue tenso na capital ucraniana

A trégua anunciada pelo presidente ucraniano Viktor Yanukovich para interromper o derramamento de sangue nos conflitos entre a polícia e manifestantes em Kiev não durou sequer um dia. Poucas horas depois do acordo com a oposição ser divulgado, a Praça da Independência, ponto nevrálgico dos protestos contra o governo, voltou a ser o cenário de enfrentamentos. Pelo menos 25 manifestantes morreram nesta quinta-feira no centro de Kiev, reportam jornalistas da agência France-Presse. Um repórter viu oito corpos diante da sede dos correios na Praça da Independência e outros dez nas proximidades, em frente ao hotel Kozatski. Outro jornalista contou sete corpos na entrada do hotel Ukraina, do outro lado da praça. As mortes de hoje elevam o número de fatalidades nos choques desta semana para mais de cinquenta.

Não está claro qual lado deu início ao confronto, mas tiros foram ouvidos e corpos de manifestantes foram mostrados pela televisão sendo carregados em macas. Ambulâncias foram enviadas ao local. Enquanto isso, os opositores do presidente lançavam coquetéis molotov contra a polícia, que respondia com jatos d’água. O recrudescimento da violência começou nesta terça-feira, com ao menos 26 mortes em confrontos entre forças policiais e manifestantes. A violência no país se alastra como jamais havia acontecido desde o início das manifestações, três meses atrás.

Leia também:

Oposição ucraniana desocupa prefeitura de Kiev

Manifestantes ateiam fogo na sede do partido governista

Presidente ucraniano culpa rivais por mortes em protestos

Ucraniano que foi torturado deixa Kiev para buscar tratamento

Mesmo com novo surto de violência, a União Europeia (UE) decidiu manter uma reunião entre os ministros das Relações Exteriores de França, Alemanha e Polônia com o presidente Viktor Yanukovich. Os ministros deixaram Kiev e voaram para Bruxelas. O encontro serviria para a discussão de medidas para interromper a crise no país, que foi ameaçado com sanções econômicas pela União Europeia – tais sanções, contudo, não estariam em pauta nesta quinta-feira.

Acordo com oposição – Rompido em poucas horas, o acordo de trégua havia sido anunciado por Yanukovich depois de uma reunião com três lideranças opositoras. O comunicado do governo afirma que serão iniciadas negociações “com o objetivo de acabar com o derramamento de sangue e estabilizar a situação, no interesse da paz social”. Arseniy Yatsenyuk, ex-ministro da economia e líder do partido Pátria, confirmou que “uma trégua foi declarada”. “O principal é proteger a vida humana”, diz a nota divulgada na página do partido na internet. Yatsenyuk participou da reunião ao lado do ex-campeão mundial de boxe Vitali Klitschko, líder do partido Udar (“soco”, em ucraniano) e membro do Parlamento, e do nacionalista Oleh Tyahnibok.

Horas antes do anúncio, Yanukovich substituiu o chefe do Exército, o coronel-general Volodymyr Zamana. A Presidência ucraniana não informou o motivo da troca, feita depois que o Ministério da Defesa declarou que o Exército poderia ser acionado para participar de uma operação nacional “antiterrorista” para restabelecer a ordem no país.

Saiba mais:

​Por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia?

Ucrânia, um país com um histórico de tragédias

Zamana havia sido apontado chefe do Exército há dois anos. Ele será substituído pelo almirante Yuriy Ilyin, que já comandou a Marinha ucraniana. Em uma declaração publicada pela agência France-Presse no início deste mês, o novo comandante defendeu que “ninguém tem o direito de usar as Forças Armadas para limitar os direitos dos cidadãos”.

Culpa – Em meio ao clima de tensão após os violentos choques de terça, o presidente fez nesta quarta um pronunciamento na TV culpando opositores pelos confrontos e ameaçando levá-los à Justiça por agirem de forma inconstitucional. “Os líderes da oposição negligenciaram o princípio da democracia segundo o qual se chega ao poder por meio das eleições, e não pelas ruas ou praças. Eles ultrapassaram os limites, apelando ao povo que recorra às armas”, disse.

A crise na Ucrânia começou em novembro do ano passado, quando Yanukovich desistiu de um acordo com a União Europeia em nome de uma maior aproximação com a Rússia e detonou uma onda de insatisfação popular que tomou as ruas, ganhou força após a aprovação de um pacote de leis antiprotesto e recentemente provocou a queda do primeiro-ministro.

Os manifestantes, liderados por três políticos oposicionistas, entraram em trégua com o governo no início de fevereiro, enquanto os dois lados iniciaram negociações. O presidente fez concessões, como a promessa de anulação das leis que limitavam a liberdade de expressão, mas a oposição exige mais reformas. Entre elas estão uma revisão constitucional que reduza os poderes do presidente, devolvendo prerrogativas ao Parlamento, ou que um novo governo seja formado.