Suíça aprova o abandono gradual da energia nuclear

País segue iniciativa da Alemanha, que pretende fechar reatores até 2022

A Suíça abandonará progressivamente a energia nuclear usada no país. Nesta quarta-feira, o Conselho de Estados, câmara alta do Parlamento, aprovou a suspensão da construção de novas usinas atômicas. O Conselho Nacional, câmara baixa, havia aprovado o projeto em 8 de junho.

Depois da luz verde da câmara alta, o projeto volta à câmara baixa, para aprovação da versão adotada nesta quarta-feira. Além das medidas que estimulam a energia renovável e eficiência energética, o texto votado exige, por outro lado, a continuação das pesquisas no setor nuclear.

Acervo Digital VEJA: Os riscos – e as vantagens – das usinas nucleares

O governo suíço segue os passos, da Alemanha, a primeira potência mundial a renunciar à energia nuclear, em maio passado, preocupada após a catástrofe da central nuclear japonesa de Fukushima em março. Além de parar de usar a energia nuclear, a Alemanha também planeja reduzir o uso de eletricidade em 10% até 2020 e dobrar a participação de fontes renováveis de energia para 35% no mesmo período, segundo um documento do governo obtido pela agência de notícias Reuters.

Dos 17 reatores alemães, 14 não estarão mais em serviço no fim de 2021 e os três últimos – os mais novos – serão utilizados até 2022 no mais tardar, explicou o ministro, enfatizando que a decisão é “irreversível”.

(Com agência France-Presse)