Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Reflexões de um pai judeu sobre Gaza

Eu vou todos os anos para Israel. É um país incrível. Tem a 25ª mais alta renda per capita do mundo, com 36.000 dólares ao ano, à frente da média da União Europeia e mais de três vezes superior à brasileira (11.000 dólares ao ano). Já ganhou doze prêmios Nobel – tem mais prêmios Nobel por habitante do que a Alemanha, Estados Unidos e França. Israel tem excelentes museus, uma das melhores orquestras filarmônicas do mundo, grandes cineastas (Amos Gitai, Dror Moreh, Ari Folman), escritores magistrais (Amos Oz, David Grossman, S.Y. Agnon, A.B. Yehoshua…), músicos fantásticos. Apesar do seu tamanho minúsculo, é o terceiro país com mais empresas listadas na Nasdaq, a bolsa de empresas de tecnologia, atrás apenas dos EUA e da China. O primeiro serviço de instant messaging, ICQ, é de uma empresa israelense. O Waze também. A Teva, maior empresa do mundo de medicamentos genéricos, é de lá. O país tem grandes restaurantes, um Parlamento vibrante, vida noturna intensa. Tel Aviv poderia ser colocada em qualquer país europeu e o turista não saberia a diferença.

Que tudo isso tenha sido gerado por um país de 20 mil quilômetros quadrados (um pouco menor que Sergipe) fundado em 1948 já seria surpreendente; tendo acontecido sob constantes ataques em guerras e atentados terroristas e acolhendo milhões de imigrantes ao longo de décadas, é algo que aqueles com pendores religiosos poderiam chamar de milagre. Cercado por todas essas opulentas vitórias e conquistas, é perdoável que os visitantes estrangeiros e os próprios israelenses não consigam fazer o esforço sobre-humano de notar que, mantido o atual caminho, o país ruma para o suicídio.

Conflito — A atual campanha de Gaza apenas reforça alguns pontos nos quais acredito há muitos anos. Primeiro: Israel não pode vencer o conflito com os palestinos militarmente sem que se torne um pária entre as nações. Porque a única maneira militar de acabar com o terrorismo dos radicais do Hamas seria dizimar todo o povo palestino. Algo inconcebível. Enquanto houver palestinos vivos, eles vão querer ter um Estado – uma aspiração que o povo judeu, apátrida por dois milênios, certamente entende bem, e cuja legitimidade é inquestionável.

Eu acompanho esse conflito com lupa há pelo menos vinte anos. Já nem me recordo mais a quantidade de vezes que os comentaristas militares israelenses e seus apoiadores disseram que uma certa ação militar ou o assassinato de um líder do Hamas (Yehia Ayash, Ahmed Yassin, Abdel Aziz al-Rantissi, Salah Shahade, Ahmed Jaabari) daria o “golpe definitivo”. Mas o enredo é sempre o mesmo: centenas ou milhares de palestinos inocentes são assassinados, casas são destruídas, mísseis explodidos, soldados e civis israelenses morrem e, assim que as operações acabam, a preparação para o próximo conflito começa. Com um saldo sempre negativo para Israel. A operação Chumbo Fundido, de 2008-09, matou entre 1.166 e 1.417 palestinos e treze israelenses.

A operação atual, no momento em que escrevo essas linhas, já custou a vida de 1.492 palestinos e 66 israelenses, além de um soldado sequestrado. A imagem internacional do país se deteriorou sensivelmente de lá pra cá. Chama a atenção que os defensores dessa operação não percebam a sua inutilidade: Israel está usando todo o aparato bélico de que o século XXI dispõe para…enterrar túneis (?!). Túneis que podem ser feitos com pás e um pouco de cimento e que certamente começarão a ser cavados novamente assim que o conflito terminar. É óbvio que Israel precisa se defender dos foguetes e não permitir túneis adentrando seu território, como é óbvio não ser possível eliminá-los militarmente.

Guerrilha –– Muito tem se escrito, nos últimos dias, sobre a indecência do comportamento do Hamas, que estaria vitimando seus concidadãos de propósito para danificar a imagem de Israel. Do outro lado, há aqueles que acusam Israel de “genocídio” e imaginam que o objetivo da ação é matar o maior número possível de palestinos. Não pretendo me ater a teorias e gostaria de ficar no terreno do que considero obviedades. A primeira é que, se os palestinos não podem ter Exército e não conseguem obter concessões pela via da negociação, sua arma será o terrorismo, por não terem outra. A segunda é que terroristas são o que de pior a humanidade produz, e os militantes do Hamas, e sua ideologia, são asquerosos, racistas, desumanos, torpes. A terceira, derivada das duas acima, é que um Exército nacional não pode lutar contra e vencer uma milícia terrorista sem que adote suas táticas, coisa que um Exército nacional não pode fazer. É por isso que os americanos não ganharam no Vietnã nem os franceses na Argélia, e é por isso que o exército israelense não ganhará em Gaza, se por “vitória” entendermos uma ação militar que gere uma paz duradoura.

Não entendo essas pessoas que ficam apontando as atrocidades do Hamas. Ninguém, em sã consciência, acha que essa é uma organização digna e honrada. O que essas pessoas esperam? Que ao denunciar as vilezas do Hamas seus militantes comecem a guerrear de acordo com as Convenções de Genebra?! Não vai acontecer. Que a população de Gaza se insurja contra o Hamas e entenda as razões israelenses para matar centenas de mulheres e crianças, e aceitem o bloqueio marítimo, terrestre e aéreo que Israel impõe a Gaza de maneira resignada? Não vai acontecer. Que a comunidade internacional aceite a morte de centenas de inocentes porque os militantes do Hamas estão jogando foguetes contra cidades israelenses? Não vai acontecer.

Leia também:

Soldado israelense foi capturado enquanto tentava destruir túnel

Porta-voz da ONU chora ao falar sobre mortes em Gaza

Alta comissária da ONU denuncia EUA por armar Israel

Israel convoca mais 16 mil reservistas para ofensiva em Gaza

O segundo fato, portanto, que essa operação deixa claro é que o problema israelo-palestino precisa ser resolvido na mesa de negociação. Essa, aliás, é a única forma de derrotar o Hamas: mostrar aos palestinos que o terrorismo não leva a nada e que o caminho dos moderados traz resultados. Aqui os defensores de Israel repetem mais uma frase sem sentido, que vem dos partidos da direita israelense: a de que não há parceiro para a paz, de que os palestinos não reconhecem a existência de Israel, de que todos os árabes – ou todo o mundo, dependendo do nível de paranoia do interlocutor – quer jogar os judeus ao mar. Assim sendo, não há nada a fazer, além daquilo que os militares israelenses chamam de “aparar a grama”: ações militares periódicas que causam bastante morte e destruição e retardam em alguns anos o fortalecimento das milícias palestinas. (Esse linguajar desumano, inaceitável, já é um indício de uma brutalização da sociedade israelense e de grande parte da comunidade judaica, que comento a seguir).

Pra ser sincero, acho essa visão equivocada. Ela emana do pecado original do sionismo: a ideia, difundida nos primórdios do movimento, de que a criação do Estado judeu na Palestina histórica era dar “um povo sem terra para uma terra sem povo”. Ocorre que a segunda metade da frase é falsa: havia milhares de palestinos morando, há séculos, nas terras sagradas do judaísmo. Eu entendo perfeitamente que um povo perseguido por milênios e tendo recentemente saído do Holocausto não tenha podido demonstrar empatia para com o sofrimento dos palestinos naquela época – mas não hoje. Também entendo que os palestinos não tenham aceitado a presença judaica em terras que percebiam como suas. Como bem disse David Ben-Gurion, primeiro premiê israelense: “Se eu fosse um líder árabe, eu jamais assinaria um acordo de paz com Israel. É normal, nós tomamos o país deles. É verdade que Deus prometeu-o a nós, mas o que eles têm a ver com isso? Nosso Deus não é o deles. O único que eles veem é: nós viemos aqui e roubamos o seu país. Por que eles deveriam aceitar isso?”

História — Os palestinos e os vizinhos árabes cometeram um erro histórico ao não aceitar o plano de partilha da ONU em 1947 e declarar guerra a Israel em 1948. Pagaram por esse erro com uma derrota fragorosa, exílio e morte, naquilo que chamam de “Naqba” (“Catástrofe”), e continuam pagando até hoje. Em 1947 eles lutavam por 100% da terra. Agora lutam por apenas 22%, a área correspondente à Cisjordânia e Faixa de Gaza. A ideia de que não há parceiro do outro lado deriva da ideia de que os palestinos rejeitaram ofertas “generosas” de Israel, que previam a devolução de até 95% dos territórios ocupados. Mas mesmo para os palestinos moderados, qualquer coisa que não seja a totalidade dos 22% que lhes restaram é um insulto. Não haverá paz enquanto todos os territórios não forem devolvidos.

Há várias propostas na mesa que chegam muito perto do fim do conflito, como o que foi negociado em Taba em 2001, a Iniciativa de Genebra de 2003, a proposta da Liga Árabe de 2002. Creio que um governo israelense com respaldo popular para chegar a um acordo conseguiria concluí-lo em poucos meses de negociação. A questão que parece mais espinhosa é provavelmente o direito de retorno dos refugiados palestinos, mas ao contrário do que os radicais israelenses espalham, 90% dentre eles não querem voltar para o Estado judeu, e sim para um eventual Estado palestino. Se você tem dúvida sobre a confiabilidade da informação, vale dizer que ela foi auferida por um pesquisador palestino que, ao divulgá-la, teve seu escritório depredado por seus conterrâneos radicais (esse dado, assim como todos os outros mencionados ao longo deste artigo, estão disponíveis em twitter.com/gioschpe).

Cenário — Creio que a maior oposição a um acordo justo e duradouro venha do atual governo israelense, que acredita na manutenção do status quo, talvez desejando que em algum momento os palestinos desistam de suas aspirações ou que alguma mudança radical aconteça no Oriente Médio (muitos ainda imaginam que algum dia será possível fazer um Estado palestino na Jordânia…). Creio que quem analisa os dados friamente, e não através do prisma do pensamento mágico, haverá de concluir que a passagem do tempo é altamente contrária ao interesse israelense. Por quatro motivos: demográfico, geopolítico, sociológico e de relações internacionais.

Demográfico: em Israel, hoje, aproximadamente 75% da população é judia e 21% é árabe. Dentro da população judia, os ortodoxos representam 10% do total. Mas, devido ao diferencial de fertilidade – 7 filhos por mulher ortodoxa versus 2,3 para as judias não-ortodoxas – hoje os religiosos são 20% da população judia com menos de 20 anos. Em 2050, a projeção demográfica é de que os religiosos representem 30% da população judia. Os árabes israelenses também têm fertilidade mais alta do que os judeus não-religiosos: 3,5 filhos por mulher, versus 3,0 para a população judia como um todo. Ou seja, a proporção de árabes e ortodoxos aumenta e a de judeus não-religiosos diminui. Se já é difícil chegar a um consenso hoje, imagine quando talvez a maioria da população for composta de judeus ortodoxos e árabes. Além disso, há a população palestina nos territórios ocupados. Se a incluirmos, hoje temos aproximadamente 12 milhões de pessoas vivendo entre o rio Jordão e o Mediterrâneo. 52% desses são judeus e 45% árabes. Segundo o demógrafo Sergio Della Pergola, da Universidade Hebraica de Jerusalém, essa proporção se inverte em poucos anos; em 2030 os palestinos representarão 56% da população. Imagine se a Autoridade Palestina se dissolver e Israel voltar a ter controle legal sobre toda essa população…

Geopolítico: hoje Israel consegue manter o status quo porque os Estados Unidos oferecem apoio diplomático – vetando sanções no Conselho de Segurança da ONU, por exemplo – e militar. Com o fim da Guerra Fria, caiu a razão estratégica para o apoio americano. Com a descoberta do gás de xisto americano e a reduzida dependência deste país do petróleo do Oriente Médio, a razão econômica também se enfraqueceu. Resta a motivação da política interna, com a pressão da comunidade judaica e, em menor escala, evangélica em favor de Israel. Mas, como mostram críticos como Peter Beinart, o apoio da juventude judaica americana a Israel é menor do que a da geração de seus pais. Mas mesmo que, apesar de todos esses fatores, o apoio americano continue firme e forte (o que me parece improvável), é difícil que ele seja suficiente em um mundo que caminha para a bipolaridade, com a China ocupando o posto de maior economia mundial. A China não tem, nem nunca teve, uma comunidade judaica expressiva. Não é, nem nunca foi, uma democracia. Com 69 carros por 1.000 habitantes (vs. 786 nos EUA) e poucas reservas de petróleo, é difícil de se imaginar que a China irá se alinhar com Israel e não os países árabes. No próprio Oriente Médio, a Primavera Árabe foi mais um sinal de alerta. Quando as populações árabes depuseram seus ditadores militares, em alguns casos escolheram movimentos radicais islâmicos em seus lugares. Quando o Egito foi governado pela Irmandade Muçulmana, houve grande cumplicidade entre o presidente Mursi e o Hamas, incluindo o tráfico de armas. Se a situação de hoje é difícil, o que acontecerá se o Egito voltar a ser governado pela Irmandade, o Líbano pelo Hezbollah, a Síria e o Iraque pelo Isis?

Sociológico: a ocupação militar de outro povo corrói uma nação democrática. É difícil se imaginar que um jovem israelense passe três anos (o período do serviço militar obrigatório para os judeus israelenses; mulheres servem dois anos) suprimindo a liberdade alheia e depois transforme-se em um democrata exemplar. O filósofo israelense Yeshayahu Leibowitz escreveu essas palavras proféticas em um ensaio de 1968, enquanto a população israelense ainda estava embevecida com as conquistas territoriais do ano anterior: “Um Estado dominando uma população hostil de [à época] 1,5 a 2 milhões de estrangeiros necessariamente se tornará um Estado policialesco, com todas as consequências que isso traz para a educação, liberdade de expressão e instituições democráticas. A degeneração característica de todo regime colonial também prevalecerá no Estado de Israel.” Assim está sendo. Atualmente, manifestantes contrários à campanha de Gaza têm sido espancados por militantes de direita e até presos pela polícia. Os apoiadores da ação militar vão às ruas cantando, abertamente, “Morte aos árabes!” e “Morte aos esquerdistas!”. Não é preciso um PhD em Ciência Política para saber que esse ódio e sectarismo são sinais de uma profunda falência democrática, normalmente vista apenas em períodos pré-convulsão civil.

Comunidade internacional — Por último, e talvez mais importante, Israel está virando um pária aos olhos da comunidade internacional. É o único país que domina outra população, e é a única democracia ocidental que desrespeita leis internacionais, impõe bloqueios a outro povo, causando enormes dificuldades e sofrimento desde 1967. Muitos judeus veem nesses ataques da opinião internacional o espectro do antissemitismo e até do nazismo, como se criticar o governo israelense fosse sempre uma versão sublimada de ódio antissemita. Discordo, mas não vou entrar nessa discussão. Atenho-me ao fato: a percepção de Israel na comunidade internacional está em queda livre desde a segunda intifada. Já há vários países, ONGs, universidades e igrejas que boicotam o país e incentivam seus membros a não comprar produtos ou ações de companhias israelenses.

Para um país minúsculo em estado de conflagração com quase todos os seus vizinhos, é impossível para Israel manter o seu nível de desenvolvimento caso as sanções da comunidade internacional evoluam para um boicote do estilo imposto à África do Sul da época do apartheid. Pode ser que os esforços propagandísticos do governo israelense surtam efeito, mas eu duvido fortemente que – por mais que o Hamas seja odiado – a comunidade internacional tolere a morte e as privações que as ações israelenses vêm impondo aos civis palestinos.

Israel — Quero concluir com uma experiência muito pessoal. Nessas férias de julho, minha mulher, israelense, foi com nossos filhos visitar sua família, perto de Tel Aviv. Eu não pude ir, por motivos de trabalho. Eles chegaram lá no segundo dia da operação em Gaza e ficaram por duas semanas. Como os que me leem devem saber, considero-me um racionalista, humanista e pacifista. Desde a adolescência. Pois quando minha mulher me contou que teve de ir, junto com os nossos filhos, para um abrigo antiaéreo para se proteger dos foguetes do Hamas, durante algumas horas eu pensei com o fígado, e tive vontade de que o exército israelense despejasse sobre Gaza todo tipo de armamentos, nas quantidades que fossem necessárias, para que os foguetes parassem de cair e eu pudesse ter os meus de volta e em segurança.

Comecei a sair desse estupor ao ver o indescritível sofrimento de pais e familiares que tiveram seus filhos destroçados pelos mísseis que eu desejara que caíssem sobre eles. Antes de ser um judeu sionista sou um ser humano, e por ser humano e pai consigo sentir a dor que acomete um pai que precisa viver como realidade aquilo que, como um mero temor, já me causara tamanha angústia. Se eu tive esse acesso de bile mesmo morando a milhares de quilômetros de distância e tendo familiares no conflito por duas semanas, posso imaginar como se sentem os israelenses que passam por isso, constantemente, há anos. E, ainda mais, o que passa pela cabeça dos habitantes de Gaza, cujo sofrimento é infinitamente maior. Consolidou-se em mim a crença de que esses dois povos, sozinhos, não conseguirão superar seus ódios e medos e chegar a um acordo de paz justo e duradouro.

Caminhos –– Hoje, acredito que Israel tem apenas três alternativas. A primeira é seguir o caminho atual, e confiar em sua supremacia militar e na aliança com o poder hegemônico. Esse é um caminho que, no curto prazo, vai levar apenas a mais conflito, mais mortes, mais isolamento externo e rupturas internas. No longo prazo, tende a levar a um segundo Holocausto. Quem conhece História sabe que o atual atraso econômico e militar do mundo árabe é uma aberração. Enquanto as potências ocidentais de hoje chafurdavam nas trevas da Idade Média, povos árabes representavam a vanguarda do conhecimento e da riqueza. Voltemos mais alguns milênios no tempo e veremos os judeus como escravos do faraó egípcio. Em algum momento esse pêndulo há de fazer o movimento inverso; se a vida dos israelenses depende apenas da supremacia tecnológica, o fim desta trará a extinção daquela.

Os outros dois caminhos envolvem um acordo de paz sendo imposto pela comunidade internacional. Minha única dúvida é se essa imposição virá dos amigos de Israel ou de seus inimigos. Se vier dos inimigos significará que o país foi subjugado pela pressão/boicote internacional. Para chegar a esse ponto, significará que Israel perdeu todo seu apoio internacional. O conflito interno será tremendo, e os termos de um acordo com os palestinos e demais países árabes serão francamente desfavoráveis aos israelenses, talvez exigindo reparações financeiras exorbitantes, perda de território, incorporação de refugiados. Talvez nesse cenário o país sobreviva, mas duvido que como uma democracia plena, com pujança econômica.

O terceiro cenário é aquele em que um acordo de paz é estimulado pelos amigos de Israel, notadamente os Estados Unidos e a comunidade judaica internacional. Esse seria um acordo em uma posição de força, que permitiria um entendimento justo e o fim das hostilidades, e liberaria Israel para continuar seu caminho de desenvolvimento econômico e social. Entendo que muitos judeus e sionistas não-judeus acham que o melhor que podem fazer por Israel é dar apoio incondicional a qualquer ação de qualquer governo. Respeito essa opinião, apesar de saber que aqueles que a professam provavelmente não respeitam a minha. Mas gostaria de, respeitosamente, discordar. Pessoas tomam péssimas decisões sobre suas vidas, e países, mesmo democráticos, também escolhem líderes errados e políticas ineptas. Algumas pessoas acham que os verdadeiros amigos apoiam qualquer sandice e são só elogios. Já eu acredito que os verdadeiros amigos são aqueles que criticam quando acreditam que a crítica é necessária, que falam as verdades duras. Hoje eu acredito que aqueles que apoiam uma política cujo resultado é a inércia diplomática e o crescimento exponencial de cadáveres de inocentes são os que, inadvertidamente, enterram a paz e levam Israel e os palestinos a um beco sem saída.

Para terminar, preciso confessar que não tenho certezas. Talvez já tenhamos atravessado o Rubicão. Talvez os ódios já sejam insuperáveis. O que significa dizer que talvez, mesmo depois de concluído um acordo de paz justo, os foguetes continuem a cair em Israel. Talvez esse conflito seja sobre mais do que terra, como quer a direita israelense. Pode ser. Mas prefiro tentar o caminho do entendimento e da justiça, que tem alguma chance de fracasso, do que persistir no caminho atual, cuja chance de sucesso é zero. E prefiro que os foguetes venham agora, quando Israel e o povo judeu têm uma capacidade de reação que nunca tiveram em toda a sua milenar história, do que em um momento em que já não nos restará mais nenhum cartucho, nem nenhum aliado.