Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

ONU: três milhões de sírios precisam de alimentos e ajuda

Tropas de Assad torturam jovens em Damasco; rebeldes bombardeiam Alepo

Três milhões de sírios precisam de alimentos e de ajuda para suas colheitas e criação de gado, alertou nesta quinta-feira a Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO), com base em estudos das Nações Unidas e do próprio governo da Síria. Além disso, mais de um milhão de sírios precisam de ajuda na forma de “sementes, rações, combustível e reparo de bombas para regar”.

Leia também:

Leia também: Obama autorizou apoio secreto a rebeldes sírios

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

Das três milhões de pessoas em extrema necessidade no país, 1,5 milhão de sírios precisam de ajuda alimentar de forma imediata durante os próximos três a seis meses, em especial nas áreas mais afetadas pelo conflito e o deslocamento da população. De acordo com a organização, nos próximos 12 meses “será necessário ampliar a ajuda alimentar e os meios de subsistência, já que o número de pessoas que precisam de ajuda nutricional deve alcançar três milhões”.

Em um cenário de conflito armado, o comunicado afirma que “cultivos estratégicos – como trigo e cevada – foram muito afetados, assim como cerejeiras, oliveiras e a produção de hortaliças”. “Enquanto as implicações econômicas das perdas são muito graves, as consequências humanitárias são muito mais urgentes”, diz, no relatório, o representante do Programa Mundial de Alimentos da ONU na Síria, Muhammad Hadi.

Violência – De fato, as violações aos direitos humanos são cada vez mais graves no país em que dezenas de pessoas são mortas por dia nos confrontos entre as tropas do ditador Bashar Assad e a oposição armada. Na quarta-feira, as forças de segurança sírias mataram 43 jovens após um ataque contra a cidade de Jdeidet Artuz, ao sudoeste de Damasco, informou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

“As forças do regime invadiram na quarta-feira Jdeidet Artuz, prenderam uma centena de jovens e os levaram para uma escola, onde foram torturados”, afirma uma nota do OSDH. “Na manhã desta quinta-feira, depois da operação, foram encontrados 43 corpos. Alguns jovens foram fuzilados”, completa o texto.

Alepo – Mas a batalha mais sangrenta no momento acontece em Alepo, de onde o regime tenta expulsar os soldados desertores. As forças rebeldes bombardearam nesta quinta-feira o aeroporto militar de Menagh, 30 quilômetros ao noroeste de Alepo, de onde decolam os helicópteros e aviões que atacam a cidade. “O aeroporto militar de Menagh foi bombardeado por um blindado capturado pelos rebeldes”, afirma um comunicado do OSDH.

O porta-voz da ONU, Martin Nesirky, afirmou na quarta-feira que, segundo a missão das Nações Unidas na Síria, os rebeldes contam em Alepo com armas pesadas, incluindo tanques. Os observadores também afirmaram que as tropas oficiais utilizam caças para bombardear a cidade.

(Com agência France-Presse)