Mali sofre 1º ataque suicida durante intervenção francesa

Terrorista detonou explosivos perto de soldados malinenses em Gao (nordeste)

O Mali sofreu nesta sexta-feira o primeiro atentado suicida durante a intervenção francesa no país, quando um terrorista detonou explosivos que carregava perto de soldados malinenses em Gao (nordeste do Mali). Um soldado malinense ficou ferido, segundo o Exército, mas não houve baixas.

Leia também:

Leia também: Guerra no Mali custou 70 milhões de euros à França

Entenda o caso

  1. • No início de 2012, militantes treinados na Líbia impulsionam uma grande revolta dos tuaregues no norte do Mali. Em março, o governo sofre um golpe de estado.
  2. • Grupos salafistas, com apoio da Al Qaeda, aproveitam o vácuo de poder para tomar o norte do país – onde impõem um sistema baseado nas leis islâmicas da ‘sharia’.
  3. • Em janeiro de 2013, rebeldes armados, com ideais bastante heterogêneos, iniciam uma ofensiva em direção ao sul do Mali, e o presidente interino, Dioncounda Traoré, pede socorro à França.
  4. • Com o aval das Nações Unidas, François Hollande envia tropas francesas e dá início a operações aéreas contra os salafistas, numa declarada guerra contra o terrorismo.

“O homem se aproximou de nós de moto. Ele era um tuaregue e, quando se aproximava, detonou seus explosivos”, afirmou o oficial do Exército Mamadou Keita. “Morreu imediatamente e entre nós há um ferido em estado leve”, completou.

O ataque suicida ocorre um dia após o porta-voz de um grupo islamita do norte do Mali, o Movimento para a Unidade e a Jihad na África Ocidental (Muyao), fazer uma declaração reivindicando a colocação de minas, ataques a comboios militares e a utilização de terroristas suicidas nesta região.

“Muyao está por trás da explosão de dois carros do exército malinense entre Gao e Hombori”, afirmou o porta-voz Abu Walid Sahraoui. Ele também disse que seu grupo havia “conseguido criar uma nova zona de conflito, coordenar ataques a comboios e organizar suicidas”. Gao, a maior cidade do norte do Mali, foi arrebatada no dia 26 de janeiro pelo exército francês e do Mali das mãos dos grupos islamitas armados, incluindo o Muyao, que a ocuparam durante meses.

Acampamento – Em um incidente separado, várias pessoas ficaram feridas nesta sexta-feira quando soldados do exército malinense atacaram em Bamaco um acampamento de “boinas vermelhas”, aliados ao ex-presidente Amadou Toumani Touré, derrubado em março de 2012.

“Desde as 6h locais (4h de Brasília), militares fortemente armados atacaram o acampamento. Neste mesmo momento estão disparando contra nossas mulheres e nossos filhos”, disse Yaya Bouaré, um “Boina Vermelha” que se encontra no acampamento atacado. “Há vários feridos no acampamento”, acrescentou. Suas declarações foram confirmadas por habitantes do acampamento.

(Com agência France-Presse)