Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro agradece a Trump por apoio à tentativa de diálogo

O governo americano defendeu reuniões entre o chavismo e a oposição

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, agradeceu neste domingo ao governante americano, Donald Trump, pelo apoio dos Estados Unidos na nova tentativa de diálogo entre o governo venezuelano e a oposição. “Agradeço ao presidente Donald Trump pelo apoio ao diálogo nacional”, disse Maduro durante um evento de movimentos sociais pela paz em Caracas.

O governo americano expressou na sexta-feira apoio às reuniões entre o chavismo e a oposição para reativar um processo de negociação política, segundo um comunicado do Departamento de Estado. “Os Estados Unidos reiteram o seu pedido de restauração completa da democracia na Venezuela. Apoiamos negociações sérias que de boa fé alcancem este objetivo”, apontou o governo de Trump.

Os Estados Unidos agradeceram os “esforços” do governo da República Dominicana e de seu presidente, Danilo Medina, por sediar as reuniões, que serão retomadas em 27 de setembro.  Trump assinou há algumas semanas uma ordem executiva que proíbe as “negociações em dívida nova e capital emitidas pelo governo da Venezuela e a sua companhia petroleira estatal”.

A medida da Casa Branca impede também as “negociações com certos bônus existentes do setor público venezuelano, assim como pagamentos de dividendos ao governo da Venezuela”, o qual Washington acusa de levar o país a uma ditadura.

No mês passado, Trump surpreendeu ao assegurar que não descartava uma opção militar para a Venezuela, uma ideia que despertou a rejeição de Caracas e de todo o continente.

No entanto, os Estados Unidos expressaram na sexta-feira a defesa de um novo processo de diálogo na Venezuela, o que o presidente boliviano, Evo Morales, apoiador de Maduro, considerou uma rendição por parte do governo americano. “O presidente dos Estados Unidos se rendeu, está apoiando o diálogo, já ganhamos esta batalha”, disse Morales em Caracas durante visita para participar em um evento pela paz em seu país.

(com EFE)