Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

UFC: a dupla personalidade de Sonnen, cretino profissional

Ao chegar ao Rio, o arquirrival de Anderson Silva esbanjou simpatia. Mas tudo muda quando uma câmera de TV aparece. Afinal, ele tem de pagar as contas...

Formado em Sociologia, Sonnen é inegavelmente articulado e bom orador. Tem desenvoltura, certo talento humorístico e até alguns lampejos de inteligência. Mas erra na dose ao fazer o papel de vilão

O inimigo número um dos brasileiros no UFC desembarcou no Rio de Janeiro no início desta semana – e revelou um curioso caso de dupla personalidade. Famoso por repetir frases ofensivas ao país e aos ídolos do MMA (Anderson Silva e os irmãos Nogueira são os alvos preferidos), o americano Chael Sonnen, de 35 anos, foi solícito, simpático e gentil no contato pessoal com todos os brasileiros. Chegou ao hotel Windsor Barra cerca de duas horas antes do horário previsto para a entrevista coletiva em que foi anunciada a revanche contra Anderson, no dia 7 de julho, em Las Vegas. Vestindo jeans e camisa preta, acompanhado da namorada loira e escoltado por um batalhão de seguranças, não parecia preocupado com sua integridade física – tanto que distribuiu abraços e sorrisos para os fãs que estavam no local. A mutação de Chael Sonnen acontece quando aparece uma câmera ou um microfone. E o visitante americano afável e tranquilo se transforma no vilão do UFC. Quando um fã pede para tirar uma foto, Sonnen tira o sorriso do rosto, faz cara de mau, ergue o braço no gesto tradicional dos lutadores e aguarda o fim dos flashes para voltar a dar risada e agradecer aos admiradores brasileiros. Horas depois, já sem a loira a tiracolo, ele sobe ao palco da entrevista ao lado do presidente do UFC, Dana White. Anderson Silva aparece sozinho, saindo da outra ponta do palco, para evitar trombar com o arquirrival. A partir deste momento, Sonnen já funciona no “modo vilão” – e, durante cerca de trinta minutos, apresenta uma reprise de seu já conhecido repertório. São alfinetadas em Anderson e nos irmãos Nogueira, provocações aos brasileiros, piadas de gosto duvidoso e um recado às mulheres do país.”Fiquem à vontade, liguem para mim, façam uma visita”, afirma, posando de conquistador viril e promíscuo. A namorada loira, sentada na primeira fila, não consegue segurar o riso.

Leia também:

Leia também: ‘É difícil fazer algo acontecer aqui no Brasil’, afirma Dana White

UFC 148, Las Vegas

Card principal

Anderson Silva x Chael Sonnen

Dominick Cruz x Urijah Faber

Tito Ortiz x Forrest Griffin

Rich Franklin x Cung Le

Michael Bisping x Tim Boetsch

Renan Barão x Ivan Menjivar

Card preliminar

Demian Maia x Dong Hyun Kim

Riki Fukuda x Costa Philippou

Gleison Tibau x K. Nurmagomedov

Fabrício Morango x Melvin Guillard

Este é o show de Chael Sonnen. Considerado um bom lutador – mas nada mais que isso -, o americano conseguiu transformar uma carreira apenas mediana numa atividade bastante lucrativa. Seu cartel no MMA é de 28 vitórias e 11 derrotas. Só no UFC, são cinco resultados negativos – sendo quatro deles contra brasileiros (além de Anderson Silva, Renato Sobral, Paulo Filho e Demian Maia também o derrotaram). Nunca chegou a ser campeão. Em 7 de agosto de 2010, porém, conseguiu a chance de sua vida. Enfrentando um Anderson Silva lesionado (com uma costela trincada) e com um reforço ilegal a empurrá-lo (acabou sendo flagrado no exame antidoping com níveis de testosterona acima do permitido), contrariou as expectativas e encarou o brasileiro de igual para igual. Como era considerado azarão, o desempenho surpreendente acabou produzindo uma lenda: a de que massacrou Anderson e só perdeu por um detalhe. Na verdade, não foi bem assim. Sonnen bateu muito, de fato, mas também apanhou demais, como prova o estado de seu rosto após o fim do combate. Foi finalizado com um triângulo aplicado pelo melhor lutador do planeta. E enxergou nessa derrota mais apertada do que se previa uma oportunidade para virar um astro. Desde então, usa seu maior talento – não os socos, mas a retórica – para aparecer. Talvez nem ele esperasse que a estratégia daria tão certo. Além de ter conquistado uma outra chance de enfrentar Anderson (depois de apenas duas vitórias contra outros lutadores medianos, sendo uma por pontos), ganhou programa de TV e contrato para escrever um livro (intitulado “A Voz da Razão”, que sai no mês que vem).

Leia também:

Leia também: Anderson Silva que se cuide – lutador fora de ritmo vira alvo fácil

Muhammad Ali, o gênio das luvas e dos microfones

(Com reportagem de Davi Correia, do Rio de Janeiro)