Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maradona se oferece para trabalhar na Rio-2016

Ex-jogador pretende ser assistente da equipe olímpica de futebol – que ainda corre risco de ficar de fora dos Jogos no Brasil

O ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona, durante jogo amistoso realizado em Paris - 09/06/2016

O ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona, durante jogo amistoso realizado em Paris – 09/06/2016 (VEJA)

A crise no futebol argentino é tão grande – em meio a escândalos de corrupção na federação e seguidos fracassos em campo, Lionel Messi e o técnico Tata Martino deixaram a seleção recentemente – que até mesmo Diego Armando Maradona, eterno crítico dos dirigentes da Associação do Futebol Argentino (AFA), se ofereceu para ajudar.

Apesar de todos os seus fracassos na carreira de treinador, o ex-craque revelou que gostaria de ser o assistente de Julio Olarticoechea, técnico que herdou a vaga de Martino para as Olimpíadas do Rio de Janeiro. A seleção campeã olímpica em Atenas-2004 e Pequim-2008 ainda corre o risco de ser excluída dos Jogos do Brasil.

Leia também:

Argentina pode não enviar seleção de futebol para a Rio-2016

Tata Martino pede demissão da seleçã argentina

#NoTeVayasLio: argentinos imploram por permanência de Messi

Segundo informações do jornal espanhol As, Maradona e Olarticoechea já conversaram por telefone e devem se reunir nesta quarta-feira para discutir sobre a parceria. O presidente interino da AFA, Luis Segura, no entanto, informou ao jornal argentino Olé que não há chance de Maradona ser contratado.

O dirigente disse ainda que, por enquanto, a federação não estuda a contratação de um novo técnico para a equipe adulta. A imprensa local especula os nomes de Diego Simeone, Jorge Sampaoli, Marcelo Bielsa e Edgardo Bauza, entre outros.

Diego Maradona Júnior, o filho não reconhecido por Maradona

Diego Maradona Júnior, o filho não reconhecido por Maradona (VEJA)


Maradona sai em defesa de Messi e chama Neymar de mal educado

Maradona sai em defesa de Messi e chama Neymar de mal educado (VEJA)


http://www.youtube.com/embed/8AD8PjkjYSU?rel=0
As agressões a jornalistas

Maradona tem um vasto histórico de confusões com jornalistas. No último desentendimento, em agosto deste ano, ele deu um tapa na cara de um repórter ao ser irritar com uma pergunta sobre seu ambiente familiar. “Nem vocês nem seus chefes vão me dizer o que tenho que fazer. Eu tenho um ambiente feliz. Parem de me incomodar, porque tenho 53 anos, já não sou o Dieguito, sou o Diego Armando Maradona”, gritou após a agressão. Esse incidente, no entanto, foi insignificante perto do que Maradona aprontou em 1994: irritado com a presença de jornalistas de plantão em frente à sua mansão, Maradona usou uma espingarda de ar comprimido e atirou contra eles. Por sua atitude, foi condenado a dois anos de prisão, mas escapou de ir para a cadeia após pagamento de fiança.

Pelé e Maradona se abraçam em evento da Fifa em Roma, em 2000

Pelé e Maradona se abraçam em evento da Fifa em Roma, em 2000 (VEJA)


Careca, do Brasil e Maradona, da Argentina durante o jogo entre Brasil 0 x 1 Argentina, partida válida pela Copa do Mundo de Futebol, no Estádio Delle Alpi

Careca, do Brasil e Maradona, da Argentina durante o jogo entre Brasil 0 x 1 Argentina, partida válida pela Copa do Mundo de Futebol, no Estádio Delle Alpi (VEJA)


Na partida contra a Nigéria, Maradona sai acompanhado de uma enfermeira para realização do teste anti-doping

Na partida contra a Nigéria, Maradona sai acompanhado de uma enfermeira para realização do teste anti-doping (VEJA)


http://www.youtube.com/embed/91a5-B20-YI?rel=0
Os xingamentos no hino

Maradona não é o tipo de pessoa que se intimida com vaias, nem mesmo vindas de um país inteiro. Na final da Copa de 1990, diante da Alemanha, a torcida italiana (ainda doída pela derrota da Azzurra para a Argentina na semifinal) vaiou o hino argentino no Estádio Olímpico de Roma. Inconformado, o então jogador do Napoli não teve dúvidas e xingou os torcedores italianos (“hijos de p…”) em alto e bom som, diante das câmeras de TV. Após a partida, ainda negou um cumprimento ao brasileiro João Havelange, então presidente da Fifa e seu grande desafeto. 

http://www.youtube.com/embed/nEeMSBy8EW0?rel=0
A batalha campal de 1984

Maradona não foi feliz em sua passagem pelo Barcelona, entre 1982 e 1984. Sua trajetória no clube catalão chegou ao fim com uma briga generalizada na final da Copa do Rei, diante do Athletic Bilbao, no Santiago Bernabéu. Meses depois de sofrer uma grave lesão após entrada duríssima de Andoni Goikoetxea (que ficou conhecido como “O Açougueiro de Bilbao”), Maradona reencontrou seu algoz na decisão. Derrotado por 1 a 0, Maradona perdeu a cabeça após a partida e iniciou uma briga generalizada, na qual distribuiu voadoras e pontapés. Por sua má conduta, Maradona recebeu três meses de suspensão e foi obrigado a pedir desculpas ao rei Juan Carlos. Pouco depois, deixou o clube para fazer história no Napoli, da Itália. 

Diego Maradona durante visita a 'Gazzeta dello Sport', na Itália

Diego Maradona durante visita a ‘Gazzeta dello Sport’, na Itália (VEJA)


http://www.youtube.com/embed/E7zs3nFDZEk?rel=0
A briga na Croácia

A mais recente confusão de Maradona aconteceu na Croácia. Poucos dias depois de participar do Jogo pela Paz e de se encontrar com o papa Francisco, no Vaticano, o ídolo argentino foi flagrado em uma briga na cidade croata de Dubrovnik, onde passava férias. Em um vídeo feito com um celular e divulgado pelo jornal local Dubrovacki, Maradona é visto aos gritos, correndo em direção a outra pessoa, na saída de uma casa noturna, aparentemente bêbado. As imagens são de baixa qualidade, tornando difícil entender o que realmente aconteceu na saída da boate. Mas é possível ouvir o barulho de uma garrafa de vidro quebrando – que, segundo testemunhas, foi arremessada pelo argentino – e xingamentos de Maradona contra seu ex-genro, o atacante argentino Sergio “Kun” Aguero, do Manchester City.

(da redação)