Fabrício exige progresso: ‘Seríamos invictos se não desse para melhorar’

Líder dentro de campo, o volante Fabrício finalmente fará sua estreia pelo São Paulo depois de dois meses em tratamento de uma tendinite no pé esquerdo. Na próxima quarta-feira, em Bragança Paulista, o camisa 8 entra em campo em partida válida pela nona rodada do Estadual, diante do Bragantino. Apesar do quarto lugar na tabela, o volante exige mais do Tricolor.

A equipe do técnico Emerson Leão foi líder do Campeonato Paulista durante as primeiras rodadas, mas empatou duas vezes (Guarani e Comercial) e perdeu o clássico Majestoso contra o Corinthians, vindo a cair na tabela. Uma nova chance de reação será oferecida às 21h50 (de Brasília) da quarta, com o time a três pontos dos líderes Palmeiras e Corinthians e dois do Guarani, que ocupa a terceira posição.Na visão do volante Fabrício, uma vitória no meio de semana é fundamental para a equipe do Morumbi, que ainda não mostrou toda a sua capacidade na temporada: ‘Minha impressão vendo de fora é de um time jovem, com muita disposição física, mas tem que pensar em melhorar sempre. Sofremos derrota em clássico, isso deixa claro que têm coisas pra melhorar, senão o time estaria invicto, melhor que todo mundo. O Paulista ainda vai chegar nos jogos mais difíceis, depois Copa do Brasil, e se parar para pensar daqui a pouco vamos ficar parados. Tem que fazer o melhor para se arrumar agora e encaixar até lá’.

Fabrício foi contratado pelo São Paulo em dezembro do ano passado, mas ainda não teve a oportunidade de entrar em campo por conta de uma tendinite no tornozelo esquerdo e, afastado das atividades ao lado dos companheiros, acabou realizando uma pré-temporada em separado do grupo do Tricolor, mas sempre com a vontade de vestir a camisa 8 e reeditar os bons tempos de Cruzeiro, onde permaneceu quatro temporadas. O volante admite a pressão e o ‘frio na barriga’, mas diz gosta desse tipo de responsabilidade.

‘Sempre dá o frio na barriga, não tem jeito, até pelas vezes em que eu fui ao Morumbi ver os companheiros, ver o time jogar. São Paulo é o maior centro do futebol brasileiro. Muita gente vai te ver, te avaliar, falar de você. Jogador está sempre sob pressão em São Paulo, ainda mais no São Paulo. Eu já sabia o que iria enfrentar, mas é um lugar em que eu gostaria de estar. Gosto de responsabilidades’, disse Fabrício, com discurso afinado.