Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alvo de insultos, Joanna Maranhão desabafa em entrevista ao vivo

'É direito das pessoas não gostarem do meu rendimento. O que ultrapassa os limites é desejar que eu seja estuprada, que a minha mãe morra', disse Joanna

Joanna Maranhão desabafou à beira da piscina dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro após ser a última colocada de uma série eliminatória dos 200m borboleta, no início da tarde desta terça-feira. Alvo de insultos em suas redes sociais por causa dos maus resultados, a nadadora pernambucana desabafou em entrevista ao SporTV, recordou o abuso sexual sofrido na sua infância e prometeu recorrer à Justiça.

“É direito das pessoas não gostarem do meu rendimento. Todo o mundo quer que um atleta brasileiro esteja no pódio, mas nem todo o mundo compreende a competitividade da natação. Isso é compreensível. O que ultrapassa os limites é desejar que eu seja estuprada, que a minha mãe morra, que um bandido me mate, que eu me afogue, falar que a história da minha infância foi inventada para estar na mídia. As pessoas se sentem seguras atrás de um computador”, reclamou Joanna.

Leia também
Rio-2016: Galã brasileiro se dá bem nas piscinas e no amor
Senhor dos drinques: atleta holandês eliminado vira meme

A história à que Joanna se refere foi revelada em fevereiro de 2008. Na época, a atleta acusou Eugênio Miranda, um ex-treinador, de abuso sexual, e o caso ganhou grandes proporções – até uma lei federal com o nome da nadadora chegou a ser aprovada, com alterações nas regras sobre a prescrição dos crimes de pedofilia e estupro praticados contra crianças e adolescentes.

Segundo Joanna, ela é uma vítima corriqueira de perseguição virtual por causa dos seus posicionamentos fortes. “Falo muita coisa que outros atletas não falam”, apontou. “Mas, quando a situação passa para a minha infância, para o desrespeito para com as mulheres ou por eu ser do Nordeste, tomo as medidas jurídicas”, avisou.

Além de ter participado das eliminatórias dos 200m borboleta, Joanna Maranhão competiu nos 200m medley (foi a penúltima colocada de sua série, na segunda-feira) e nos 400m medley (ficou na terceira posição da sua série e, assim como as duas competidoras que estavam à sua frente, não obteve índice para avançar à final). “Não sei quatros atletas temos na delegação do Brasil, mas o dobro ou o triplo queriam estar aqui e não conseguiram”, orgulhou-se.

Joanna Maranhão não é a primeira atleta olímpica brasileira que sofre com insultos pesados na internet em função de um fracasso. Primeira medalhista de ouro do País nos Jogos do Rio de Janeiro, a judoca Rafaela Silva foi alvo de racismo depois da desclassificação em Londres 2012.

(Com GazetaPress)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Micky Oliver

    A peteba se fazendo de vítima, como sempre fazem!

    Curtir

  2. Du Gonçalves

    Eu nado muito melhor e mais rápido.

    Curtir

  3. Paulo Sergio Netto

    O ser humano é ruim por natureza. Qdo ele é brasileiro e mal educado, aí só milagre!

    Curtir