‘Satânico’ Ghost faz provocações à Igreja no Rock in Rio

Banda sueca lembra o Slipknot, com uma diferença: o grupo americano faz o público pular até o final do show

“Lucifer, nós estamos aqui”, entoa em uma das canções Papa Emeritus II, vocalista da banda sueca Ghost B. C., fã de Black Sabbath e (ao menos declaradamente) seguidora do satanismo que virou marca (e marketing) do grupo de Ozzy Osbourne. Do jeito que se apresenta, o Ghost se assemelha a um Slipknot – outra banda de maquiados e/ou mascarados – para adultos. O deboche à Igreja Católica, a começar pelo nome artístico do vocalista, que se porta como um arremedo de pontífice no palco, e o satanismo deixam a música dos suecos em segundo plano.

VOTE: Metal é som para jovem ou ‘coroa’?

Para que a comparação não soe injusta, é bom frisar que o público dos mascarados americanos pulam até o final com a espécie de new-metal que o grupo paz. Já o que foi apresentado pelo Ghost nesta quinta-feira de Rock In Rio foi uma missa-rock com distribuição do tédio transubstanciado em hóstia.

No Rock in Rio, pais se esforçam para injetar ‘metal’ nos filhos

‘Metallica elogiou Rock in Rio’, diz baixista do Alice in Chains

Confira a programação da segunda etapa do Rock in Rio

Nem os mais próximos do repertório da banda sueca conseguiram manter o ânimo e a excitação que veio com Infestissumam, logo no início do show. Papa tentou respostas do público, em vão. “Boa noite, Rio”, “¿Qué tal?”, “How are you doing?”, insistiu, em diversas línguas, talvez testando aquela que a plateia daqui fala.

Sepultura arrebenta tudo, mas não empolga o público

Rob Zombie: artista legítimo ou um pastiche?

Nenhuma delas foi capaz de reverter o clima fúnebre instalado pela música do Ghost. Se o inferno for tão chato quanto o som dos suecos, evite ficar íntimo do tinhoso.