Mallu Magalhães diz que – óbvio – seu clipe não é racista

'É muito decepcionante para mim que meu clipe tenha ofendido alguém', diz cantora em textão no Facebook

Mallu Magalhães usou o Facebook para se defender das críticas ao vídeoclipe da música Você Não Presta, tido por alguns como racista por mostrar negros com o corpos besuntados, em segundo plano (em primeiro está a cantora) e, em um curto trecho, atrás das grades que protegem uma escadaria. Embora não tenha tido a intenção de subjugar os dançarinos negros do clipe, a cantora chega a pedir desculpas. “Fico muito triste em saber que o clipe da música Você Não Presta possa ter ofendido alguém. É muito decepcionante para mim que isso tenha acontecido. Gostaria de pedir desculpas a essas pessoas. Meu trabalho e minha mensagem têm sempre finalidade e ideais construtivos, nunca, de maneira nenhuma, destrutivos ou agressivos”, escreveu Mallu.

Em um país marcado por 500 anos de violência e discriminação racial, é natural que certas situações despertem dúvidas ou receios. Vale destacar, porém, que os argumentos usados contra o clipe não se sustentam. Corpos besuntados não apenas remetem ao suor que brota em quem dança samba, como são frequentes na publicidade e mesmo na arte — vide Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Além disso, Mallu Magalhães aparece em primeiro plano porque é a estrela do vídeo, e num certo momento ela também surge na escadaria que é protegida por grades.

“A arte é um território muito aberto e passível de diferentes interpretações e, por mais que tentemos expressar com precisão uma ideia, acontece de alguns significados, às vezes, fugirem do nosso controle”, continua Mallu Magalhães em seu textão. “Sei que o racismo ainda é, infelizmente, um problema estrutural e muito presente. Eu também o vejo, o rejeito e o combato. Li cada uma das críticas, dos posts e comentários, e o debate me fez refletir muito sobre o tema.”

Em seguida, Mallu justifica as escolhas estéticas do clipe de Você Não Presta. “A ideia era ter um clipe com excelentes dançarinos que despertassem nas pessoas a vontade de dançar, de se expressar. Foram convidados pela produtora e pelo diretor os bailarinos Bruno Cadinha, Aires d´Alva, Filipa Amaro, Xenos Palma, Stella Carvalho e Manuela Cabitango. Com a última, inclusive, tive a alegria de fazer aulas para me preparar para o vídeo.”

A cantora finaliza pedindo desculpas outra vez. “É realmente uma tristeza enorme ter decepcionado algumas pessoas, mas ao mesmo tempo agradeço a todos por terem se expressado. E reitero o meu pedido de desculpa. É uma oportunidade de aprender. Espero que, após este esclarecimento, seja aliviado deste espaço de conversa qualquer sentimento de ofensa ou injustiça, ficando os fundamentos nos quais tanto acredito: a dança, a arte e o convite à música.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Rennata Carvalho

    Achei lindo o clip não vi nenhum racismo ou coisa que o valha ressaltar , à não ser o fato de ser de samba o que só me contagia mais!

    Curtir

  2. carlos renato campos Campos

    Racistas nunca vem racismo em nada

    Curtir