Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Enem: A questão mais difícil de Geografia. Você responderia?

Pergunta exigia conhecimento de termos específicos de economia e mecanismos de comércio exterior, importações e exportações

A questão mais difícil de Geografia da edição de 2017 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) era curtinha, mas cobrava que os estudantes soubessem o significado de termos difíceis de economia e noções de comércio exterior. A proposta era que quem fizesse a prova do Enem conseguisse identificar nas alternativas qual era o principal “objetivo econômico” que levou quatro países, México, Colômbia, Peru e Chile, a se reunirem em um bloco intitulado Aliança do Pacífico.

A necessidade de que o estudante tivesse domínio do termo “tarifas aduaneiras” e dos mecanismos de importação e exportação de produtos tornam esta a pergunta mais complicada entre as que foram propostas dessa disciplina, na avaliação do professor Vagner Augusto, supervisor de Geografia do Anglo Vestibulares. “O texto poderia ‘ludibriar’ quem estava fazendo para escolher uma alternativa que estava errada. Não gosto de falar em pegadinha, mas o enunciado direcionava a resposta”, argumentou.


Questão 85 – Prova Amarela

México, Colômbia, Peru e Chile decidiram seguir um caminho mais curto para a integração regional. Os quatro países, em meados de 2012, criaram a Aliança do Pacífico e eliminaram, em 2013, as tarifas aduaneiras de 90% do total de produtos comercializados entre suas fronteiras.
OLIVEIRA, E. Aliança do Pacífico se fortalece e Mercosul fica à sua sombra.
O Globo, 24 fev. 2013 (adaptado).

O acordo descrito no texto teve como objetivo econômico para os países-membros

a) promover a livre circulação de trabalhadores.
b) fomentar a competitividade no mercado externo.
c) restringir investimentos de empresas multinacionais.
d) adotar medidas cambiais para subsidiar o setor agrícola.
e) reduzir a fiscalização alfandegária para incentivar o consumo.


Qual a resposta?

Vagner Augusto explica que a forma como a questão esta disposta leva o candidato menos preparado a associar a redução de taxas e cobranças de impostos entre os países membros como uma forma apenas de incentivar o consumo porque abaixa os preços, sem atentar para a perspectiva macroeconômica, marcando a “E”. Para o professor, a resposta correta que o estudante deveria ter marcado é a alternativa “B”.

O docente explica que apesar de ser difícil, quem fez o Enem 2017 precisaria compreender bem a diferença entre a redução de tarifas aduaneiras e a redução da fiscalização, como estava na alternativa. “Mesmo que você tenha tarifa de importação zerada, a fiscalização alfandegária não se altera. Se no Brasil tivermos febre aftosa nos bois, por exemplo, mesmo que os argentinos não paguem impostos, a fiscalização da carne quando ela entra ocorre da mesma forma”, explica.

Mesmo que o estudante conseguisse perceber a armadilha na letra “E”, ele ainda precisaria entender qual é a utilidade, o “objetivo”, de se constituir um bloco econômico como a Aliança do Pacífico, uma zona de livre comércio. Os países que integram o grupo são beneficiados pelo fortalecimento de suas economias em relação ao mercado externo, o que explica a resposta do supervisor de Geografia do Anglo Vestibulares.

E a mais fácil?

A VEJA, o professor Vagner Augusto também comentou qual foi, na sua avaliação, a questão mais fácil dentre as propostas na prova em sua disciplina. É uma questão sobre usinas hidrelétricas, com foco na estrutura de Belo Monte, que é colocada em perspectiva comparativa com outras nove. São colocadas as informações de área alagada, potência e localização de cada uma.

Para o docente, o que torna a questão tão fácil é o fato de só ter uma única alternativa que está alinhada ao que é exposto no gráfico. As outras, ou divergem substancialmente, ou simplesmente não tratam dos mesmos aspectos da questão. Veja abaixo:


Questão 49 – Prova Amarela

Gráfico da questão 49 da prova amarela do Enem 2017

Gráfico da questão 49 da prova amarela do Enem 2017 (Exame Nacional do Ensino Médio 2017/Reprodução)

Comparando os dados das hidrelétricas, uma característica territorial positiva de Belo Monte é o(a)

a) reduzido espaço relativo inundado.
b) acentuado desnível do relevo local.
c) elevado índice de urbanização regional.
d) presença dos grandes parques industriais.
e) proximidade de fronteiras internacionais estratégicas.


Para o professor, a resposta correta da “mais fácil” é a letra “A”.  Ele cita que enquanto Belo Monte tem 0,5 mil km² de área alagada e 11,2 mil MW de potência, outras como Tucuruí, Ilha Solteira, Serra da Mesa e Sobradinho alagaram muito mais espaço físico para menos resultado concreto de geração de energia. As demais alternativas ou estão incorretas ou praticamente nem são mencionadas no gráfico.

‘Prova conteudista’

Analisando o todo da prova de Geografia do Enem, o supervisor da disciplina no Anglo Vestibulares considera que se tratou de uma “prova conteudista”, próxima do habitual nos principais vestibulares das universidades públicas. “Conteudista” é um termo derivado de conteúdo, que no contexto indica perguntas bastante técnicas e que cobravam conhecimentos prévios.

Na disciplina, a consequência natural de questões conteudistas é a cobrança maior de aspectos da natureza, como clima, relevo e até matrizes energéticas, como no exemplo da questão fácil. A parcela do que diz respeito aos aspectos sociais da Geografia dentro dessa proposta se concentra mais em casos com a pergunta mais difícil, que peçam que o aluno tenha conhecimentos complexos para além dos textos.

Em outros anos, uma fração maior das questões de Geografia. poderia ser respondida através da interpretação de text

o. Neste domingo, os estudantes responderam a 90 questões de múltipla escolha nas áreas de Linguagens e Códigos e de Ciências Humanas, além de elaborarem uma redação com o tema “Os desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. No próximo final de semana, será a vez das provas de Ciências da Natureza e de Matemática.