Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nova Zelândia lança foguete impresso em 3D

Com o lançamento, a criação de uma agência espacial e de novas leis, país entrou na corrida espacial como um centro de baixo custo

A Nova Zelândia fez, na última quinta-feira, seu primeiro lançamento de um  foguete. Batizado de Electron, o veículo foi impresso em 3-D pela Rocket Lab, empresa de lançamento espacial americana, e é alimentado por bateria. O voo, considerado bem-sucedido, partiu da Península Mahia, no Nordeste do país, mas não chegou a entrar em órbita, caindo em mar aberto. A estreia foi tida como um passo importante para os lançamentos comerciaisreduzindo as barreiras financeiras e logísticas ao espaço, e para a Nova Zelândia, que criou uma agência espacial e atualizou sua legislação de modo a se tornar um centro espacial de baixo custo.

O Electron tem 17 metros de comprimento e 1,2 metros de diâmetro, com capacidade para carregar até 150 quilos a uma órbita de quinhentos quilômetros de altura que circula de polo a polo. Seu custo de lançamento é de aproximadamente cinco milhões de dólares, muito mais barato que os foguetes de setenta metros com capacidade para 22.800 quilos da SpaceX, cujas projeções custam em torno de 62 milhões de dólares.

A Rocket Lab ainda fará mais dois testes antes de iniciar as operações comerciais, previstas para começarem no final deste ano. A companhia espera fazer mais de cinquenta lançamentos anuais. Em comparação, apenas 22 projeções aconteceram nos Estados Unidos em 2016.

Rocket Lab

A Rocket Lab é uma das cerca de 30 companhias e agências que desenvolvem pequenos lançadores de satélite pelo mundo como uma alternativa a empresas que trabalham com lançamentos maiores, como a SpaceX. Entre os seus clientes estão a Nasa, a empresa de imagens da terra Planet e as startups Spire e Moon Express.

Veja o vídeo do lançamento disponibilizado pela empresa:

 

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Carlos Lopes de Oliveira

    No Brasil é difícil até recarregar os cartuchos das impressoras obsoletas que são vendidas por aqui. Isso sem contar que os nossos alunos não fazem pesquisas e muito menos tem laboratórios modernos nas escolas. Esse é o negro futuro dessa nação se continuar nas mãos desses políticos sem-vergonhas.

    Curtir

  2. Marcos Ficarelli

    Lula mandou destruir a base de Alcântara, causando a morte de cientistas num episódio típico de país de bananas. O Brasil poderia lucrar muito com essa base – uma das melhores localizações no Mundo. Que estrago fizeram!

    Curtir

  3. ViP Berbigao

    Ora pois, O essencial para a nossa Constituição é a OAB et caterva. Já reparou q no resto do mundo Judiciário e Legislativo são 1/10 do que se gasta aqui? Opostamente nos países ricos e desenvolvidos investem esse dinheiro em educação, pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias… Alguma dúvida de onde está o nosso atraso?

    Curtir