Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Geneticista desmente que estaria procurando mulher para gerar um bebê neandertal

Jornal britânico 'Daily Mail' traduziu erroneamente entrevista concedida pelo geneticista americano George Church à revista alemã 'Der Spiegel'

O jornal britânico Daily Mail publicou nessa segunda-feira (21) que um dos principais geneticistas americanos, George Church, estaria procurando por uma mulher disposta a gerar um bebê Neandertal. A notícia – absurda – foi desmentida na manhã desta terça (22) pelo próprio cientista. Segundo ele, o fato teria ganhado nova interpretação após uma má tradução da entrevista dada por ele à revista alemã Der Spiegel, em que abordou, entre outros assuntos, a possibilidade de usar clonagem para trazer de volta o Homem de Neandertal (Homo neanderthalensis), extinto há mais de 30.000 anos.

Na entrevista original, Church, que integrou a equipe do Projeto Genoma Humano, dizia que uma clonagem poderia ser possível um dia, caso fosse aceita pela sociedade. Ele também aborda o tema em sua obra intitulada Regenesis: How Synthetic Biology Will Reinvent Nature and Ourselves (sem edição no Brasil). “Se a sociedade se torna confortável com a clonagem e vê valor na verdadeira diversidade humana, então uma criatura Neandertal poderia ser clonada através de uma mãe substituta – ou por uma fêmea humana extremamente aventureira”, diz um trecho do livro.

Um dos obstáculos para ressuscitar espécies extintas como o Neandertal é que células intactas destes animais deixaram de existir, o que significa que não existe núcleo celular disponível para transferência durante a clonagem. Apesar disso, sequências de genomas de mamutes lanosos e de neandertais foram substancialmente reconstruídas. Para a possível clonagem, partes do genoma do homem de Neandertal, extraídos de fósseis, seriam introduzidos em células troncos, aquelas que ainda não têm função específica, e, assim, seria então criado um feto, a ser implantado e gerado no útero de uma mulher.

A mesma técnica seria utilizada no caso dos mamutes, cuja experiência seria realizada com elefantes. Segundo o livro, o genoma de um elefante seria quebrado em 30.000 partes, cada uma com 100.000 unidades de comprimento de DNA. Então, usando uma sequência de genoma reconstruída de mamute como modelo, seriam introduzidas seletivamente as mudanças moleculares necessárias para fazer o genoma do elefante parecer com o do mamute. Todos os pedaços modificados iriam se reagrupar para formar o recente genoma de mamute.

Cinema – Apesar do erro crasso do Daily Mail, a história ainda pode servir para alguma coisa. Roger Ebert, um dos maiores críticos de cinema da atualidade, afirmou, em um comentário via twitter, que a história é digna de virar filme. O próprio George Church, que é professor da escola médica da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, chegou a dizer que vai usar o fato para falar aos seus alunos sobre jornalismo e tecnologia. Ao desmentir a história na manhã desta terça-feira, ao jornal Boston Herald, Church disse que seu trabalho é focado em meios de usar a genética, o DNA e o sequenciamento do genoma para ajudar a melhorar os cuidados com a saúde e desenvolver combustíveis sintéticos, entre outros materiais e produtos, não reproduzindo antigas espécies humanas. Mas de acordo com ele “se isso for tecnicamente possível algum dia, nós precisamos começar a falar sobre o assunto hoje.”