Estudo detalha como frio e escuridão mataram os dinossauros

Cientistas simulam a hipótese de que uma nuvem de ácido sulfúrico levantada após o impacto do enorme asteroide foi responsável pelo fim dos dinossauros

Um estudo divulgado semana passada no periódico Geophysical Research Letters revela que talvez a extinção dos dinossauros tenha sido um evento muito mais complexo do que a imaginávamos – e o motivo são pequenas e aparentemente inofensivas gotículas. Cientistas do Instituto Potsdam de Pesquisa sobre Impacto Climático (PIK, sigla em alemão), na Alemanha, reproduziram como gotas de ácido sulfúrico na atmosfera, levantadas pelo impacto de um asteroide gigante com a Terra, podem ter levado a um longo período de resfriamento global ao qual muitas espécies de dinossauros não conseguiram resistir.

“Agora nós podemos contribuir com novos conhecimentos para compreender a tão debatida causa para a extinção dos dinossauros no fim do período Cretáceo”, afirma Julia Brugger, pesquisadora no PIK e líder do estudo, em comunicado. Para investigar o fenômeno, os cientistas utilizaram pela primeira vez um tipo específico de simulação computadorizada, um modelo climático capaz de reproduzir a atmosfera, os oceanos e mares congelados que normalmente é usado para outros tipos de estudo.

Era do gelo

A hipótese mais conhecida para a extinção dos dinossauros é que um imenso asteroide caiu na Península de Yucatán, no México, originando a cratera de Chicxulub. Estudos anteriores já haviam levantado a teoria de que o impacto causado pela colisão 66 milhões de anos atrás teria espalhado uma enorme nuvem de fuligem contendo enxofre e ácido sulfúrico pela atmosfera, impedindo a passagem da luz e provocando quedas abruptas de temperatura e chuvas ácidas. A nova pesquisa testou essa hipótese a partir de simulações para desvendar exatamente como essas mudanças climáticas afetaram espécies que habitavam a Terra.

Com uma imensa nuvem bloqueando o Sol, as temperaturas caíram abruptamente, passando de 27 graus Celsius para meros 5 graus Celsius nos trópicos. Em outras partes do globo, mais próximas aos polos, o clima era tão frio que chegava a valores abaixo dos 3 graus Celsius negativos. Com temperaturas tão baixas e pouca luz chegando ao solo, a fotossíntese se tornou impossível, e muitas espécies de plantas e dinossauros não sobreviveram. Levou cerca de 30 anos para que o clima se recuperasse, segundo o estudo.

Os cientistas afirmam que a circulação dos oceanos também foi impactada, contribuindo também para a extinção de algumas espécies aquáticas. Conforme a água na superfície se resfriou, ficando mais densa e pesada, a água das profundezas que estava mais quente subiu, carregando nutrientes que levaram à proliferação de algas. Esses seres, ao se multiplicar massivamente, podem ter produzido algumas substâncias tóxicas que também afetaram a vida nas regiões costeiras. Ainda assim, sabe-se que que nem todas as espécies que habitavam os oceanos morreram – o grupo dos crocodilia, por exemplo, que hoje inclui jacarés e crocodilos, mas, na época, era formado de grandes animais, conseguiu sobreviver.

“O resfriamento a longo-prazo causado pelos aerossóis de sulfato foi muito mais importante para a extinção massiva do que a poeira que ficou na atmosfera por apenas um período relativamente curto”, diz o co-autor do estudo, Georg Feulner. “Também foi mais importante do que eventos locais, como o calor extremo perto do impacto, incêndios ou tsunamis.”

Para o pesquisador, o estudo ilustra como o clima é importante para todas as formas de vida no planeta. “Ironicamente, hoje a ameaça mais imediata não vem de um resfriamento natural, mas de um aquecimento global provocado pelo homem”, afirma.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ninguém tem certeza sobre isso. Há muitos reptéis que sobreviveram e muitos acham também que os pássaros são uma evolução dos dinossauros.

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    Estão ESPERANDO o TaLL é_FEITO_Em_PULHA
    E
    NãO_é De HOjE

    Curtir

  3. Anjo Conservador

    Varias amostras de tecido e sangue de dinossauros (!) intactas foram encontradas em fosseis de “milhões” de anos, apesar da quimica e genetica atuais CONFIRMAREM que, mesmo em ambientes excepcionais só podem exister por alguns MILHARES de anos. Assim, a pseudo-ciência atual precisa arranjar “comprovações” para um universo de “14 bilhões” de anos…mesmo que os FATOS apontem para um universo infinitamente mais recente. Taí mais uma “comprovação” da pseudo-ciência atual e que nos obriga a sustentar universidades publicas, seus pesquisadores e suas teorias…

    Curtir