Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estrela da ‘megaestrutura alienígena’ volta a piscar

No fim de semana astrônomos de todo o mundo apontaram seus telescópios para a estrela KIC 8462852, na esperança de decifrar as razões de brilho misterioso

Astrônomos de todo o planeta se mobilizaram neste fim de semana, após detectarem que a estrela KIC 8462852, responsável pela emissão de uma luz misteriosa, voltou a “piscar”. Os cientistas apontaram seus telescópios para o corpo celeste, localizado a cerca de 1.500 anos-luz de distância (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros) da Terra, entre as constelações de Cisne e Lira, na esperança de, pela primeira vez, acompanhar a atividade da estrela em “tempo real” (ou o mais próximo disso, devido à distância da estrela de nosso planeta). Com isso, pretendem obter novas evidências que ajudem a decifrar os padrões incomuns de seu brilho.

A KIC 8462852, descoberta em 2011, exibe uma luz tão bizarra que, em 2015, os cientistas chegaram à conclusão de que a explicação científica mais plausível para seu comportamento seria uma incrível megaestrutura construída por alienígenas. A hipótese – levada a sério pelos astrônomos – foi levantada por pesquisadores liderados por Tabetha Boyajian, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e pelo astrônomo Jason Wright, da Universidade Penn State. Por Tabetha estar à frente dos estudos, a estrela também é chamada de “Tabby’s Star”, ou Estrela de Tabby, na tradução em português.

Meses depois, cientistas da Nasa, afirmaram que um ‘enxame’ de cometas poderia estar por trás dos padrões incomuns do brilho da estrela: uma família deles estaria viajando em órbitas longas e bastante excêntricas a seu redor, causando estranha luminosidade. A ideia da estrutura construída por extraterrestres, no entanto, não foi descartada.

O maior enigma da Estrela de Tabby, segundo os astrônomos, é a grande diminuição de seu brilho, entre 15% e 25% – o mais comum é que esse número esteja entre 1% e 2%.

Estrela de brilho misterioso

A KIC 8462852, localizada entre as constelações de Cisne (foto) e Lira brilha de maneira aleatória e inexplicável

A KIC 8462852, localizada entre as constelações de Cisne (foto) e Lira brilha de maneira aleatória e inexplicável (Divulgação/Nasa)

Em setembro de 2015, um artigo  no periódico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society descreveu a KIC 8462852, estrela observada pelo telescópio Kepler, o mais competente caçador de planetas fora do Sistema Solar, lançado em 2009. As lentes do poderoso instrumento captam o brilho das estrelas – quando há uma diminuição padronizada da luz emitida por elas, isso significa que algo está passando entre a estrela e o telescópio. Na maior parte das vezes, é um planeta (que costuma ter tamanho intermediário entre a Terra e Netuno). No entanto, a KIC 8462852 emitia um padrão luminoso inédito. Normalmente, quando um planeta passa por uma estrela, seu brilho diminui entre 1% e 2%. Mas, durante os quatro anos de observações do Kepler, a luz de KIC 8462852 diminuiu entre 15% e 25%, e em intervalos aleatórios. Ela tem 1,5 vezes o tamanho do Sol e, para escurecê-la dessa forma, seria necessário um objeto muito grande – bem maior que um planeta.

Após descartarem várias explicações, os cientistas passaram a considerar a hipótese de que o comportamento bizarro da estrela poderia ser consequência de uma incrível estrutura construída por alienígenas para captar a energia da estrela, chamada Esfera de Dyson (por ter sido proposta em 1960 pelo físico britânico Freeman Dyson). Ela seria composta por gigantescos painéis solares que, aos poucos, bloqueariam o brilho do corpo celeste. Em novembro do mesmo ano, o astrônomo Massimo Marengo, da Universidade do Estado de Iowa, nos Estados Unidos, afirmou que o padrão incomum poderia ser causado por cometas gelados que estariam rodeando a estrela e causando a sombra misteriosa mas a nova explicação não foi suficiente para invalidar a hipótese da megaestrutura.

No fim da última sexta-feira, o Instituto de Astrofísica das Canárias, deu o alerta da atividade da estrela – ela estaria novamente se apagando e teria reduzido seu brilho em 2%. Com as novas observações, os cientistas pretendem recolher mais dados sobre a luz de KIC 8462852, que dariam suporte ou descartariam as hipóteses sobre as explicações de seu brilho.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Já pararam pra pensar que em algum lugar do universo pode existir vida muito maior em inteligência e tamanho, seres que podem ter o tamanho de um prédio ou mais? Imaginem eles chegando ao nosso universo visível, varrendo estrelas como se fosse areia, nós não passaríamos de um nada, pq eles talvez nem nos enxergariam. Nossa forma de comunicação seria um chiado irritante aos seus ouvidos. Será que somos nós os grandes? Ou há algo incompreensível cercando o universo, ou não há nada, mas até o nada é alguma coisa.

    Curtir

  2. Ronaldo Moraes

    Dizer que o fenômeno pode ter origem em uma imensa construção alienígena capaz de encobrir uma estrela não é explicação científica, é puro chute de pessoas já predispostas a acreditar em alienígenas visitando a Terra em discos voadores. Existe a probabilidade matemática de vida fora da Terra? Sim, seres unicelulares, amebas, fungos, mas extrapolar para vida inteligente, cientificamente avançada em milênios em relação ao humanos sem nenhuma evidência mínima, é questão de fé pela fé e não questão científica, isso não é ciência, é religião.

    Curtir

  3. Algo interessante vai acontecer este ano. Dia 23 de setembro de 2017 vai aparecer no céu uma configuração planetária descrita na Bíblia ha mais de 2,000 anos. Como eles poderiam saber com precisão este complexo alinhamento planetário na constelação de Virgem? O texto esta no livro de Apocalipse capitulo 12 versos 1-5. De acordo com a Bíblia este aparecimento estaria ligado ha algum tipo de destruição sobre o planeta. Dia 23 o sol estará encobrindo a constelação de Virgem, a lua vai estar aos pes e um alinhamento de estrelas e planetas formara como uma coroa. Além disso Jupiter esta na região do utero por 9 meses, o equivalente a uma gestação humana.

    Curtir

  4. José Antonio da Silva

    Talvez sejam a branca de neve, cinderela, rapunzel que pulsam. Os cientistas e astrônomos mal sabem dos planetas do nosso sistema com todas estas sondas explorando há décadas.

    Curtir

  5. COMO DIZ O CARIOCA, QUANTA MERRRRRRDA!!!

    Curtir

  6. vanderlei vetachi

    Nada tema !!! Com Smith, não há problema !!! ( Perdidos no Espaço )…

    Curtir

  7. YOUSSEF NASER ISSA

    Absurdo de grandioso este universo. Nos estamos em pequeno ponto, e burros.

    Curtir

  8. Senhor Doutor Professor Patrick

    Só espero que não queiram fazer isso com nosso sol

    Curtir