Temer reúne ministros para traçar estratégia antes de denúncia

Encontro na noite de domingo também teve o presidente da Câmara e o advogado do presidente; um dos objetivos será recompor a base de apoio

O presidente Michel Temer se reuniu no início da noite deste domingo com seus principais ministros no Palácio da Alvorada, em Brasília. Oficialmente, eles trataram da estratégia para retomar a tramitação das duas principais medidas na área econômica, a reforma da Previdência e a trabalhista, mas o tema principal foi a esperada denúncia contra Temer a ser apresentada pela Procuradoria-Geral da República pelo crime de corrupção passiva.

Participaram da reunião os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral), Eliseu Padilha (Casa Civil), Henrique Meirelles (Fazenda), Torquato Jardim (Justiça), Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Aloysio Nunes Ferreira (Itamaraty). Pelo Congresso, estavam presentes o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e os líderes do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro, e no Congresso, André Moura – os três deputados. O advogado pessoal de Temer, Gustavo Guedes, também participou do encontro na residência oficial do presidente.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar até esta terça-feira a denúncia contra Temer relativa às acusações incluídas no acordo de delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, da JBS. A denúncia iniciará sua tramitação pela Câmara de Constituição e Justiça (CCJ). Para Temer garantir sua permanência no cargo, será fundamental recompor a força da base de sustentação na Câmara, abalada depois da delação da JBS. Depois de análise da denúncia, um parecer será votado pela comissão; independentemente do resultado, o passo seguinte será a apreciação da denúncia no plenário. Serão necessários 342 votos dos 513 possíveis para que a Câmara autorize que o presidente Temer seja julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Pela agenda legislativa, a reforma trabalhista pode ser votada na CCJ nesta semana. Será, em tese, o último passo antes de o projeto de lei ser encaminhado para o plenário, onde precisará de maioria simples para ser aprovado. Ele já passou pela Câmara. Na última semana, o governo recebeu um sinal de alerta com a derrota de caráter simbólico do projeto da reforma trabalhista em votação na CAS (Comissão de Assuntos Sociais).

O governo pretende redobrar nos próximos dias os esforços para retomar a tramitação da reforma da Previdência na Câmara, algo que ficou em suspenso desde a revelação da delação dos irmãos Batista. Como se trata de uma PEC (proposta de emenda constitucional), o governo precisa contar com o apoio de 3/5 dos deputados, ou seja, com 308 dos 513 votos possíveis em dois turnos. E isso só para então conseguir enviar a reforma para o Senado.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Estes são os homens quedas, que devem ser aniquilados da política porque vão de encontro ao interesse do povo.. Acorda Brasil.

    Curtir

  2. Jaison Da Silva

    Esse tipo de reportagem não me cheira bem. lula em 1º?…sei lá, só acho que não somos tão burros.

    Curtir

  3. O “presidento” enrolado e seus conselheiros. Esse país é uma piada!

    Curtir

  4. Jesuina Mk Borges

    O governo temer agora deveria esperar pela drscisao da justiça sobre a denúncia , ja que as reformas nao ta sendo aprovadas

    Curtir