Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para a ‘The Economist’, deputados vão livrar Temer de processo

Revista britânica, que defendeu o impeachment de Dilma, acredita que as necessidades de preservar economia e frear a Lava Jato vão pautar votação na Câmara

Michel Temer (PMDB), embora acossado por denúncias graves de corrupção, a primeira contra um presidente no cargo, deve se livrar de um processo no Supremo Tribunal Federal (STF) graças à blindagem de que será alvo pela maioria dos deputados federais, para quem o seu afastamento não traria nenhum benefício.

A tese é da The Economist, revista britânica que, volta e meia, dá algum palpite na política brasileira. Em 2010, por exemplo, defendeu o voto em José Serra (PSDB) para presidente por entender que ele era mais bem preparado que sua rival, Dilma Rousseff (PT).  : “Depois de oito anos sob o comando do PT, o Brasil se beneficiaria de uma mudança no poder”, escreveu.

Em 2016, mostrando que a falta de empatia com Dilma prosseguia, defendeu o impeachment da petista no texto “Hora de ir”. “As dificuldades da presidente têm se aprofundado há meses”, afirmou.

Agora, a revista aposta que Temer vai brecar na Câmara o andamento da denúncia contra ele. “Mesmo antes das acusações, o governo do senhor Temer era o mais impopular já registrado, com uma aprovação de apenas 7%. Em junho, ele se manteve no cargo quando o tribunal eleitoral decidiu absolvê-lo (…) da acusação de financiamento ilegal de campanha em 2014. Mas ele mantém apoio onde mais importa: no Congresso”, afirma.

“Os deputados parecem ter decidido que duas coisas são necessárias para terem uma chance de reeleição em 2018: uma recuperação da economia e uma contenção da investigação de corrupção em constante expansão, chamada de Operação Lava Jato. Em nenhuma dessas questões, a remoção de Temer lhes serviria bem”.

Segundo a publicação, em relação à economia, Temer pode exibir a “queda da inflação e um retorno ao crescimento no primeiro trimestre do ano como sinais de que suas reformas pró-mercado estão dando frutos”.  Já sobre a Lava Jato, diz que “políticos de todos os lados estão sob escrutínio, de modo que a maioria concorda com a conveniência de enfraquecê-la. E eles adorariam que Temer escolhesse um sucessor menos ativo do que Rodrigo Janot [procurador-geral da República] quando seu mandato terminar em setembro”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Andre C Alves

    por isso precisa das diretas ou exercito no comando

    Curtir

  2. Nelson Carvalho

    Se o TSE autorizou o caixa 2, imagina o Congresso . . .

    Curtir

  3. O que vai motivar a votação na câmara é que quase todos eles lá têm o rabo preso. Só e unicamente isso.

    Curtir

  4. Esorso Elizabeth

    Espero!
    Só um cego, ignorante, mal intencionado e comprado acredita nos sabujos que fizeram pacto com o carniceiro criminoso, obeso e tosco.

    Curtir

  5. Pelo desastre do governo da senhora Dilma, parece-me que ‘The Economist’ tinha razão porque se o Brasil não tivesse presidente no período 2014 – 2016 a economia caminharia muito melhor. Assim, qualquer um lá, mesmo o senhor Serra, seria melhor do que ela. Pelo menos o empresariado não frearia o ímpeto de produzir mais. Com Dilma pairavam dúvidas no ar sobre que atitude ela tomaria no dia seguinte com relação à economia. Ela nunca soube o que significa a palavra planejamento. Diálogo, então…

    Curtir

  6. É mesmo ?? Que surpresa. Só tem gênio nessa revista. Eles não sabem que bandido protege bandido e que ladrão não processa outro ladrão? ????

    Curtir

  7. Gildo Pimentel

    Em Terra de ladrão Temer é perfeição.

    Curtir