O Calvário dos peregrinos no Rio: erros na organização prejudicam a Jornada Mundial da Juventude

Chuva na cidade cria lamaçal no Campus Fidei e cancela vigília e peregrinação da Jornada Mundial da Juventude. Segurança e transporte também falharam

Ministério Público alertou, no início do ano, para o risco de alagamento no terreno em Guaratiba

Os organizadores da Jornada Mundial da Juventude estavam certos em um ponto: o público pacífico e ordeiro ajudaria a fazer do evento uma festa sem grandes problemas. Os acertos da prefeitura, da Igreja Católica e principalmente da empresa Dream Factory, contratada para organizar a JMJ, acabam aí. Todos os planejamentos de transporte, segurança e saúde do evento estão sendo refeitos neste momento, para serem apresentados oficialmente na manhã desta sexta-feira, às 11h. Depois de meses de planejamento e gastos da ordem de 300 milhões de reais, grande parte do que foi preparado até agora foi levado pelas chuvas. E o que foi anunciado – como a segurança em Guaratiba feita pelo Exército, a peregrinação de 13 quilômetros e as orientações sobre transporte – não vale mais. Em uma coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, os representantes dos órgãos envolvidos se negaram a dizer quanto foi gasto só em Guaratiba.

“Não vamos transformar isso num jogo de números”, pediu o prefeito Eduardo Paes, anfitrião da festa, preservando os visitantes de um constrangimento maior. Ele, Paes, o orçamento e os moradores do Rio, vão ficar com a conta da mudança. Ao lado do prefeito estavam, à mesa, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; dom Paulo Cezar Costa, vice-presidente do Comitê Organizador Local (COL) da jornada; e o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

O desastre da organização de Guaratiba não pode ser considerado surpreendente. Como mostrou reportagem do site de VEJA, o Ministério Público do Estado do Rio alertou para uma série de problemas na organização, concentrados principalmente em Guaratiba. Para citar apenas um deles: o risco de alagamento do terreno, caso o período de chuvas coincidisse com a maré cheia, o que eleva o nível dos rios da região e dificulta o escoamento da água. A maré desta quinta-feira é considerada “muito alta” – com altura estimada em 1,3 metro.

Missa final da JMJ será em Copacabana, não mais em Guaratiba

Obra da Jornada Mundial da Juventude alaga casas em Guaratiba

MInistério Público aponta falhas na organização da Jornada Mundial da Juventude

O descarte da área de 3,5 milhões de metros quadrados na Zona Oeste, onde só havia mato e foi criado um gigantesco descampado, é o exemplo extremo e indiscutível de que o evento foi mal planejado. A mudança de local da vigília e da missa de encerramento, comandada pelo papa Francisco, vai muito além da troca de endereço: empresas contratadas e forças de segurança envolvidas precisam deslocar toda a estrutura para a Zona Sul da cidade, causando mais dois dias de interdições e transtornos inesperados – algo que enerva os moradores do bairro que mais recebe eventos na cidade, onde é realizado o réveillon mais famoso do Brasil e uma infinidade de shows ao longo do ano.

Na coletiva desta tarde, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não deu detalhes de como será a segurança em Copacabana. “Vou ter reunião com (José Mariano, secretário de Segurança) Beltrame para ver como será feita a segurança. O governo federal vai dar todo apoio para a segurança pública”, disse. Em Guaratiba, a preocupação era com manifestações e pequenos furtos. Em Copacabana, os fiéis ficam expostos aos problemas comuns da insegurança urbana em uma grande cidade. E, claro, facilita-se a vida dos manifestantes, que poderão se deslocar com mais facilidade.

Problemas – A festa é de fato singular em sua diversidade, alegria e caráter pacífico. Desde a segunda-feira, jovens de todos os cantos do mundo circulam exibindo orgulhosos os símbolos da Jornada e as bandeiras de seus países. Diferentemente dos eventos esportivos, o desfile de símbolos nacionais se dá de forma fraternal, não competitiva – e até portadores de flâmulas do Brasil e da Argentina se abraçam, algo impossível em uma Copa do Mundo.

Mas é inegável que os percalços arranharam a festa, pelo que se viu até esta quinta-feira. O primeiro problema – superado pela personalidade do papa e pelo perfil pacífico da multidão – foi o erro no deslocamento do pontífice até o centro da cidade. O veículo em que viajava Francisco foi cercado pela multidão e acabou preso em um engarrafamento na Avenida Presidente Vargas. Na terça-feira, o metrô, transporte recomendado para a chegada dos peregrinos a Copacabana, para a cerimônia de abertura da JMJ, parou por duas horas devido a uma pane – o que complicou a volta dos cariocas para casa e impediu a chegada de fiéis à festa. Na quarta-feira, houve nova pane, de menor porte.


Peregrinação – A mudança de local da missa final desvirtua o que havia sido planejado para o evento. Toda Jornada Mundial da Juventude tem uma peregrinação. No caso do Rio, o objetivo era levar o evento a uma área menos favorecida, e a escolhida foi Guaratiba. Para resgatar o espírito de peregrinação, a prefeitura do Rio avaliou fazer o bloqueio de vias de forma a obrigar os peregrinos a andar mais que o normal. A ideia foi descartada e, por volta das 18h, o Comitê Organizador Local (COL) informou que a vigília e a peregrinação estavam cancelados em função do clima.

Os transtornos da organização da JMJ, somados aos protestos que se repetem há um mês na cidade fizeram a visibilidade internacional do Rio funcionar ao contrário. O jornal New York Times publicou, nesta quinta-feira, uma reportagem apontando problemas na organização. Em Chicago, o Chicago Sun-Times trouxe como manchete, na quarta-feira, uma pergunta: “Perdemos para isso?”, dizia o título, com uma foto de um grupo de manifestantes.

O recado está dado aos organizadores da Olimpíada de 2016 e da Copa do Mundo, que acontece daqui a menos de um ano.

Leia também:

Impasse na organização da JMJ: Igreja atrasa contratação de empresa de segurança

Autoridades de segurança não se entendem sobre a Jornada Mundial da Juventude

Chuvas atrasam obras da Jornada Mundial da Juventude

JMJ: Rio espera invasão argentina em julho

Segurança da JMJ terá 12.000 policiais

PF pede ajuda a países vizinhos para controlar frota de ônibus da JMJ

Elenco estrelado vai encenar via-sacra para o papa