JBS diz ao STF que sua delação é a ‘mais efetiva’ já fechada

Advogados comparam acordo de colaboração da empresa com os de executivos das empreiteiras Odebrecht, UTC, Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia

Em petição encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), advogados que irão defender o acordo firmado pelo Grupo J&F, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, sustentam que a delação dos empresários é a mais efetiva já homologada pela Corte. O argumento é baseado em comparações com os acordos firmados por executivos das empreiteiras Odebrecht, Carioca Engenharia, UTC, Andrade Gutierrez e com o acordo de colaboração do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

“Sras Ministras e Srs. Ministros, o objeto da presente discussão é o acordo de colaboração mais efetivo do qual se tem notícia, pelo qual executivos de uma empresa entregaram milhares de agentes políticos e usaram da ação controlada, estando em situação processual mais favorável do que inúmeros outros colaboradores”, sustentam a defesa, encabeçada pelo criminalista Pierpaolo Bottini.

Os advogados entregaram ao STF planilhas comparativas do que foi entregue e realizado pela J&F, confrontando com a situação dos outros delatores. A intenção é mostrar que, além de o acordo ser legal, foi útil para os investigadores, é amplo e entrega provas contundentes contra agentes públicos.

Na peça, eles também sustentam a competência do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo, para analisar o acordo.

“As questões suscitadas versam sobre competência relativa – uma vez que territorial – que não invalidam os atos até então praticados”, escrevem os defensores. A intenção, com essa argumentação, é manter a validade do acordo assinado e dos atos já realizados com base na delação, mesmo que o STF entenda que Fachin não deve continuar como relator.

Para sustentar a efetividade, continuam os advogados: “Tal acordo resultou, até o momento, na prisão de um ex-deputado, de um procurador da República, de um advogado, e na denúncia de um senador, além da instauração de inúmeros inquéritos e da assinatura de um acordo de leniência que garantiu aos cofres públicos um valor superior a 10 bilhões de reais.”

A petição argumenta que anular a delação iria “inibir novos acordos” e “abalar um importante instrumento de política criminal”.

Comparações

O acordo de Joesley Batista é contrastado pelos defensores com os de Marcelo Odebrecht, Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia, Ricardo Pernambuco e seu filho, da Carioca Engenharia, Otávio Marques Azevedo, da Andrade Gutierrez, e Sérgio Machado.

Segundo o levantamento, Joesley foi quem mais delatou agentes públicos. O número utilizado são os 1.893 citados nos anexos de Joesley e Ricardo Saud, diretor de relações institucionais da J&F. Na comparação, Odebrecht fica em segundo, com 70 políticos; Ricardo Pessoa vem depois, com 50; e em seguida Otavio Azevedo (32), Sergio Machado (31) e Ricardo Pernambuco (9).

Apesar de listar esses dados, até o momento a empresa não detalhou como cada repasse foi realizado nem detalhou possíveis contrapartidas recebidas.

O valor da multa paga pelo empresário, de 110 milhões de reais, segundo o documento, também é superior aos demais. Como não é citado o valor pago pelo herdeiro da Odebrecht, Sérgio Machado fica em segundo, com 75 milhões de reais, seguido por Pessoa, com 41 milhões de reais.

Ponto mais contestado no acordo, a imunidade dada ao dono da JBS e aos outros seis executivos da empresa só foi concedida a Ricardo Pernambuco Júnior, da Carioca Engenharia, que não será denunciado. Todos os outros cumprirão algum tipo de pena.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Joao Campos Neto

    E eles emprestaram (e estam pagando) dinheiro do BNDES. 10B de um total de 500B do banco. Geram 257 mil empregos e processam diariamente 40.000 mil bois e 3,5 milhões de frangos. Pagam mais de 30 bilhões de reais de impostos.
    Imagine a put. aria dos outros 498 bilhões emprestados.
    Já os outros bandidos (empreiteiros), precisam de obras criadas e superfaturadas de estatais geneticamente corruptas.
    Só o velhaco-amigo-íntimo do Lullarápio acabou de dar um calote de 500 milhões no BNDES.
    País hipócrita. Estamos dosando às avessas estas quadrilhas.

    Curtir

  2. silvio teixeira filho

    se as provas apresentadas por estes criminosos não forem muito claras e objetivas, o premio da delação fica muito prejudicado !!!!!!!

    Curtir

  3. Joao Campos Neto

    Teste

    Curtir

  4. Se fosse na china… Não entendo até agora, porque esse cara ainda está solto.

    Curtir