Gilmar Mendes: o direito é para todos

Ministro defende sua atuação no caso Eike Batista, critica a postura de procuradores da Lava-Jato e denuncia o risco de um 'fascismo generalizado'

Ele já foi o herói dos coxinhas e o vilão dos mortadelas, mas, desde que foi voto decisivo na libertação do ex-ministro José Dirceu, as torcidas mudaram de arquibancada. Ele garante que, como juiz, convive perfeitamente bem com isso. Gilmar Mendes, 61 anos, há quase quinze no Supremo Tribunal Federal (STF), é o ministro que mais fala. Fala tanto que já foi apelidado de “comentarista do STF” — e vive envolvido em alguma polêmica. Na mais recente, foi alvo de um inédito pedido de impedimento. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou a anulação da decisão de Mendes de libertar o ex-­bilionário Eike Batista. O motivo: a mulher do ministro, Guiomar, trabalha no escritório de advocacia que representa o empresário. Em entrevista a VEJA, Mendes defende sua atuação no caso Eike, diz o que pensa sobre o comando do Ministério Público (“um órgão sindicalista”) e critica a postura de alguns procuradores da Lava-Jato.

“Acho excelente o processo de investigação da Lava-Jato. Lamento que a gente tenha demorado tanto para descobrir esses fatos e que os órgãos de controle não tenham tido efetividade para impedi-los. Agora, estado de direito não comporta soberanos”, diz Mendes. Quem são os soberanos? “A  gente discute desde 2009 uma lei de abuso de autoridade, que é muito necessária. Aí vêm os procuradores e dizem que ela não pode ser aprovada porque vai afetar a Lava-Jato. Esses mesmos procuradores propõem as tais dez medidas contra a corrupção. Se o Congresso não as aprova, é um ataque à Lava-Jato. Algumas daquelas medidas permitiam o aproveitamento de provas ilícitas. É um viés fortemente autoritário de alguém que tem uma visão de mundo que não corresponde à nossa tradição liberal”, responde o ministro. “Quando a gente está defendendo direitos, não está defendendo direitos do colarinho-branco, está defendendo direitos de todo mundo. Essa gente que está batendo panela e protesta pode acabar sendo alvo amanhã de atentados aos seus direitos. Cria-se uma insegurança geral, um tipo de fascismo vulgarizado, generalizado.”

Para ler a entrevista na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Francisco Lemos

    gilmar esta apavorado com as novas delacoes. Estao chegando no STF. Esse oceanos de dinheiro nao poderia ser movimentado sem ajuda, ou conivencia, de outros orgaos do governo.Especialmente STF, BC, receita federal, etc. Com certeza judiciario estara nas listas em breve. Dai, os ataques de nervo cada vez mais frequentes dos Deuses.

    Curtir

  2. Jose.antunes

    Quanto mais avança a Lavajato, mais nervoso fica esse vendido Gilmar Mendes. Vamos ver quando chegar nos rolos dos BAncos etc. Acho que ele vai se suicidar ! Esse é o maior traidor da Patria. Deveria ser o primeiro a ajudar a combater a corrupçao,mas não, é o defensor publico de corruptos poderosos. Ainda o pegaremos !!!! ALA É GRANDE ! DEUS É GRANDE ! Um dia a lavajato vai descobrir onde seu rabo ta preso.

    Curtir

  3. Ezequiel lima feitosa

    O Estado Democrático de Direito não suporta mais estes Ministros do STF.

    Curtir

  4. Este senhor interferiu em uma investigação que envolvia um governador de um estado, ligou diretamente para ele e prometeu interferir com o outro ministro. Precisa de mais algum motivo para ser afastado?

    Curtir

  5. Cesar8002UTB

    Não esqueçam da mulher dele que trabalha no escritório que defende réus da Lava jato. Se ele tivesse vergonha na cara se isentaria.

    Curtir