Após assassinato de dentista, secretário de Segurança Pública defende redução de maioridade penal

Fernando Grella Vieira destacou a participação de adolescente no crime e pediu por um debate sobre alterações no Código Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente

Depois de anunciar a prisão de três assaltantes envolvidos na morte bárbara da dentista Cinthya de Souza, 47 anos, o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Fernando Grella Vieira, defendeu a necessidade de reformas na lei que ajudem a combater o crime. A destista foi queimada viva pelos criminosos – um deles menor de idade. “Esse é mais um caso de violência cruel com a participação de um adolescente. Não podemos mais viver situações como essa, que deixam os cidadãos que pagam seus impostos expostos à violência”, disse o secretário durante coletiva de imprensa realizada na tarde deste sábado.

Leia também:

Prender assassinos de dentista é questão de honra, diz delegado

Menor identifica suspeito de ter matado dentista

Bandidos ateiam fogo e matam dentista no ABC paulista

Grella Vieira citou a proposta do governador Geraldo Alckmin de alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A proposta é que a pena máxima dos jovens reincidentes em crimes graves, como homicídio e latrocínio, passe de três anos para oito anos. “Existe uma necessidade cada vez maior de a sociedade discutir uma reforma das leis – seja a legislação penal, seja o ECA – para proteger o cidadão de bem”, afirmou.

Sobre as investigações, Fernando Grella elogiou o trabalho da Polícia Civil e destacou a velocidade com que o caso foi resolvido: “Em menos de 24 horas a polícia esclareceu a autoria do crime. Poucas horas depois, efetuou as três prisões.” A quadrilha já vinha sendo investigada pela polícia desde o dia 12 de abril por participações em outros assaltos realizados contra clínicas na zona sul de São Paulo e em São Bernardo do Campo. Um dos participantes do assalto, Tiago de Jesus Pereira, ainda está foragido.

Leia ainda: Maioridade penal aos 18 anos: um dogma que precisa ser derrubado