Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A nossa moral e a deles

Escrevi a nota abaixo sobre a única postura moral que considero correta nesta disputa e recebi de um petralha, anônimo, como sói, o seguinte comentário, que divido com vocês. Sempre é bom lembrar que eles existem: “Finalmente você atingiu o ponto máximo do ridículo… Finalmente você atingiu o ponto máximo do ridículo: reconhece que a […]

Escrevi a nota abaixo sobre a única postura moral que considero correta nesta disputa e recebi de um petralha, anônimo, como sói, o seguinte comentário, que divido com vocês. Sempre é bom lembrar que eles existem:

Finalmente você atingiu o ponto máximo do ridículo… Finalmente você atingiu o ponto máximo do ridículo: reconhece que a vaca foi para o brejo, mas pretende continuar se enganando… Tá certo! Como diria minha avó: vontade também consola, meu filho…

É isso, petralha, continuo “me enganando” porque você existe. A minha moral é a da resistência até a última hora; a sua é a de Rose Marie Muraro e Frei Betti; a minha moral não legitima o roubo em nome de causa; a sua começa roubando em nome de uma causa e termina por enriquecer larápios — o que dá na mesma, é bom dizer.

Aliás, os que estiverem dispostos devem recuperar, ou ler pela primeira vez, A Nossa Moral e a Deles, de Trotsky, que está no livro Moral e Revolução. Trotsky era infinitamente mais inteligente que dona Muraro, é claro. E, de posse de teses homicidas, era, portanto, muito mais perigoso também. Mas o princípio era o mesmo.

Um petralha realmente não está equipado para entender que se possa perder com altivez, que se possa ir até o fim. Porque, em nome do pragmatismo, eles podem dar uma surra na própria mãe. E ainda são capazes de se orgulhar disso. Isso quer dizer que eles serão sempre mesquinhos, mesmo na vitória. É a fúria escrava incapaz de falar como senhor, com autonomia.

Meu pai me ensinou a jogar truco. Era um excelente jogador e tinha notável sangue frio — característica que não herdei (e tarde demais para mudar). Quem conhece sabe que se joga em duas duplas ou dois trios adversários. Quando estávamos jogando, e eu percebia não ser o nosso dia, ele dizia impassível: “Não troco os nossos três pontos pelos 10 deles (a partida termina em 12)”.

Sim, existem a “nossa” moral e a “deles”. E eu não troco “a nossa” pela “deles”. Porque não farei nada que não lhes permitisse também fazer; mas não lhes facultarei em silêncio, em nome dos meus princípios, que façam o que me negariam em nome dos deles. Se pareceu um complicado jogo de palavras, peço que releiam com atenção. Isso é fundamental.

Tivessem os democratas brasileiros essa clareza, a canalha não teria ido tão longe e não teria fundado a teologia da merda. Você já perdeu, petralha. Mesmo que ganhe.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s