Blog Felipe Moura Brasil

Felipe Moura Brasil

Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

sobre

Felipe Moura Brasil estreou este blog em 2013, após dez anos como cronista na internet. Idealizou e organizou o best seller de Olavo de Carvalho, "O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota". Autor da Editora Record, trabalha em dois livros previstos para 2016.

Mercadante saiu de fininho… para dentro do governo

Ministro flagrado tentando comprar silêncio de Delcídio ainda não foi demitido nem preso

Por: Felipe Moura Brasil

Comentei no domingo (20) pela segunda vez:

Captura de Tela 2016-03-24 às 15.49.32

…mas parece que finalmente a oposição se deu conta.

O Radar de VEJA informa:

“Com escândalo para todo lado no governo Dilma Rousseff, a oposição quer saber por onde anda o ministro Aloizio Mercadante e se a presidente vai mesmo fingir que ele não foi flagrado em conversa com o ex-assessor do senador Delcídio do Amaral tentando convencê-lo, na base da oferta de tráfico de influência e ajuda financeira, a não fazer delação premiada na Lava-Jato.

A oposição também deverá cobrar que Rodrigo Janot tome alguma atitude em relação ao ministro.”

Veremos se, em pleno processo de impeachment, Janot terá coragem de pedir no mínimo a saída do ministro da Educação(!) de sua protegida, bem como a abertura de inquérito contra ela pela tentativa de obstrução de Justiça na conversa interceptada com Lula.

Em país sério, Mercadante teria sido demitido na hora pela Presidência da República e já estaria preso.

Na República dos Pixulecos, ele saiu de fininho para dentro do governo, agarrado ao seu foro privilegiado.

Dilma e Mercadante em maio- ABR (1)

Pau que deu em Delcídio não deu em Mercadante

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Voltar para a home

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*