Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Felipe Moura Brasil Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".
Continua após publicidade

Concorrentes silenciam sobre censura prévia à Editora Record

"Não há nenhuma solidariedade", diz Carlos Andreazza sobre livro proibido

Por Felipe Moura Brasil
Atualizado em 19 abr 2017, 23h14 - Publicado em 19 abr 2017, 17h15
O livro proibido e o editor Carlos Andreazza (Record/Divulgação/Guito Moreto/Agência O Globo)

Carlos Andreazza, editor da Record, falou ao podcast de Bruno Garschagen sobre a proibição da distribuição e da venda do livro de ficção “Diário da Cadeia” em função de a autoria ser atribuída na capa a “Eduardo Cunha (pseudônimo)”.

Com a liminar da juíza Ledir Dias de Araújo, da 13ª Vara Cível do Rio de Janeiro, o ex-deputado preso Eduardo Cunha conseguiu que a obra nem fosse lançada.

“Não é possível haver debate público – porque debate público pressupõe transparência, clareza, todas as cartas na mesa – sem que o objeto em questão, o objeto controverso, possa ser igualmente desfrutado”, disse Andreazza, que é réu na ação junto com a editora. “O grave nesta situação é que, como o livro não circula, não é lido, não é conhecido, abre-se um campo muito generoso para que se invista na desinformação, que é o paraíso da desonestidade intelectual.”

Continua após a publicidade

Após citar vários exemplos de uso de pseudônimo na literatura, inclusive o dele próprio na orelha do livro, Andreazza sentenciou também:

“Ou a gente compra a ideia absoluta de obra de arte, de obra de ficção, e defende os valores da civilização que nós construímos, ou é barbárie.”

O editor criticou o silêncio das concorrentes: “Não há nenhuma solidariedade. Nenhuma editora brasileira até agora se manifestou publicamente. Nem editora, nem editor. Nem pública, nem privadamente.”

Continua após a publicidade

Andreazza afirmou que jamais publicaria, por exemplo, o livro “Mein Kampf”, de Adolf Hitler, mas lembrou que saiu em defesa da liberdade dos editores que o publicaram quando estes foram “massacrados” pela decisão.

“E agora, nada”, comparou. “Inclusive os que foram vítimas naquela ocasião: nada. Nenhuma palavra de apoio, nenhuma manifestação.”

Citando os rótulos a ele aplicados por esquerdistas, inclusive do seu meio, Andreazza defendeu a pluralidade do debate público e da própria Record:

Continua após a publicidade

“É curioso, porque aquele editor ‘reacionário’, ‘coxinha’, ‘de direita’, ‘golpista’, é justamente aquele em cujo trabalho você encontrará a maior dedicação à ideia de pluralidade. Nós aqui publicamos tudo, e todo mundo, desde que dentro da lei e com ideias a serem apresentadas. Mas, mesmo assim, há um estigma contra mim e eu acho que, sem querer fulanizar a questão, boa parte do silêncio diante desta questão gravíssima decorre de uma antipatia estúpida e pessoal, afinal quem me conhece sabe que eu sou um doce (risos)”.

Andreazza foi o editor que, atendendo a uma imensa demanda reprimida, mas até então ignorada, abriu as portas do mercado editorial para livros de autores críticos da esquerda, especialmente com o sucesso de mais de 230 mil exemplares vendidos do best seller de Olavo de Carvalho, idealizado e organizado por mim, O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

Não é de surpreender, portanto, o silêncio daqueles que temem o contraditório.

Continua após a publicidade

Este blog, porém, atenta para um detalhe ainda mais sórdido: a defesa de Cunha usou até comentários de Andreazza em artigos e Facebook, fazendo juízos específicos e chegando ao cúmulo de pintar como deboche ao Judiciário um trecho crítico ao STF, na aparente ânsia de jogar o tribunal contra o réu.

Atípico é que um editor seja colocado e exposto nesta condição.

Ouça abaixo a entrevista em que Andreazza classifica a proibição como censura prévia e um ataque violento contra as liberdades de expressão e editorial; e leia também seu artigo no Globo “Andreazza (pseudônimo) entrevista Andreazza“.

Continua após a publicidade

Na semana que vem, o entrevistado de Garschagen sou eu, Felipe Moura Brasil.

Felipe Moura Brasil ⎯ https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.