Blog Felipe Moura Brasil

Felipe Moura Brasil

Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

sobre

Felipe Moura Brasil estreou este blog em 2013, após dez anos como cronista na internet. Idealizou e organizou o best seller de Olavo de Carvalho, "O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota". Autor da Editora Record, trabalha em dois livros previstos para 2016.

Brasil se recusa a pagar o pato da patetice de Lula e Dilma

Veja resumão

Por: Felipe Moura Brasil

Resumão em notas e tuitadas:

– STF deve decidir na quinta-feira se processos contra Lula ficam com o juiz Sergio Moro. Se tudo correr conforme a lei, a moralidade e a jurisprudência, Lula já pode ser preso na semana que vem, junto com Marisa, Lulinha e Luis Cláudio Lula.

Eu já separei a pipoca.

– Em entrevista coletiva, Lula acusou a Lava Jato de “ter um objetivo: tentar destruir sua imagem”. O título do New York Times mostra que nem o jornal americano de esquerda caiu na tentativa do petista de politizar a atuação de Sergio Moro:

“Lula ataca juiz que investiga corrupção”.

– Lula disse que Lava Jato prejudica economia. Folha publica: “desde que foram alvejadas pela Operação Lava Jato, há pouco mais de dois anos, a Petrobras e suas subsidiárias demitiram 169,7 mil pessoas”.

Além de pautar a Carta Capital, Lula pauta a Folha também?

– A culpa obviamente é dos corruptos, não dos que investigam os corruptos; e todo jornalista que se preze tem obrigação de deixar isto claro em qualquer construção verbal sobre o assunto, como este blog aponta há mais de um ano.

O lulismo é o avesso do jornalismo.

– Ao dar toco em Lula e avisá-lo do rompimento, Michel Temer ainda reclamou com ele da nomeação do peemedebista Mauro Lopes para a Aviação Civil, mesmo após o PMDB ter fechado questão contra aceitar cargos no governo por 30 dias:

“Eu avisei o senhor que esse episódio ia cair muito mal”, disse o vice-presidente, segundo o Estadão.

Mas Lula, como todo o PT, é assim: apunhala pelas costas e, na hora do desespero, quer diálogo.

– De acordo com o jornal, “os dois teriam até iniciado negociações sobre o pós-Dilma, com o vice-presidente se comprometendo a não realizar uma ‘caça às bruxas’ no governo”. Lula defende Dilma em público, mas já negocia cargos e anistias no governo Temer. O problema para Lula é que, até segunda ordem, Temer não pode lhe dar foro especial.

– Gilmar Mendes vai relatar recursos contra o impeachment, informa o Radar de VEJA. “Ele é o chamado relator prevento, que recebe todos os processos sobre o tema, devido a ter sido o primeiro sorteado no mandado de segurança que os deputados Paulo Pimenta e Wadih Damous apresentaram ao STF”. Mais um tiro no pé do PT. Ainda sobrou algum dedo?

– Até Luis Roberto “Minha Posição” Barroso declarou que impeachment não é golpe. Só Ricardo Lewandowski, amigo da família Lula, é que ficou em cima do muro dizendo que golpe é um termo político e o STF trata de questões jurídicas.

O Brasil está de olho, Lewandowski.

– Presidentes do PSDB, DEM, PPS deram entrevista à imprensa internacional para defender a legalidade do impeachment após Dilma e Lula denunciarem ao resto do mundo um “golpe” inexistente. É assim que se faz.

Chega de perder a guerra de narrativas para a propaganda petista.

Oposicao entrevista estrangeiros

– Mendonça Filho (DEM-PE): “Não existe golpe! Há um desespero petista. A atuação das instituições comprovam que a Democracia está consolidada.”

Mendonca golpe sitio charge

– Governo só conseguiu reunir 5 senadores em encontro da base aliada, sendo 3 deles petistas. Os líderes de PMDB, PDT, PP e PR não compareceram à reunião no Planalto. O ministro Ricardo Berzoini ficou chupando dedo.

Até o Senado está desembarcando do Titanic.

VEJA: “Partidos aliados devem seguir o PMDB e abandonar o governo. PSD, PP e PR avaliam liberação de parlamentares para votar como quiserem em relação ao impeachment da presidente.” Todos de olho num carguinho no governo Temer.

Folha: “No rastro de Henrique Eduardo Alves, cuja exoneração a pedido do Ministério do Turismo foi publicada no Diário Oficial da União, Mauro Lopes (Aviação Civil), Eduardo Braga (Minas e Energia) e Helder Barbalho (Portos) informaram a aliados e auxiliares a intenção de deixarem as pastas.” A ala mortadela do PMDB também está de olho no governo Temer.

– “Resistentes a abandonar a Esplanada dos Ministérios, Marcelo Castro (Saúde), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Kátia Abreu (Agricultura) ainda não decidiram se deixarão o governo ou a sigla.” O povo brasileiro, eles já deixaram.

– Radar de VEJA: “Kátia Abreu procura, sem sucesso, sigla para poder ficar no governo”. “Nem a ideia de voltar para o PSD foi bem-sucedida: caciques da sigla demonstraram que o caminho do PSD também é de saída”.

Quem mandou virar miguxa da Dilma? Tchau, querida.

– O funk romântico dizia: “Avião sem asa, fogueira sem brasa / Sou eu assim sem você”. Minha versão: “Dilma sem a base, Lula sem o foro, Brasil querendo crescer…”

– Correio Braziliense: “Cerca de 5 mil patos infláveis foram colocados no gramado central da Esplanada dos Ministérios na manhã desta terça-feira (29/3). Outro pato, de cerca de 20 metros de altura, também será inflado no local.”

Chega de impostos. Chega de pagar o pato.

patos esplanada

pato anuncio

Anúncio pago publicado nos jornais por entidades empresariais que querem a saída de Dilma

– Onyx Lorenzoni (DEM-RS): “Mentiras, diversionismo e desculpas. Explicações sobre os crimes? Nenhuma. Mensalão e Petrolão [foram criados] para comprar apoio e forrar bolsos de corruptos. O que faz a presidente? Tenta comprar mais apoio. Vai ter impeachment, sim.” Amém.

– Onyx: “‘Vai ter peão pra bater em coxinha’. ‘Cobrem do Moro’. Que líder é esse que joga brasileiro contra brasileiro? Líder de quadrilha.” Nada a acrescentar.

Onyx Pato

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Voltar para a home

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*