Blogs e Colunistas

21/11/2014

às 3:14 \ Aborto, Comportamento, Cultura, Mundo

Como é feito um aborto

“Se eu tirasse este colarinho, e então lhe mostrasse esse bebê e esses instrumentos, há algo que mudou sobre como o aborto acontece?”, pergunta o padre Frank Pavone, autor de Ending abortion – not just fighting it e diretor dos Sacerdotes Pela Vida, após expor de forma crua – mas sem sangue – um dos métodos de realização do aborto.

Não: nada muda, por mais intolerável que seja para os intolerantes ouvir um padre falar sobre qualquer assunto. Diga quem disser, 2 + 2 = 4, sim, senhor.

Assista ao vídeo de menos de três minutos, de 2008, legendado pelos Tradutores da Direita.

Eis o diagrama mencionado no vídeo:

Aborto diagrama

Depois do Dia da Consciência Negra, vale lembrar ainda as palavras do dr. Ben Carson:

“Há um monte de pessoas que diz: ‘Eu acho que é errado, e eu nunca faria um aborto, mas eu acho que não tenho o direito de impor meus sentimentos aos outros.’ Essa pode ser a resposta de muitas pessoas, mas suponha que os abolicionistas tivessem pensado assim nos séculos XVIII e XIX. Suponha que eles tivessem dito: ‘Eu não vou possuir escravos. Eu realmente acho que a escravidão é errada, mas, se você quiser ter os seus, tudo bem.’ Se os abolicionistas tivessem tido essa atitude, onde estaríamos agora? Temos de lidar com essas grandes questões morais, e o aborto é uma questão importante para a nossa geração. Você não pode simplesmente enfiar sua cabeça na areia.”

Posts relacionados (favor ler antes de repetir chavões abortistas aqui no blog):
- Vamos educar contra o aborto – Ben Carson, Brit Hume, Ann Coulter e Papa Francisco contra Barack Obama
- O filme que o Bonequinho do Globo não quer que você veja [Assista a 'Blood Money: aborto legalizado' dublado e completo - aqui.]
- O dono do mundo
- Polícia do pensamento em patrulha
- O que a Igreja fez pela mulher
- Ver também o capítulo ‘Aborto’ do nosso best seller O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

21/11/2014

às 0:14 \ Brasil, Cultura

Deu na Folha: Conhecer o Foro de São Paulo é o mínimo para não ser um idiota

Acredite se quiser: ao menos lá no site da Folha de S. Paulo, na seção da Livraria da Folha, saiu na quarta-feira, 19 de novembro, um contundente texto de apresentação do best seller de Olavo de Carvalho, idealizado e organizado por mim, O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota. Embora o livro tenha capítulos temáticos para muito além da política, como ‘Juventude’, ‘Conhecimento’, ‘Vocação’, ‘Cultura’ e ‘Pobreza’, o foco do texto é a entidade que eu chamei no resumão aqui do blog de maior inimiga do Brasil. Diz o título, bastante ousado para os padrões da Folha: “Conhecer o Foro de São Paulo é o mínimo para não ser um idiota”, coisa de que os manifestantes anti-PT do último sábado, 15 de novembro, já sabem muito bem.

Dia 15 Fora Fora Olavo tem razão montagem

Dia 15 mínimo

Quatro dias após eles saírem às ruas com cartazes de repúdio ao Foro e exaltação a Olavo - como “nunca antes na história dêsti paíf” um movimento de massa fez com um escritor vivo -, o mínimo que a Folha pode fazer, ainda que na seção de vendas (e dando um belo desconto), é contar a história que os jornais brasileiros esconderam por quase vinte anos.

Que o texto abaixo – lamentavelmente anônimo – chegue logo à versão impressa também.

******

Oficialmente, o Foro de São Paulo nunca foi secreto, mas, até pouco tempo atrás, quase ninguém sabia de sua existência. Para quem tinha ouvido falar, salvo raras exceções, a organização política internacional fundada em 1990 por Lula e Fidel Castro não era mais do que um “Rotary Club bolivariano”, na qual antigos revolucionários se juntavam para conversar e tomar chá.

MínimoEm setembro de 1997, o advogado José Carlos Graça Wagner acusou o Foro de ser uma organização internacional que visava dominar politicamente os países latino-americanos, união que incluía partidos ilegais e grupos terroristas ligados ao trafico internacional de drogas.

Na época, mesmo com a divulgação das atas, a denúncia foi recebida como a mais nova teoria da conspiração. Afinal, o fim do século 20 sepultou para sempre as ideias comunistas.

No decorrer dos anos, o único que parecia insistir nessa história era Olavo de Carvalho. Até que, em 2005, Lula fez um pronunciamento para a celebração dos 15 anos do Foro e reconheceu a ação conjunta de lideranças de esquerda, a natureza secreta da entidade e que a relação permitiu, por exemplo, “a consolidação do que aconteceu na Venezuela”.

“É a confissão explícita de uma conspiração contra a soberania nacional, crime mais grave do que todos os delitos de corrupção praticados e acobertados pelo atual governo; crime que, por si, justificaria não só o impeachment como também a prisão do seu autor”, escreveu Carvalho no artigo “Lula, Réu Confesso”, publicado no “Diário do Comércio” de 26 de setembro de 2005 e parte da coletânea O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

“Nunca um presidente eleito de qualquer país civilizado mostrou um desprezo tão completo à Constituição, às leis, às instituições e ao eleitorado inteiro, ao mesmo tempo que concedia toda confiança e toda a autoridade a uma assembleia clandestina repleta de criminosos, para que decidisse, longe dos olhos do povo, os destinos da nação e suas relações com os vizinhos”.

Entre outras críticas ao governo do PT e à esquerda internacional, Carvalho acusa Luiz Inácio Lula da Silva de assinar “um pacto de solidariedade com a narcoguerrilha colombiana”.

“Não há no jornalismo ou nos debates em geral, atitude mais indigna, mais abjeta e, no fundo, mais ridícula, do que tentar impugnar uma denúncia sob o pretexto de que ela é ‘teoria da conspiração’”, escreveu em “Falsos Segredos”, publicado em 14 de janeiro de 2010, no “Diário do Comércio”.

Yo no creo en las brujas

Soterrado pelo Muro de Berlim, o comunismo recebeu o atestado de óbito oficial com o fim da União Soviética. No século 21, imaginar a possibilidade de outro modo de produção que não seja o capitalista soa anacrônico ou ilusório. Por enquanto, a existência real do socialismo ou de algo semelhante não tem muita importância.

Um dos motivos para deixar a questão de lado é a transformação da ideia de comunismo. Foram tantas alterações e adaptações que esse emaranhado se tornou uma verdadeira charada teórica. A tarefa de decifrar esse enigma ideológico fica para o historiador David Priestland em seu livro “A Bandeira Vermelha”, que ultrapassa 700 páginas.

Para ilustrar a gravidade da questão levantada por Olavo de Carvalho, darei um exemplo grosseiro. Pense em uma seita esotérica hipotética. Os membros desse culto acreditam que é possível se comunicar com seres invisíveis. Para que isso aconteça, deve-se reunir uma série de pedras. Ao tentar juntar esses elementos, o sujeito se vale de ações ilícitas, como roubo e extorsão.

A existência ou não dos seres invisíveis ou a possibilidade de manter uma conversa com eles não o isenta dos crimes que praticou. Ademais, mesmo que o ritual não funcione como planejado, a mente humana é dotada de mecanismos de autoengano capazes de criar desculpas pelo fracasso –”a pedra não era suficientemente boa”– ou até mesmo alterar a lembrança de um resultado negativo.

Negar a possibilidade do comunismo não revoga os crimes cometidos em seu nome.

*

O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota, organizado por Felipe Moura Brasil, é uma coletânea de 193 textos escritos por Olavo de Carvalho. Os artigos foram publicados entre 1997 e 2013 em diversos jornais e revistas.

AUTOR Olavo de Carvalho
ORGANIZADOR Felipe Moura Brasil
EDITORA Record
QUANTO R$ 53,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

PS: Para entender melhor esta noção de comunismo, veja o artigo “O comunismo real“. Para o resumão do Foro, veja: Conheça o Foro de São Paulo, o maior inimigo do Brasil.

20/11/2014

às 19:36 \ Cultura

Zumbi dos Palmares sequestrava mulheres, mas Dilma o exalta como “grande herói brasileiro”

Não bastasse o meu post da véspera sobre a intimidação de Frei David aos bolsistas negros, passei o Dia da Consciência Negra em reunião sobre trabalho escravo. Da época da escravidão? Não. Do Brasil de hoje mesmo, governado pelo PT. Recebi informações mui interessantes, para além daquelas que já dei aqui e aqui. Nas próximas semanas, teremos novidades neste blog.

Enquanto eu falava mal do governo na reunião, [a equipe de] Dilma postava no Twitter:

Captura de Tela 2014-11-20 às 17.30.59

A presidente que fez campanha repudiando a violência contra as mulheres, enquanto dois mil militantes virtuais de seu partido espalhavam boatos infames sobre supostas agressões cometidas por Aécio Neves, trata como “grande herói brasileiro” um sequestrador de mulheres. O verdadeiro Zumbi desconhecido pelo cidadão comum “dêsti paíf”, intoxicado de propaganda esquerdista, fora revelado décadas antes da publicação do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil (Ed. Leya), best seller de Leandro Narloch, que o resume:

ZUMBI-DOS-PALMARES“Zumbi, o maior herói negro do Brasil, o homem em cuja data de morte se comemora em muitas cidades do país o Dia da Consciência Negra, mandava capturar escravos de fazendas vizinhas para que eles trabalhassem forçados no Quilombo dos Palmares. Também sequestrava mulheres, raras nas primeiras décadas do Brasil, e executava aqueles que quisessem fugir do quilombo.”

No livro, Narloch cita outros autores para explicar as nuances da escravidão local:

“Para obter escravos, os quilombolas faziam pequenos ataques a povoados próximos. ‘Os escravos que, por sua própria indústria e valor, conseguiam chegar aos Palmares, eram considerados livres, mas os escravos raptados ou trazidos à força das vilas vizinhas continuavam escravos’, afirma Edison Carneiro no livro O Quilombo dos Palmares, de 1947.

No quilombo, os moradores deveriam ter mais liberdade que fora dele. Mas a escolha em viver ali deveria ser um caminho sem volta, o que lembra a máfia hoje em dia. ‘Quando alguns negros fugiam, mandava-lhes crioulos no encalço e uma vez pegados, eram mortos, de sorte que entre eles reinava o temor’, afirma o capitão João Blaer.

‘Consta mesmo que os palmaristas cobravam tributos – em mantimentos, dinheiro e armas – dos moradores das vilas e povoados. Quem não colaborasse poderia ver suas propriedades saqueadas, seus canaviais e plantações incendiados e seus escravos sequestrados’, afirma o historiador Flávio Gomes no livro Palmares.”

Não sei por que me lembrei do Frei David, que ameaça cortar a bolsa de estudantes negros se não fizerem servicinhos políticos para o PT. E também dos irmãos Castro, que ameaçam despejar as famílias dos escravos atuantes no programa “Mais Médicos” em caso de deserção. A história se repete como tragicomédia no Brasil. O preço da “inclusão social” cobrado pela esquerda e pelas figuras míticas que ela cultua é alto desde Zumbi.

Decerto, não será Dilma a revelar ao mundo a escravidão cometida por negros. Escreve Narloch:

‘A própria palavra escravo vem de eslavos — os povos do leste europeu constantemente submetidos à vontade de germanos e bizantinos na alta Idade Média. Brancos europeus também foram escravizados por africanos. Entre 1500 e 1800, os reinos árabes do norte da África capturaram de l milhão a 1,25 milhão de escravos brancos, a maioria deles do litoral do Mediterrâneo, segundo um estudo do historiador Americano Robert Davis, autor do livro Christian Slaves, Muslim Masters (‘Cristãos Escravos, Senhores Muçulmanos’).”

O livro de Davis, aliás, está na pequena bibliografia de Olavo de Carvalho sobre o tráfico de escravos no Islam, indicada por mim no nosso best seller O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

Como escreveu, também, Diogo Mainardi no artigo “Fora, Zumbi!“, de 7 de maio de 2003, em que citava a obra Genes, Povos e Línguas, do geneticista italiano Luigi Luca Cavalli-Sforza:

“O melhor jeito para acabar com o racismo no Brasil é eliminar o critério de raça. O movimento negro sempre lutou para que os negros se orgulhassem da própria cor. Eu aboliria essa ideia. Aboliria o Dia Nacional da Consciência Negra, a política de cotas, as ações afirmativas. Aboliria também o mito da miscigenação racial brasileira.

Quando se considera toda a história da humanidade, os alemães são tão miscigenados quanto nós. Raça é uma noção arcaica. Não tem base científica. A luta contra o racismo não se dá glorificando a figura de Zumbi nos livros escolares, mas ensinando que os brancos são negros e os negros são brancos.”

Morgan FreemanComo faz o ator Morgan Freeman. Como faz o escritor Thomas Sowell. Como faz o dr. Ben Carson. Como fazem Mia Love, Tim Scott, Will Hurd. Como fazem todos os negros que se sabem capazes de vencer por conta própria e não aceitam ser explorados pela demagogia esquerdista.

Meus heróis não morreram de overdose, como os da canção do Cazuza. Nem sequestravam mulheres, como o do tuíte da Dilma.

Eles lutaram de corpo e alma pela verdade que liberta, como o abolicionista conservador Joaquim Nabuco.

Sugiro aos negros que repensem os seus.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

19/11/2014

às 19:54 \ Comportamento, Cultura, Eleições, Esquerdismo

Vídeos exclusivos: Estudantes reagem às ameaças de Frei David, da Educafro, de cortar bolsas se não coletarem assinaturas para reforma política do PT. E ele fica bravinho!

Frei DavidNo dia 11 de novembro, mostrei aqui no blog o curioso caso da ONG Educafro (Educação e Cidadania de Afro-descendentes e Carentes), cujo diretor executivo, Frei David Santos, ameaça com multas de 300 reais e perda da bolsa universitária parcial ou integral os estudantes negros e pobres que não coletarem assinaturas em prol da reforma política do PT – aquela por meio da qual, como também expliquei aqui, o partido de Dilma quer construir a ditadura perfeita no Brasil.

Diante de tamanha intimidação financeira e psicológica para fins de coletar as assinaturas – a começar pela dos próprios estudantes -, questionei se era isso mesmo que a presidente Dilma e militantes do naipe de Frei David chamavam de projeto de “iniciativa popular”. Dizia eu: “Não terá sido coletada assim boa parte das 8 milhões de assinaturas que Dilma alega ter recebido em suposta petição de ‘movimentos sociais’ para encaminhar a reforma política?”

Pois bem. Em “resposta” que nada responde ao meu artigo original, a Educafro publicou uma nota de auto-exaltação e ataques baratos com o subtítulo “A REVISTA VEJA FEZ UMA ABORDAGEM INCOMPLETA”, o que de fato (puxa vida!) não tenho como negar. É verdade, sim. Neste ponto, Frei David tem razão. Eu havia divulgado apenas os e-mails com suas ameaças aos estudantes. Faltavam os vídeos!

Para completar o serviço, então, separei em dois o material que recebi com exclusividade de mais uma bolsista inconformada, como vários que escreveram a este blog. No primeiro vídeo, mais singelo, Frei David explica o procedimento de coleta necessário para renovação do benefício, diz que aumentou de uma para 5 folhas a quantidade exigida de cada estudante e, prevendo as reclamações de que seria muito trabalho, manda na lata: “toma vergonha na cara!”, (quem reage assim) “é preguiçoso e merece cortar a bolsa!”. Assista:

Um doce, não? Se Diogo Mainardi fala do comportamento “bovino” dos nordestinos que votam na Dilma, leva processo do PT. Se Frei David chama os negros de preguiçosos por não trabalharem para o PT, está tudo bem, é claro. Mas o melhor vem agora.

Uma estudante negra pede a palavra e reage às ameaças do diretor, perguntando como é que ela vai perder a bolsa se não está no contrato com a Educafro a coleta das assinaturas. Sua pergunta corajosa, decerto entalada na garganta de parte da plateia, é seguida de aplausos e gritos de apoio que aumentam de volume conforme os igualmente inconformados se sentem mais à vontade para endossar o coro.

E o que faz Frei David? Em comportamento típico de um militante petista, assume por um momento o papel de vítima e diz que – ui! ui! ui! – levou “duas facadas”, coitadinho: a pergunta e os aplausos. Puro jogo de cena para então voltar suas baterias contra a estudante negra: “Sua postura revelou que você não é nada cidadã!”, grita ele. Para Frei David, como se vê, é prova de falta de cidadania questionar o seu autoritarismo. E ainda pergunta: “Alguns de vocês teve [sic] a coragem de aplaudir?”, ao que uma estudante por trás da camêra debocha de longe: “Siiiiiiiiiiiiim!” Em seguida, o diretor dá um tragicômico ataque histérico anticapitalista que só vendo mesmo para acreditar:

Pois é. Militantes como Frei David – imagine – estão aí “para fazer o mundo mudar, e não pra fazer o capitalismo vencer no coração de egoístas!”. Uhuuul! É por isso que, no auge do escândalo de corrupção do Petrolão, eles precisam ajudar o PT a vetar a doação legal de empresas privadas para garantir que o partido tenha sempre mais dinheiro que os outros, não é mesmo? “Vergonha! Vergonha!”, como diria Frei David antes de mandar tirar o microfone da “irmãzinha” que o questionou, exatamente como o PT mandou tirar de Rachel Sheherazade. Seria já uma amostra davidiana do “controle de mídia” que o relatório bolivariano do partido prega? O sistema de cotas veio supostamente quitar a dívida histórica oriunda da escravidão, mas agora tem senhores como David para submeter negros e pobres a servicinhos políticos. E para exemplificar pela enésima vez a recomendação atribuída a Lenin – “Xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz” -, o diretor ainda completa:

“Estamos aqui não para viver e vencer egoisticamente”…

É mesmo um altruísta este Frei David: como qualquer petista, ele quer apenas o bem daqueles que ele intimida, ameaça e cala.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

PS: Para não cair no engodo de “racialistas”, veja também:
Reforma política do PT: Educafro ameaça com multa e perda da bolsa estudantes que não coletam assinaturas. É isso que petistas chamam de “iniciativa popular”? Entenda como o partido de Dilma quer construir a ditadura perfeita.
- O mundo inteiro está cheio de todo mundo
- Arnaldo Jabor ainda quer acusar a direita de “racismo”?
- Mais uma resposta certeira de Morgan Freeman sobre raça
- Diferenças entre conservadores e esquerdistas
- Por que o capitalismo funciona – um post com vídeos, transcrições e resumos para você educar de vez os amigos

19/11/2014

às 13:54 \ Comportamento, Cultura, Mundo

O terror da linguagem: ataques verdadeiros e falsas agressões

Captura de Tela 2014-11-19 às 12.48.01

Tuitadas do dia:

1.

- Guga Noblat foi EMPURRADO por manifestante adolescente que ele ridicularizou. UOL diz que ele foi AGREDIDO para parecer que levou uma surra.

- Mudar verbo específico (EMPURRAR) por genérico (AGREDIR) para aumentar impressão de violência é imprecisão voluntária de repórter militante.

- Manchete do UOL soma 2 trapaças: 1) “Guga Noblat é agredido”: foi empurrado. 2) “durante protesto em prol da ditadura”: não. Do impeachment.

Israel sinagoga atacada2.

- Ataque palestino mata 5, fere 6; e Helena Celestino quer Israel transigente, tolerante, sem ‘atos de vingança’ nem ‘represálias terríveis’.

- Chamar reação a ataques terroristas de ‘atos de vingança’ para transmutar o dever de Estado em descontrole sentimental é coisa de militante.

- “’Morte aos árabes’. Este era o grito de guerra dos ultradireitistas em Israel”. Celestino pinça lá o grito radical, como imprensa faz aqui.

- Dilma quis diálogo dos EUA com terroristas do Estado Islâmico. Helena Celestino, do Globo, quer diálogo de Israel com terror palestino.

[Recordar é viver: Já contaram para o Conti? Autoridade do Hamas admite que grupo sequestrou os três jovens de Israel. Avisem a Helena Celestino e Janio de Freitas também, ok?]

****

Outras notas:

Captura de Tela 2014-11-19 às 13.57.44 Captura de Tela 2014-11-19 às 13.55.41 Captura de Tela 2014-11-19 às 13.55.31

Sobre o post: New York Times considera “genial” livro de Diogo Mainardi, enquanto militância petista o ataca no Brasil:

Mainardi

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook, no Twitter e na Fan Page.

18/11/2014

às 14:48 \ Cultura, Mundo

Líder de audiência nos EUA, Fox News volta ao ar no Brasil em 16 de dezembro. Obrigado, GVT! A esquerda treme!

fox_news

Os âncoras Greta Van Susteren, Bill O’Reilly, Megyn Kelly e Sean Hannity

Lançada em 7 de outubro de 1996 e – para desespero da esquerda americana – líder de audiência entre os canais de notícias dos Estados Unidos desde que ultrapassou a CNN seis anos depois, em 2002, a Fox News finalmente volta a ser transmitida no Brasil a partir de 16 de dezembro, conforme anunciou na segunda-feira (17) a operadora de TV por assinatura GVT. O leitor Danilo Campos, de Curitiba, enviou no mesmo dia a este blog a foto abaixo, com a notícia de que o canal “com ampla cobertura dos acontecimentos mundiais” substituirá a BBC World News (138) na grade disponível aos assinantes.

Fox News na GVT

Em março de 2013, a NET surpreendeu os espectadores brasileiros ao tirar o canal do ar sem aviso prévio, o que gerou suspeitas entre os conservadores de uma eventual patrulha ideológica, uma vez que… bem, patrulhas ideológicas são comuns no Brasil petista – vide o caso Sheherazade – e os principais âncoras do horário nobre da Fox desmascaram diariamente as esquerdas do mundo inteiro. Aos que reclamaram por telefone na ocasião, a NET alegou apenas que a Fox não renovou o contrato – e, como ninguém da nossa imprensa se interessou em apurar, ficou tudo por isso mesmo.

Para ter o canal nos EUA, segundo o Pew Reasearch Center, as operadoras de TV a cabo têm de pagar 89 centavos de dólar por mês por assinante para a Fox, ao passo que a CNN recebe 57 centavos por assinante, e a MSNBC, 18. Se o motivo de cancelamento com a NET teve algo a ver com o alto preço, eu não sei, mas aplaudo de antemão a equipe da GVT pela decisão de oferecer aos seus assinantes o melhor telejornalismo do planeta e, por isso mesmo, o mais difamado pela canalhada.

Digo isso só por que há âncoras conservadores em horário nobre? Não! Mas porque não só há também diversos comentaristas de esquerda, como os esquerdistas de todos os naipes são convidados a debater com os âncoras, o que gera confrontos ao vivo em um nível inexistente na TV brasileira, à exceção, vez por outra, do Manhattan Connection. Quando Diogo Mainardi desmascarou Eike Batista em março de 2011 no programa da Globo News, e uma porção de gente ficou “estarrecida” com a atitude supostamente mal-educada do comentarista a quem o tempo – e o novo livro de Malu Gaspar – se encarregou de dar toda a razão, eu disse que ele cumpriu muito bem o seu papel e aleguei ainda:

Esse enfrentamento, ainda que contido e bem-humorado, é tão raro no Brasil que é natural que você estranhe e ache até agressivo. Na Fox News, isso é simplesmente a rotina diária. Assista um só dia à Fox, e você vai achar que o Mainardi fez até carinho no Eike.

Com a volta ao ar do canal, por quase dois anos acessível somente em vídeos reprisados na internet, será ainda mais vergonhoso para a imprensa brasileira esconder do público notícias que só este blog vem dando, como a confissão do ‘arquiteto’ do Obamacare de que mentiu para fazer avançar o projeto de lei. Há duas semanas não se fala noutra coisa nos EUA, mas parece que nossos jornalistas não podem manchar a imagem de São Obama com fraudes desse tipo. E eu, claro, tenho de aturar a revolta de um bando de analfabetos políticos quando faço comparações pontuais entre as esquerdas petista e obamista, esta última absolutamente desconhecida deles, a despeito da imensa bibliografia a respeito, incluindo o nosso best seller O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

Obrigado, GVT. O Brasil ainda tem muito que aprender com a Fox.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook, no Twitter e na Fan Page.

17/11/2014

às 22:18 \ Cultura, Esquerdismo, Literatura, Mundo

New York Times considera “genial” livro de Diogo Mainardi, enquanto militância petista o ataca no Brasil. Veja a resenha

LIVRO-A-QUEDA-138-size-598

TITO, DIOGO, NICO E CAMPO SANTI GIOVANNI E PAOLO, DE CANALETTO – O ex-colunista de VEJA escreveu uma obra em que a grande arte emoldura a sua história individual (Ruyn Teixeira / Divulgação/VEJA)

Em outubro de 2013, quando o livro A queda – As memórias de um pai em 424 passos, de Diogo Mainardi, não ficou nem entre os três primeiros da categoria do prêmio Jabuti em que concorreu, escrevi no Facebook:

Mainardi levou o Jabuti em 1990 pelo romance ‘Malthus’, quando era apenas um escritor brilhante em início de carreira, e não o famoso (agora ex-)colunista da revista VEJA, exterminador intelectual de esquerdistas de qualquer espécie.

Dessa vez, seu melhor livro (e olha que superar o romance Contra o Brasil e as coletâneas A tapas e pontapés e Lula é minha anta não era nada fácil) estava entre os dez finalistas na categoria biografia, a qual preenche e transcende com o brilho, a densidade e o poder que as obras premiadas sobre Marighella (1º) e Getúlio (3º) jamais terão de falar aos corações de todo tipo de gente, do mundo inteiro, de diversas épocas. Mas, sendo quem é hoje, Mainardi naturalmente não tem vez no prêmio ‘Chico’.

Como disse certa vez Olavo de Carvalho: “Quando deram o prêmio Jabuti para o Bruno Tolentino, eu achei que era uma grande honra para o prêmio Jabuti.” Dar mais um prêmio para Mainardi decerto estouraria o limite de honra que a turma de Chico pode suportar.

‘A queda’ dessa gente também é para sempre.

Pois bem. De lá para cá, o livro que já ganhara matéria preciosa de Mario Sabino na VEJA em agosto de 2012 colecionou, como queríamos demonstrar, traduções e elogios pelo mundo, culminando com a esplêndida resenha publicada no domingo 9 deste mês de novembro no jornal americano The New York Times, na qual a professora da Eastern Washington University e autora do livro de memórias ‘Road Song’, Natalie Kusz, o classifica simplesmente como “genial”. Como bem tuitou Sabino, escritor e ex-redator-chefe de VEJA:

Captura de Tela 2014-11-17 às 21.00.20

Na imprensa brasileira, o máximo que saiu sobre tamanho elogio a The Fall: A Father’s Memoir in 424 Steps (na versão traduzida para o inglês por Margaret Jull Costa) foi esta mísera notinha na Folha. Nossos jornalistas, sempre tão dispostos a traduzir o noticiário contaminado de esquerdismo do NYT, ou ignoram solenemente a seção literária que redime o jornal e/ou tampouco quiseram estourar seus limites de honra - especialmente neste momento em que a militância petista acusa Mainardi de preconceito e discriminação por apontar no Manhattan Connection, após a reeleição de Dilma, que o Nordeste sempre teve um comportamento “bovino” em relação ao poder.

Ignorando que as expressões populares “curral eleitoral” e “voto de cabresto” são usadas pela mesma lógica que o termo “bovino”, como depois explicou Mainardi no programa, os deputados Henrique Fontana (PT-RS), líder do governo na Câmara, Pedro Eugênio (PT-PE), coordenador da bancada do Nordeste, Luiz Couto (PT-PB), Erika Kokay (PT-DF), Alice Portugal (PCdoB-BA) e Luciana Santos (PCdoB-PE), além do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), entraram com representação junto ao Ministério Público Federal (MPF) contra o comentarista da Globo News. Em suma: quatro petistas e duas comunistas da linha auxiliar mostrando mais uma vez por meios judiciais o gosto do partido pela intimidação e pelo “controle da mídia”, para alegria de José Dirceu - o presidiário moral cujo blog festejou a ação. É por essas e outras que Mainardi havia dito na época do lançamento de A queda:

“Só consegui, contudo, dedicar-me seriamente ao livro a partir de setembro de 2010, na volta definitiva a Veneza. Tive de renunciar à coluna em VEJA, por causa da minha cabeça limitada: sou incapaz de pensar num José Dirceu e, ao mesmo tempo, num Tintoretto. O José Dirceu emporcalha o Tintoretto”, ironizara ele, referindo-se ao pintor citado na obra.

Só falta mesmo a turma de Dirceu controlar as resenhas do NYT. Enquanto não conseguem, segue a tradução do texto de Natalie Kusz, precisa em sua frase final. Que nossos jornalistas e jurados do Jabuti deixem a invejinha de lado e aprendam como se faz.

The FallAs memórias de um pai em 424 passos

Other Press, $20.

O brasileiro Mainardi era um jornalista respeitado, morando com a mulher no Grande Canal de Veneza, quando o inconcebível aconteceu: devido a um erro médico crasso, o filho dele, Tito, nasceu com paralisia cerebral. O hospital era famoso pela quantidade de desgraças, mas os Mainardi o escolheram assim mesmo porque ficava perto de casa, por causa da arquitetura, por ficar perto de uma confeitaria de primeira – por razões comuns que, em retrospecto, fariam o pai de Tito se sentir tão culpado quanto o hospital, quanto a equipe, quanto Napoleão Bonaparte.

Napoleão? Sim, e aqui se encontra a genialidade do livro. Cada um dos 424 fragmentários apontamentos do texto exemplifica o caminho doido, ilógico que a mente escolhe de forma a se controlar ou a perder o controle. O prédio de estilo primoroso abrigava uma irmandade beneficente até Napoleão transformá-lo em hospital militar, que mais tarde tornou-se hospital público, perto do qual, ainda mais tarde, foi inaugurada uma confeitaria. Portanto, entre os muitos culpados pela paralisia cerebral do menino estão um arquiteto brilhante, Napoleão e Mainardi adorar doces.

Esse tipo de autobiografia sugere uma literatura “experimental” da mais juvenil espécie: uma repulsa por qualquer coisa que se pareça à conformidade. Na verdade, Mainardi articulou uma obra genial na melhor tradição das autobiografias, dando menos ênfase ao que aconteceu do que ao que ele (e, portanto, nós) podemos perceber por causa do que aconteceu. O que nós percebemos, no fim das contas, é a criação mental da verdade.*

* Tradução de Claudia Costa Chaves para o blog de Felipe Moura Brasil na Veja.com.

Segue o belo anúncio do livro, com os elogios recebidos pelo mundo.

The fall anúncio resenhasFelipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook, no Twitter e na Fan Page.

17/11/2014

às 17:47 \ Cultura, Manifestações

Vídeo com legendas comprova: CNN cobre protestos anti-PT melhor que imprensa brasileira. Até quando Jornal Nacional vai ignorar o movimento?

Dia 15 recado à mídia estrangeira sobre Foro

No Rio de Janeiro, manifestantes pedem ajuda à mídia estrangeira. Só falta agora a CNN falar do Foro de São Paulo também

Quando falei aqui e aqui da diferença de cobertura da imprensa em relação a protestos petistas e protestos anti-PT, critiquei O Globo, a Folha, o Estadão e o UOL pelas manchetes e matérias que distorciam a pauta do movimento, além do Jornal Nacional por ignorá-lo por completo. É uma vergonha para o jornalismo brasileiro que a CNN faça uma cobertura melhor - mais informativa e com o devido senso das proporções - que a nossa imprensa, mas lamentavelmente foi isto que aconteceu. A repórter Shasta Darlington saiu às ruas de São Paulo, entrevistou os manifestantes (inclusive o deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro), mostrou os motivos dos protestos e apontou o pedido isolado de “intervenção militar” como algo que apenas “alguns até” pediam, sendo que, neste momento, a câmera mostra, com um cartaz intervencionista em mãos, um sujeito solitário que mais parece plantado ali pela militância petista.

Eu sou crítico da CNN em relação à cobertura para lá de esquerdista da política americana e dos conflitos Israel-Hamas, como bem sabem os leitores deste blog. Mas Darlington, assim como outros repórteres de assuntos latino-americanos, elevam a média da emissora – o que raramente ocorre com a imprensa brasileira na cobertura internacional. Assista ao vídeo abaixo, legendado pelos Tradutores da Direita, e entenda por que os manifestantes fazem muito bem em pedir SOS aos jornalistas estrangeiros.

PS: Sim, a repórter na rua fala em mais de 3 mil pessoas apenas, mas é o número de que dispunha em tempo real. Depois, em número ainda modesto, a PM estimou cerca de 10 mil manifestantes presentes.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook, no Twitter e na Fan Page.

17/11/2014

às 16:45 \ Comportamento, Cultura, Eleições

Petrolão: Dilma e petistas seguem com ‘estratégia do diabo’

PF

PF prende o ‘clube do bilhão’

O comportamento dos petistas em relação ao escândalo do Petrolão segue igual ao que sintetizei durante o debate presidencial do SBT em que Aécio Neves (PSDB) nocauteou Dilma Rousseff (PT):

Captura de Tela 2014-11-17 às 15.25.34Se o PT rouba e é descoberto, o PT se vangloria de ter investigado (o que é papel da Polícia). Se seus adversários não são punidos de forma alguma, o PT os acusa de não terem permitido a investigação. Ou seja: o PT tem mérito mesmo quando comete crimes e seus adversários são culpados mesmo quando não o cometem.

É a estratégia do diabo. Mas a culpa é do PT, ele coloca em quem quiser.

Como apontou Aécio na ocasião, quem manobra no Congresso para impedir a investigação da roubalheira são na verdade os petistas, o que ficaria ainda mais claro após a eleição, como mostrou a VEJA.com na terça (11) e na quarta (12). Isto sem contar as tentativas canalhas de destruir o juiz Sergio Moro, como mostrou a edição impressa da revista.

Agora que a Polícia Federal começou a prender os dirigentes da Petrobras e das empreiteiras que compunham o chamado “clube do bilhão”, as declarações da presidente Dilma, do líder do PT na Câmara, o deputado Vicentinho (PT-SP), e do ministro da suposta Justiça, José Eduardo Cardozo, exemplificam à perfeição a estratégia do partido.

dilma-politica-20141105-35-size-598Lá da Austrália, Dilma tentou tirar mais uma casquinha do trabalho da PF, afirmando que as investigações do escândalo podem “mudar o Brasil para sempre” e que esta “é a primeira investigação efetiva sobre corrupção no Brasil que envolve segmentos privados e públicos”. Nunca antes na história “dêsti paíf”… uma presidente que sabia de tudo, segundo o doleiro Alberto Yousseff, se vangloria da punição aos corruptos que ela própria manteve em posições de comando.

Nunca antes na história da Petrobras, aliás, um chefe de setor havia ascendido sem escalas à cúpula, como aconteceu com Renato Duque em 2003, no primeiro governo Lula. Mas o ex-diretor, que reinou absoluto na diretoria de Serviços até 2012 cobrando 3% de propina para o PT e foi preso na Operação Lava-Jato depois que a PF descobriu que ele tinha contas secretas no exterior, era o escolhido do mensaleiro petista José Dirceu, com quem tinha um relacionamento antigo - e quem é Dilma para contrariar Dirceu, não é mesmo? No debate da Globo, vale lembrar que ela simplesmente se recusou a repudiar o mensalão.

Quanto aos outros, tuitei neste sábado 15:

Captura de Tela 2014-11-17 às 12.36.56

O mesmo Cardozo que acusa adversários indeterminados de fazer o jogo político que ele próprio faz ao dizer que “A oposição não pode usar as prisões para criar um terceiro turno eleitoral” repete o discurso eleitoral de Dilma de que a sujeira não será varrida para baixo do tapete, supostamente como acontecia no passado tucano – e ainda diz a jornalistas que a presidente deu sinal verde para levar adiante as investigações, como se fosse ela de fato que mandasse na Polícia.

Não é só na eleição que os petistas fazem o diabo. A estratégia do capeta continua a todo vapor.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitterno Facebook e na Fan Page.

16/11/2014

às 0:10 \ Cultura, Esquerdismo, Mundo, Socialismo

“Imprensa brasileira esconde Foro de São Paulo” e manifestantes pedem ajuda a jornalistas estrangeiros. O resumo mais completo é deste blog! #FicaaDica

Praticamente todos os protestos deste sábado (15) contra o governo petista da presidente Dilma Rousseff também tiverem um alvo maior, lembrado por manifestantes em diversas cidades do país: o Foro de São Paulo. Os portais de notícias, no entanto, julgaram mais relevante destacar uma minoria de sabotadores que em São Paulo pedia a “intervenção militar” e que por isso mesmo se viu afastada da grande massa. O curioso é que a omissão da imprensa sobre o Foro já estava prevista no próprio movimento, pelo menos em duas cidades. Veja:

Dia 15 recado à mídia estrangeira sobre Foro

Traduzo a faixa dos manifestantes anti-PT que, mesmo debaixo de chuva, saíram às ruas de Copacabana, no Rio de Janeiro, para protestar:

“S.O.S. imprensa estrangeira! Democracia em risco nos países da América Latina por conta do Foro de São Paulo (FSP)!! Imprensa brasileira o esconde de nós!”

Em Curitiba, também usaram uma faixa parecida:

Dia 15 Curitiba Foro escondida imprensa

Em São Paulo, onde se deu a maior manifestação do dia, havia várias faixas como estas abaixo, de “Fora Foro” e “Foro de São Paulo é traição a pátria”, além da exaltação ao filósofo Olavo de Carvalho, que o denunciou durante anos sozinho na imprensa.

Dia 15 3 SP

Dia 15 Globo Fora ForoDia 15 Fora Foro

Em Brasília, também se protestou contra os atentados à democracia perpetrados pelo Foro; e se exaltou o filósofo, autor do best seller idealizado e organizado por mim, O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota:

Dia 15 Foro não

Dia 15 Olavo tem razão

Em Goiânia, o Foro também foi alvo do protesto:

Dia 15 Goiânia abaixo Foro

Como pode a imprensa brasileira ignorar um alvo tão importante de protestos por todo do país?

Foro SP ameaçaBom, isto é o que também já explicava o resumo didático deste blog, o mais completo sobre a entidade criada pelo ex-presidente Lula e pelo ditador cubano Fidel Castro. O post de março deste ano, na verdade uma reedição atualizada do meu post de 2013 quando ainda não era colunista da VEJA, está repleto de vídeos confessionais de gente do naipe de Lula, José Dirceu e Hugo Chávez e alcançou cerca de 200 mil curtidas, centenas de milhares de visitas a mais, e certamente contribuiu, após as denúncias e o best seller de Olavo de Carvalho, para a tomada de consciência que milhares de brasileiros tiveram antes da maior parte dos jornalistas. Ei-lo aqui, então, para aqueles, do Brasil e do exterior, que ainda não sabem como a roubalheira petista se instalou no país:

- Conheça o Foro de São Paulo, o maior inimigo do Brasil.

Aproveite e veja também: Como Lula no Foro de São Paulo, autor do Obamacare confessa que mentiu para avançar agenda esquerdista – e contou com a “estupidez do eleitor americano”: “A falta de transparência é uma enorme vantagem política.” Quando Dilma confessará também as mentiras da campanha?

E vale lembrar que pelo menos a mídia canadense já ouviu o SOS, assim como um dos maiores jornais americanos está atento à outra monstruosidade do governo Dilma, como o leitor recém-chegado pode ver nesses dois posts recentes deste blog:

- Deu na ‘Canada Free Press’: “O caminho do Brasil para o comunismo bolivariano”. Vamos traduzir para o Jô Soares?
- Deu no Wall Street Journal: Tráfico de médicos escravos, adotado por Dilma, “é o crime perfeito”. Cuba ganha quase 8 bilhões de dólares por ano e ainda posa de solidária

Não dá mais para esperar o Jornal Nacional.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitterno Facebook e na Fan Page.

PS: A moderação de comentários está atrasada, mas será atualizada neste domingo. Podem caprichar!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados