Blogs e Colunistas

04/07/2015

às 15:57 \ Brasil, Cultura

Vem pra rua 16 de agosto: Povo do Equador inspira o Brasil com vídeo exemplar de protesto contra os bolivarianos

O protesto nacional contra o desgoverno petista de Dilma Rousseff está marcado para 16 de agosto pelos movimentos de rua.

PMDB e PSDB já concordaram em deflagrar a queda de Dilma justamente em agosto, o mesmo mês também dos julgamentos das contas públicas de 2014, que deverão ser reprovadas pelo TCU.

Reunir multidões para protestar pelo país será fundamental para pressionar ministros e políticos a fazerem o serviço completo.

Nas últimas semanas, os equatorianos deram um belíssimo exemplo para os brasileiros.

Milhares de manifestantes saíram às ruas contra a “posição ditatorial” do presidente Rafael Correa, aliado do PT no Foro de São Paulo.

Eles levaram bandeiras e cartazes com os dizeres:

“Chega de abusos, chega de impostos” , “Equador não é Venezuela”.

Segundo o Estadão, os protestos contra o governo eram originalmente organizados por meio de redes sociais, mas agora são também liderados por opositores (ouviu, Aécio?), sindicatos, populações indígenas e ativistas sociais.

Um projeto de lei para taxar heranças - como o PT também quer fazer no Brasil - em até 77,5% e outro de um imposto de 75% sobre ganhos de capital do setor imobiliário foram o estopim dos protestos.

No ato de 25 de junho, em Guayaquil, o prefeito Jaime Nebot fez um discurso duro, dizendo que o Equador passa por tempos difíceis, não apenas política, mas ideologicamente, e acusou o governo central de dividir os equatorianos – como o PT também faz com os brasileiros -, seguindo o caminho do regime venezuelano.

O vídeo do ato é exemplar e, de quebra, ainda mostra Correa mentindo sobre a “redução” da pobreza na Venezuela, como faz o governo do PT aqui com o número de miseráveis.

A América Latina precisa se livrar de uma vez desses tiranetes mentirosos do Foro de São Paulo.

Chama aí os amigos e vem pra rua em 16 de agosto.

“Chega de abusos, chega de impostos”, “o Brasil não é a Venezuela”.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

04/07/2015

às 14:59 \ Brasil, Cultura

Vídeo hilário: Dilma diz que brasileiros vão sentir a tocha

Dilma Rousseff não comete gafes.

Dilma é uma gafe, que, às vezes, comete frases gramaticalmente corretas, se tiver uma colinha.

Na apresentação oficial da tocha olímpica da “Copa” de 2016 na sexta-feira, em Brasília, ela estava em seu estado natural.

“Cada vez menos”, a petista está “cada vez mais” assim, para que os brasileiros se “sentam” – se “sintam!” – participantes – “partícipes!” – desse processo de mandiocrização do país.

Enquanto a inflação e o desemprego disparam, Dilma confirma que a tocha vai ser sentida no Brasil, de norte a sul e de leste a oeste.

Como dizia meu querido Flavio Morgenstern (embora eu me ‘inclua fora dessa’):

“Seria cômico se não fosse no nosso rabo.”

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

04/07/2015

às 2:46 \ Brasil, Cultura

“O governo acabou.” PMDB e oposição discutem vias para derrubar Dilma, da forma hilária que antecipei aqui

aecio-neves-eduardo-cunha-reducao-da-maioridade-penalAs informações da coluna Painel, da Folha, deste sábado, confirmam minhas teses (aqui e aqui) tão claramente que reproduzo as notas dando umas gargalhadas:

“As principais lideranças da oposição e do PMDB discutem abertamente dois caminhos possíveis para deflagrar, já em agosto, movimento para forçar a queda de Dilma Rousseff.

De um lado estão os que defendem a cassação da chapa Dilma-Michel Temer no TSE e a convocação de novas eleições em três meses.

Do outro, o grupo que defende uma ‘saída Itamar’, com processo de impeachment contra a presidente. Nesse caso, Temer assumiria um governo de ‘repactuação nacional’.

Entre os que apostam na saída TSE está a ala do PSDB ligada a Aécio Neves (MG), que acredita que o senador venceria nova eleição graças ao recall de 2014.

Aécio e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que assumiria a Presidência por 90 dias caso a Justiça Eleitoral cassasse Dilma, conversaram várias vezes sobre os cenários da crise nas últimas semanas.

A ala dos que avaliam que a melhor saída institucional seria Temer assumir o governo engloba o PMDB do Senado, ministros de tribunais superiores, juristas e tucanos como o senador José Serra.”

Pausa para mais gargalhadas. Respiro. Leio de novo o meu post da noite de sexta-feira.

Serra, do PSDB, prefere Temer, do PMDB. Cunha, do PMDB, pode preferir Aécio, do PSDB.

Não falei que era um país divertido?

“Ministros do TSE dizem que o tribunal é majoritariamente favorável à convocação de novas eleições em caso de cassação da chapa. Eles descartam a possibilidade de Aécio, segundo colocado, assumir sem novo pleito.

O ambiente político está sendo preparado. ‘E, quando se quer fazer algo, qualquer Fiat Elba resolve’, diz um tucano, em referência ao carro que derrubou Fernando Collor.

Parlamentares da base relatam que a derrota na votação do reajuste do Judiciário foi a prova de que Dilma não tem sustentação no Congresso. ‘O governo acabou’, diz um peemedebista.

Mas a diversão está só começando.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

04/07/2015

às 2:12 \ Brasil, Cultura

Vídeo “cristalino”: Eduardo Cunha explica como regimento permitiu aprovação da redução da maioridade penal

Eduardo Cunha está há dias sendo chamado de golpista na internet e nos jornais até por quem nem sabe o que significa a palavra regimento.

O motivo foi ter posto para votação um novo texto (mais brando) sobre a redução da maioridade penal na madrugada seguinte à rejeição de um texto sobre o mesmo tema.

A aprovação em primeiro turno do segundo texto deixou os petistas - e demais esquerdistas defensores de bandidos - enfurecidos com o presidente da Câmara dos Deputados, porque eles julgavam ter derrubado definitivamente a proposta na véspera.

O vídeo abaixo é uma aula “cristalina” sobre as regras da Casa. A que serviu de base para a decisão de Cunha, curiosamente, definida em 2007 por um petista.

A propósito:

Em 1996, o Supremo Tribunal Federal legitimou uma votação em caso similar, relativo a uma proposta que alterava regras da Previdência.

O STF rejeitou pedido do PCdoB e manteve resultado de votação de emenda aglutinativa após rejeição de substitutivo.

“É de ver-se, pois, que tendo a Câmara dos Deputados apenas rejeitado o substitutivo, e não o projeto que veio por mensagem do Poder Executivo, não se cuida de aplicar a norma do art. 60, § 5º, da Constituição”, diz o acórdão, citando o mesmo trecho da Carta Magna que agora é mencionado pelos adversários de Eduardo Cunha, incluindo o militante pró-redução da maioridade penal Joaquim Barbosa.

Aprendeu agora, ex-ministro?

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

04/07/2015

às 0:03 \ Brasil, Cultura

O dinheiro vivo do volume morto: 2,4 milhões de reais

lula-jf-diorio-estadao

Foto: JF Diorio/Estadão

Ricardo Pessoa contou aos investigadores ter se encontrado sete vezes com Lula e ter entregue R$ 2,4 milhões em dinheiro vivo para a campanha do petista em 2006.

Ainda tentou livrar a barra do amigão.

Segundo o Jornal Nacional, o empreteiro disse não saber se Lula tinha conhecimento que o dinheiro era ilegal.

Lula nunca tem conhecimento de nada.

É o “volume morto” que nunca sabe do dinheiro vivo.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

03/07/2015

às 23:35 \ Brasil, Cultura

Cassação de Dilma escancara disputa de Alckmin, Serra, Aécio, Cunha e Temer pela sucessão

aecio-serra-alckminA Folha havia informado nesta sexta-feira:

“No caso extremo de cassação do diploma de Dilma, quando ela e o vice, Michel Temer, seriam afastados dos cargos, seria aberta a polêmica: o segundo colocado na campanha de 2014, Aécio Neves, assume, como já decidiu o TSE em outros processos (Roseana Sarney, por exemplo, ficou em segundo e assumiu o governo do Maranhão em 2009, depois que o tribunal cassou o então governador Jackson Lago)? Ou o TSE convoca novas eleições?

A hipótese de Aécio Neves assumir provocaria turbulência até entre os tucanos, em especial os também presidenciáveis Geraldo Alckmin e José Serra.”

A disputa interna do PSDB é tão grande que só falta Alckmin e Serra implorarem a Eduardo Cunha para acelerar o impeachment por preferirem Temer a Aécio na presidência.

Resta saber se o presidenciável Cunha não prefere o contrário também – especialmente se Temer se recusar a aceitar o pacto de não disputar 2018.

É um país muito divertido.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

03/07/2015

às 22:26 \ Brasil, Cultura

Ex-diretor delata: Governo pressionou Ipea para não divulgar dados negativos durante campanha de Dilma

Avisei antes da eleição:

Governo-Dilma-escondeApós a eleição, escrevi aqui:

“O número de miseráveis, escondido durante a campanha, aumentou para 10,452 milhões de pessoas. O PT gosta tanto dos pobres que deixou 371 mil pobres mais pobres ainda.”

Agora, um personagem pouco conhecido do grande público, mas com potencial para levar ainda mais complicações a Dilma Rousseff, também foi ouvido pelo ministro-relator João Otávio Noronha, do TSE, no âmbito da ação do PSDB que pede a cassação do mandato da petista por abuso de poder político e econômico na campanha eleitoral de 2014.

A IstoÉ informa:

Herton“Em depoimento sigiloso à Justiça Eleitoral, o ex-diretor de estudos e políticas sociais do IPEA Herton Ellery Araújo contou que foi pressionado pelo governo para não divulgar, durante a campanha, dados que pudessem prejudicar a reeleição da petista.

Um desses dados dizia que o número de miseráveis no Brasil havia aumentado entre 2012 e 2013, contrastando com o discurso entoado por Dilma em peças publicitárias na TV e no rádio, e em comícios País afora.

Araújo não suportou a interferência e pediu exoneração do cargo.

‘Nós não pudemos divulgar os dados da extrema pobreza da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios’, confirmou o ex-diretor em entrevista à ISTOÉ.

Para ele, o ‘governo errou a mão, fez besteira’.

‘A pessoa não pode fazer o que quer para ganhar eleição’, disse.

Além de abuso de poder político, ao impedir a divulgação de dados oficiais negativos, Dilma pode responder por falsidade ideológica.

O depoimento de Araújo levou o TSE a convocar Marcelo Neri, da Secretaria de Assuntos Estratégicos, a prestar esclarecimentos. O ex-ministro terá de dizer de quem partiu a ordem no Palácio do Planalto para impedir a divulgação da pesquisa.”

Relembro:

Em novembro de 2014, Marcelo Neri NEGOU interferência para o Ipea segurar dados negativos sobre miséria.

Eu debochei da negativa dele e de outros petistas aqui, escrevendo assim:

“Há mais de dois mil anos, o poeta romano Ovídio ensinava aos homens que traíam suas mulheres: ‘Se seus atos, ainda que bem dissimulados, vierem a ser descobertos, mesmo assim, negue-os até o fim. Não seja nem submisso nem mais carinhoso que de costume; estes são os maiores sinais de um coração culpado.’

Quando vejo petistas negando atos comprometedores deles próprios, do partido ou do governo, sempre me lembro de Ovídio, o poeta fanfarrão. Difícil mesmo é encontrar um coração culpado.”

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

03/07/2015

às 21:55 \ Brasil, Cultura

As provas de Ricardo Pessoa aumentam o desespero de Dilma Rousseff: a cassação vem aí

capa-3x4-2433-2-original

Dilma Rousseff é uma morta-viva no governo.

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral rejeitaram por unanimidade nesta semana o recurso do PT para impedir o depoimento de Ricardo Pessoa no âmbito da ação movida pelo PSDB, que pede a cassação do mandato de Dilma por abuso de poder político e econômico durante a campanha eleitoral de 2014.

O dono da UTC vai depor no dia 14 de julho; e a derrota deixou o PT em alerta, como informou a Folha nesta sexta-feira.

Dos sete ministros do TSE, três tendem hoje a votar contra o governo (Gilmar Mendes, Dias Toffoli e João Otávio de Noronha) e três a favor (Luciana Lóssio, Henrique Neves e Maria Thereza Assis Moura).

O placar pró-Dilma no tribunal estaria por um voto: o do ministro Luiz Fux, que, no mensalão, surpreendeu e condenou todos os réus.

Agora, a VEJA revela as provas que Ricardo Pessoa deu à Justiça.

Diz um trecho da reportagem:

“Um dos alvos é a campanha de Dilma de 2014 e seu tesoureiro, Edinho Silva, o atual ministro da Comunicação Social.

Segundo o delator, ele doou 7,5 milhões de reais à campanha depois de ser convencido por Edinho Silva.

‘O senhor tem obras no governo e na Petrobras, então o senhor tem que contribuir. O senhor quer continuar tendo?’, disse o tesoureiro em uma reunião.

O empreiteiro contou que não interpretou como ameaça, mas como uma ‘persuasão bastante elegante’.

Na dúvida, ‘para evitar entraves’ nos seus negócios com a Petrobras, decidiu colaborar para que o “sistema vigente” continuasse funcionando – um achaque educado.

Mas há outro complicador para Edinho: quem apareceu em nome dele para fechar os detalhes da ‘doação’, segundo Pessoa, foi Manoel de Araujo Sobrinho, o atual chefe de gabinete do ministro.

Em plena atividade eleitoral, Manoel se apresentava aos empresários como funcionário da Presidência da República.

Era outro recado elegante para que o alvo da ‘persuasão’ soubesse com quem realmente estava falando.”

Este é o documento em que Ricardo Pessoa registrou a ‘doação legal’ à campanha de Dilma e os nomes do tesoureiro Edinho Silva e seu braço-direito Manoel de Araujo:

alx_arquivo-do-delator_original

O Jornal Nacional também mostrou detalhes da delação premiada de Ricardo Pessoa.

Muito procurado, o empreiteiro doava dinheiro às campanhas de políticos ou pagava por serviços, mesmo quando eles não tinham influência direta na Petrobras.

A intenção era “fazer com que a engrenagem andasse perfeitamente, tirando, portanto, todas as pedras que pudessem aparecer no caminho; abertura de portas no Congresso, na Câmara e em todos os órgãos públicos”.

Uma tabela mostra, com nomes e valores, 14 partidos que receberam dinheiro de Pessoa – e não separa o que é caixa dois de doação oficial.

Para piorar a situação de Dilma, o doleiro Alberto Youssef revelou ao TSE que o PT quis trazer R$ 20 milhões para a sua eleição, como mostrei aqui.

No próximo post, vou falar do depoimento sigiloso de um personagem pouco conhecido que pode levar ainda mais complicações à morta-viva do governo.

O tempo das mandiocadas está se esgotando.

Tic-tac, tic-tac, tic-tac…

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

03/07/2015

às 18:48 \ Brasil, Cultura

Agradeça, PT: Homem-aranha Sergio Moro prende os ricos

Moro spiderO juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato, afirmou durante o 10° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, em São Paulo:

“Nosso sistema, além de moroso, é mais ineficiente contra crimes de colarinho branco.”

O crime de colarinho branco, para quem não sabe, foi definido inicialmente pelo criminalista norte-americano Edwin Sutherland como sendo “um crime cometido por uma pessoa respeitável, e de alta posição (status) social de Estado, no exercício de suas ocupações”.

Sobro o foro privilegiado para cargos públicos, Moro afirmou que vê “esse instrumento não muito com viés positivo. Porque é contrário ao princípio da igualdade”.

“Como eu gostava muito de revista em quadrinhos, lembro daquelas frases do Homem-Aranha onde dizia ‘quanto maior o poder, maior a responsabilidade’”, disse o juiz.

Dias atrás, o jurista Fabio Medina Osório defendeu as prisões preventivas decretadas por Moro e respondeu ao colunista Merval Pereira, de O Globo, o que é realmente novo aqui no Brasil:

“Prisões democráticas, onde cabem ricos e pobres, convenhamos”.

Apesar das dificuldades do sistema, convenhamos que Moro tem sido eficiente em democratizar as prisões.

O PT deveria agradecer ao nosso homem-aranha por ajudá-lo a realizar o que sempre pediu.

Como tuitei na terça-feira:

Captura de Tela 2015-07-03 às 18.14.51Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

03/07/2015

às 15:08 \ Brasil, Cultura

O melhor xingamento é a ironia

Eu concordo com as vaias. Eu adoro as ironias.

Sou da escola de Lima Barreto, que recomendava “troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo”.

Como escrevi em 26 de fevereiro:

Captura de Tela 2015-07-03 às 14.59.38

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados