Blogs e Colunistas

31/07/2015

às 21:26 \ Brasil, Cultura

‘Atentados’ contra o PT são pretextos para demonizar a direita. Veja cada caso

1) Tarso Genro (PT-RS) não ficou “paralizado”, com “z”, diante do “atentado” que o Instituto Lula classificou como “ataque político”.

O petista seguiu o manual do partido, acusando os fascistas de direita, supostamente estimulados pela mídia:

Captura de Tela 2015-07-31 às 19.43.33

Uma bomba caseira teria sido atirada de dentro de um carro, mas nenhum ocupante foi identificado.

Este foi o resultado do “atentado”:

Lula atentado

2) No início de julho, a apresentadora Maju, do Jornal Nacional, sofreu múltiplos ataques racistas, de uma só vez, na internet, mas apenas um suspeito - menor de idade, claro – foi detido e liberado.

Mostrei no Twitter a reação da militância petista:

MAJU

3) Em junho, a pichação “Jô Soares, morra” apareceu em frente ao prédio do apresentador, dias após sua entrevista com Dilma Rousseff.

A militância petista fez a sua parte de sempre:

Jô pichação

Captura de Tela 2015-07-31 às 20.14.56

Captura de Tela 2015-07-31 às 20.15.25

O autor da pichação não foi encontrado.

4) Em março, o diretório nacional do PT também teria sido alvo de bomba caseira.

O presidente municipal da legenda em São Paulo, Paulo Fiorilo, considerou o incidente parte de uma “onda de intolerância e ódio contra o PT”.

Este foi o resultado do “ataque”:

sede-do-pt-e-atacada-890x395

Ninguém foi preso.

5) Em 2013, como ironizei na ocasião, citando matéria de um blog sujo do PT, “vinte pessoas de preto SEM NOME – mas de extrema direita! – agrediram não se sabe quantos participantes SEM NOME do Foro de São Paulo em um restaurante SEM NOME localizado a uma distância não esclarecida do hotel do evento do Foro, ferindo um deles na boca, quebrando uma vidraça – que, como se vê pela foto desprovida de qualquer elemento de identificação, poderia ser até da minha casa -, e, segundo testemunhas SEM NOME, bradaram contra o Foro e os movimentos de esquerda da América Latina”.

Para o petista Walter Pomar, secretário da entidade, foi “a confirmação da campanha que vimos nos últimos dias por atos agressivos contra o Foro de São Paulo”.

Esta foi a vidraça quebrada:

Foro 2013

Ninguém foi preso.

Há outros casos semelhantes, mas a preguiça me impede de prosseguir com os exemplos.

Se os ‘atentados’ contra o PT são todos pretextos para demonizar uma direita imaginária, não há motivo algum para a direita real não suspeitar de que, na hora do desespero, os petistas se vitimizam atacando a si próprios.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

31/07/2015

às 19:58 \ Brasil, Cultura

Tarso Genro deixa o Brasil “paralizado”. Com “z”

Captura de Tela 2015-07-31 às 19.39.17Em matéria de linguagem, o PT é mesmo revolucionário.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

31/07/2015

às 18:48 \ América Latina, Brasil, Cultura, Mundo

‘Brasil exporta corrupção ao maior porto de Raúl Castro’, diz jornal mexicano

Traduzo abaixo a reportagem do jornal mexicano La Razón sobre a corrupção no Porto de Mariel, em Cuba, uma obra no valor de US$ 957 milhões, sendo US$ 682 milhões em empréstimos do BNDES.

Brasil Cuba jornal

Em janeiro de 2014, os presidentes do Brasil e de Cuba, Dilma Rousseff e Raúl Castro, inauguraram a Zona Econômica Especial no porto de Mariel, a 45 quilômetros de Havana, como uma estratégia comercial conjunta.

Hoje, o projeto portuário de Castro está marcado por práticas ilegais e de má gestão dos recursos… da mesma forma que a paraestatal sul-americana, a Petrobras, é marcada por uma teia de corrupção que inclui os altos escalões do Partido dos Trabalhadores dominantes e o ex-presidente Lula da Silva.

Captura de Tela 2015-07-31 às 18.24.10

Duas nações vinculadas pela ilegalidade

“Os trabalhadores e os gestores têm de identificar e eliminar deficiências e comportamentos negativos, como a indisciplina, o desvio de recursos, o roubo, o controle insuficiente, a apatia, entre outros males que mancham a ética e a moral dos trabalhadores do setor diante dos investidores e clientes nacionais e estrangeiros, causando danos econômicos ao país e à própria comunidade de trabalho”, destaca o documento introdutório publicado pelo semanário da ilha ‘El Artemiseño’.

No artigo intitulado “Disciplina para realizar uma obra decisiva”, ele explicou que os grupos de gestão e de trabalho da Empresa de Construção e Montagem Mariel discutem as diretrizes para o uso do tempo de trabalho, desempenho e produtividade.

As análises devem contribuir para o cumprimento dos cronogramas de execução com a qualidade exigida por esta importante obra, diz o relatório.

De acordo com a página Zedmartiel.com, criada para promover o progresso e a natureza do trabalho, a Zona Especial de Desenvolvimento Mariel é um projeto que visa promover o desenvolvimento econômico sustentável da nação, através da atração de investimentos estrangeiros, a inovação tecnológica e a concentração industrial, garantindo simultaneamente a proteção do ambiente.

“Um pedaço de concreto se quebrou [em] uma ocasisão, procuraram um pequeno equipamento para arrastar terra e derramaram todo o cimento no mar antes da chegada de investidores estrangeiros”, realtou o jornalista independente Moisés Leonardo Rodríguez, um residente da área, no programa ‘Cuba al Día’ da Rádio Marti.

De acordo com o site Marti Noticias, a menção de práticas de corrupção no Mariel na imprensa local simultaneamente a uma auditoria surpresa feito pelo Ministério Público, disse Rodriguez, acrescentando que eles prenderam vários líderes municipais e substituíram o Secretário do Partido e funcionários do Poder Popular pela corrupção que impera.

“Se você termina um trabalho e sobra metade do concreto e, em um país com o déficit de habitação que existe, com estradas em péssimas condições, eles são incapazes de ter previsto o aproveitamento de todo esse concreto e o despejam nas laterais da estrada”, acrescentou o jornalista.

De acordo com informações do governo cubano, o cais do Terminal tem um comprimento de 702 metros, equipados com quatro guindastes de “super pós-panamax”. Além disso, o seu pátio foi construído para acomodar operações de 822.000 contêineres por ano.

Para a segunda etapa, está previsto que o Brasil também contribua com um financiamento de US$ 290 milhões. Além disso, o terminal de contêineres é gerido pela empresa PSA Cingapura.

Atualmente, o governo cubano está analisando 23 projetos na Europa, na Ásia e na América para o investimento estrangeiro em vários setores econômicos para sua aprovação e estabelecimento na ZED de Mariel.

Entre os objetivos do projeto estão atrair o investimento estrangeiro, alcançar o desenvolvimento industrial para gerar exportações e promover a substituição de importações e incentivar a transferência de tecnologia avançada, além de desenvolver infraestrutura para fornecer uma plataforma de negócios eficaz.

Jornal mexicano

A versão impressa

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

31/07/2015

às 17:37 \ Brasil, Cultura

Ô FHC! Dizer que Dilma é ‘honrada’ e Lula não pode ser preso também é conchavo!

lula-dilma-fhc-620FHC voltou a defender Dilma Rousseff, em entrevista à revista alemã de economia Capital.

O tucano disse que ela não está envolvida no escândalo de corrupção na Petrobras.

“Não, não diretamente. Mas o partido dela, sim, claro. O tesoureiro está na cadeia. Eu a considero uma pessoa honrada, e eu não tenho nenhuma consideração por ódio na política, também não pelo ódio dentro do meu partido, que se volta agora contra o PT.”

FHC tem uma necessidade incurável de prestar contas à propaganda petista, que o ataca sistematicamente com a anuência da ‘honrada’ Dilma Rousseff, cuja campanha – tudo indica, inclusive as anotações de Marcelo Odebrecht – recebeu dinheiro sujo proveniente de empreiteiras.

Mas o tucano prefere responsabilizar Lula:

“Os escândalos começaram no governo dele. Tudo começou bem antes, em 2004, com o Lula, com o escândalo do mensalão.”

Sim. E quem era a presidente do Conselho de Administração da Petrobras? Dilma Rousseff, em cujo governo a roubalheira ainda continuou alegremente sem que ela fizesse nada de honroso para estancá-la.

Que importa?

FHC afirmou que era impossível que Lula não soubesse do mensalão, mas “para colocá-lo atrás das grades, é necessário haver algo muito concreto. Talvez ele tenha que depor como testemunha. Isso já seria suficientemente desmoralizante”.

Suficientemente desmoralizante é a bunda-molice tucana de FHC, que defende Lula das eventuais consequências das investigações até quando o critica.

Para o ‘opositor’ que o PT pediu a Deus, quer dizer, ao capeta, a prisão do Brahma dividiria o Brasil: “Lula é um líder popular. Não se deve quebrar esse símbolo, mesmo que isso fosse vantajoso para o meu próprio partido. É necessário sempre ter em mente o futuro do país.”

O que é necessário ter em mente são as leis do país, que têm de ser cumpridas tanto por Dilma quanto por Lula, independentemente de questões simbólicas da mitologia esquerdista que FHC legitima daí para pior:

“Ele certamente tem muitos méritos e uma história pessoal emocionante. Um trabalhador humilde que conseguiu ser presidente da sétima maior economia do mundo”

…que já está caindo de posição graças à história “emocionante” que ele espalhou com a sua ajuda.

Dias atrás, FHC havia escrito:

“O momento não é para a busca de aproximações com o governo, mas sim com o povo. Qualquer conversa não pública com o governo pareceria conchavo na tentativa de salvar o que não deve ser salvo”.

Dizer que Dilma é ‘honrada’ e Lula não pode ser preso, no entanto, também é conchavo na tentativa de salvar o que não deve ser salvo.

Com esse discurso, FHC vergonhosamente os aproxima do povo, iludido, enganado e falido por eles.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

31/07/2015

às 14:39 \ Brasil, Cultura

O marketing do PT vai de vento em… bomba

A armadilha funcionou: Dilma Rousseff emplacou ontem duas fotos com os governadores para aparentar normalidade contra o impeachment, além de um post mentiroso no blog da Presidência segundo o qual eles “fizeram uma defesa clara da democracia, do Estado de Direito e da manutenção do mandato legítimo da presidenta Dilma”, o que até seu aliado tucano Geraldo Alckmin negou, dizendo que “Isso não foi tema da reunião nem está em discussão”.

Mas Dilma não pensa em outra coisa.

1) Para engrossar o lobby no Tribunal de Contas da União contra a rejeição das contas do governo em 2014, ela convocou os ex-ministros do TCU Ubiratan Aguiar, que esteve no plenário na quarta confabulando com ministros, e Valmir Campelo, hoje vice-presidente do Banco do Brasil. Além disso, as denúncias contra o “indeciso” Aroldo Cedraz aumentam a cada dia e, depois dos casos envolvendo seu filho, agora seu cunhado é acusado de ter desviado dinheiro de uma ONG da região do Sisal, na Bahia, segundo a Folha. O jogo é pesado no TCU.

2) No Tribunal Superior Eeleitoral, que investiga o abuso de poder político e econômico na campanha de Dilma, o governo conta com a possibilidade de uma troca na relatoria da ação antes do julgamento. O mandato do atual corregedor-geral da Justiça Eleitoral, João Otávio de Noronha, se encerra no fim de setembro e a próxima a ocupar o cargo é a ministra Maria Thereza de Assis Moura, que já pediu arquivamento de outra ação de investigação eleitoral que corre na corte contra Dilma. Maria Thereza é uma dos três ministros que tendem a favor do governo, sendo os outros com Henrique Neves e a ex-advogada de campanha de Dilma, claro, Luciana Lóssio, como mostrei aqui.

3) Para garantir o apoio da base aliada, Dilma já liberou 1 bilhão de reais de restos a pagar das emendas de 2014 e, como informou a coluna Radar, os gabinetes dos deputados estão recebendo telefonemas do Ministério das Cidades com o aviso. Eu havia perguntado aqui quantos apoios Dilma comprará até setembro para não cair e talvez já tenhamos a resposta no fim de agosto, embora sem saber exatamente o que cada um levou.

Mais Marketing
Hoje, Dilma inaugurou uma obra do Minha Casa Minha Vida e o Instituto Lula acusou seus adversários políticos de terem lançado uma bomba institucional, digo, “caseira”, em sua sede, embora as ‘investigações’ não tenham concluído se a nota foi escrita antes ou depois do ‘atentado’, nem se os acusados são os mesmos que quebraram a vidraça do Foro de São Paulo em 2013, ‘bombardearam’ a sede do PT durante a campanha de 2014, picharam a rua do Jô Soares após a entrevista com a mulher sapiens, fizeram ataques racistas contra a apresentadora Maju e “quase agrediram” o petista-propaganda do Banco do Brasil, Gregório Duvivier.

Em todo caso, duas teses genéricas podem ser ditas:

Para o PT, a melhor defesa é atacar-se.

Para blindar Dilma e Lula, o marketing do PT vai de vento em bomba.

Dilma governadores 2

Tudo normal, prezados cúmplices

Dilma governadores

Grata pela ajuda

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

31/07/2015

às 11:59 \ Brasil, Cultura

“Nós hypamos o Olavo” – 120 mil exemplares vendidos

CAO Globo de hoje traz um perfil do craque Carlos Andreazza, nosso editor da Record, que comenta o sucesso, entre outros, do best seller de Olavo de Carvalho, organizado por mim, O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota.

Nas contas da editora, diz o jornal, a obra vendeu mais de 120 mil exemplares.

— O caso do Olavo é muito simbólico. O que fizemos foi dar um tratamento pop ao autor. Nós hypamos o Olavo, desde a escolha do título até a capa — diz Andreazza, chamando o projeto editorial de “primoroso”. — Havia uma demanda reprimida por esses autores, que nós identificamos.

Mais adiante, O Globo informa:

“A relação com a internet é antiga. Ao lado de Felipe Moura Brasil, mantinha o site ‘Tribuneiros’. Os dois dividiam o meio-campo do time do Jockey na adolescência. A parceria saiu dos campos, passou pelo ‘Tribuneiros’ e chegou à Record. Brasil, hoje blogueiro da revista ‘Veja’, organizou os textos de Carvalho e deve publicar dois livros pela editora em 2016.”

Amém.

Veja a reportagem completa: “Editor de nomes conservadores, Carlos Andreazza se firma como voz dissonante do mercado de livros“.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

31/07/2015

às 10:56 \ Aborto, Brasil, Cultura

Quarto vídeo derruba hipocrisia da indústria do aborto: “É um bebê. Outro menino!”

Enquanto o mundo está mais preocupado com o assassinato de um leão, o Centro para o Progresso Médico divulgou o quarto vídeo da série que flagra diretores da Planned Parenthood, a maior multinacional do aborto, negociando a venda das partes de fetos abortados, como já comentei aqui, aqui e aqui.

Savita Ginde, vice-presidente da rica filial da PP das Montanhas Rochosas, que apareceu rapidamente no terceiro vídeo, repete a explicação da diretora Deborah Nucatola — do primeiro — de como a PP treina técnicos para ajustar os processos de modo a aumentar ao máximo a extração de órgãos e tecidos — uma violação da lei federal americana.

Ginde concorda várias vezes com a cobrança ilícita por cada órgão específico, sugere meios de evitar as consequências legais e menciona o uso de eufemismos para disfarçar a venda.

“Classificar como ‘pesquisa’ nos dá certa vantagem sobre a coisa toda. Se houver alguém fazendo isso em um estado que seja realmente contra, é provável que seja apanhado.”

BabyGinde ainda admite que alguma coleta de órgãos é feita em bebês paridos intactos e potencialmente vivos, o que viola o Ato de Proteção a Recém-Nascidos Vivos, que vigora desde 2002, contra a vontade de um certo senador Barack Obama, como comentei no nosso programa de rádio ‘Contexto’.

Quando os atores – fingindo ser representantes de uma empresa de biologia humana – solicitam espécimes fetais intactos, Ginde revela que, na prática abortiva da PPRM (na sigla em inglês da filial), “às vezes, se alguém dá a luz antes de chegarmos a realizar o procedimento, então estamos intactos”.

“Nós temos de realizar um certo treinamento com os fornecedores ou alguma coisa assim para garantir que eles não destruam” órgãos fetais durante abortos de segundo trimestre, diz Ginde, imaginando meios de garantir que os aborteiros da PPRM forneçam órgãos fetais utilizáveis.

Ginde se refere a Nucatola mais de uma vez neste vídeo, declarando que coordena a troca de mensagens com a sede nacional a respeito da compensação pela coleta de órgãos.

A cena da dissecação é, no mínimo, repugnante. Um técnico da mesma organização que afirma insistentemente que só remove “aglomerados de células” move o cérebro de um feto de primeiro trimestre na bandeja, enquanto aponta os rins, a glândula suprarrenal, o estômago, o coração e os globos oculares do dito-cujo.

BoySavita Ginde define o “aglomerado”: “É um bebê.” Um assistente completa: “Outro menino!”

Como escreveu Ed Morrissey na The Week, a hipocrisia foi agora totalmente revelada:

“As duas posturas, o ‘aglomerado de células’ e a negociação de órgãos humanos obtidos com abortos, são mutualmente excludentes. Órgãos humanos vêm de seres humanos e a única maneira de coletá-los de seres humanos não nascidos é matá-los primeiro. Os vídeos destroem todas as generalidades antissépticas usadas na defesa do aborto, para expor sua verdadeira natureza — e foi por isso que deixaram a Planned Parenthood em pânico.”

Em carta, a multinacional pressionou os meios de comunicação a não publicar os vídeos e a Justiça de Los Angeles proibiu o Centro para o Progresso Médico de divulgar qualquer um em que apareçam funcionários da StemExpress, companhia de tecido fetal e biotecnologia que atua como intermediária e adquire as partes do corpo de bebês abortados da Planned Parenthood para vender a locais de “pesquisa”.

O doutor Ben Carson também comentou: “Se não é um ser humano, então por que estão colhendo órgãos dele?” Carson encorajou os cidadãos a assinar a petição pelo fim do financiamento à PP, que recebeu 4,3 bilhões de dólares dos pagadores de impostos americanos na última década.

Os jornais brasileiros ignoraram completamente a divulgação do quarto vídeo, assim como quase que inteiramente a dos outros, no enésimo exemplo do bloqueio contra os fatos que atrapalham a narrativa esquerdista.

Tudo seria diferente se o tráfico fosse de leões.

Captura de Tela 2015-07-29 às 23.37.54

(Montagem: EIB Network)

(* Claudia Costa Chaves colaborou nas traduções.)

* Veja também aqui no blog:
- Comunista abortista Jandira Feghali é desmascarada ao fingir proteger os fetos contra redução da maioridade penal
- Vídeo: A defesa da Odebrecht é tão patética quanto a da Planned Parenthood – Veja Bem com Felipe Moura Brasil
- Assista, Jandira! Terceiro vídeo mostra vice-presidente da Planned Parenthood discutindo preços de bebês abortados: “Quanto podemos lucrar com isso”?

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

30/07/2015

às 23:37 \ Brasil, Cultura

Ouça o nosso programa de rádio. Convidado: Kim Kataguiri

Para fazer uns testes em clima de ‘zuera’, Alexandre Borges, Bruno Garschagen e eu - três autores da editora Record – gravamos de improviso dez dias atrás o piloto do nosso programa de rádio virtual, que terá início à vera nas próximas semanas, sem periodicidade definida, sob o nome provisório de ‘Contexto’.

Demoramos, mas não resistimos a colocar no ar trechos da gravação original, com a produção musical e de áudio do nosso craque Filipe Trielli, além de uma entrevista exclusiva com o nosso primeiro convidado, Kim Kataguiri, líder do Movimento Brasil Livre.

É só o ensaio – o teaser – da alegria que virá. Ouça bem.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

30/07/2015

às 22:33 \ Brasil, Cultura

Catta Preta no Jornal Nacional serve para demonização de Eduardo Cunha. Mas isso interessa ao PT?

alx_catta-preta-jn_originalO jogo é pesado de todos os lados.

Beatriz Catta Preta, ex-advogada de delatores da Operação Lava Jato, disse no Jornal Nacional que se sentiu ameaçada por integrantes da CPI da Petrobras. Ela não citou nomes, mas afirmou que a intimidação vem dos que votaram a favor de sua convocação (para descobrir quanto ganhou dos clientes e de onde veio o dinheiro).

Reproduzo a entrevista e comento em seguida.

Jornal Nacional: Muito que se fala que a senhora deixou os clientes e fugiu do Brasil. Tirou os filhos da escola, saiu de São Paulo, e se mudou pra Miami. A senhora está morando em Miami?
Beatriz Catta Preta: De forma alguma, eu saí de férias. Aliás, eu costumo sair de férias e viajar pra lá, sempre que os meus filhos estão em período de férias escolares. Nunca cogitei sair do país, ou fugir do país como está sendo dito na imprensa. / Depois de tudo que está acontecendo, e por zelar pela segurança da minha família, dos meus filhos, eu decidi encerrar a minha carreira na advocacia. Eu fechei o escritório.
Jornal Nacional: É medo?
Beatriz Catta Preta: Sim.
Jornal Nacional: A senhora recebeu ameaças de morte pra tomar essa decisão?
Beatriz Catta Preta: Não recebi ameaças de morte, não recebi ameaças diretas, mas elas vêm de forma velada. Elas vêm cifradas.
Jornal Nacional: Foi a partir dessa nova revelação do Julio Camargo [sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ter pedido 5 milhões] que a senhora sentiu que o foco de retaliação se voltou pra senhora?
Beatriz Catta Preta: Sim. Vamos dizer que, aumentou essa pressão, aumentou essa tentativa de intimidação a mim e a minha família.
Jornal Nacional: O Julio Camargo, nos seus primeiros depoimentos, não falava de Eduardo Cunha, que tinha pago propina pro presidente da Câmara, que tinha dado 5 milhões, não dava revelações claras e informações tão precisas como ele deu agora recentemente. Por que que isso não foi feito antes?
Beatriz Catta Preta: Receio. Ele tinha medo de chegar ao presidente da Câmara.
Jornal Nacional: E por que ele muda de ideia? O que o faz mudar de ideia?
Beatriz Catta Preta: A colaboração dele, a fidelidade, a fidedignidade da colaboração, o fato de que um colaborador não pode omitir fatos, não pode mentir, o levaram então a assumir o risco. Aquele risco que ele temia, e levar todos os fatos então à Procuradoria-Geral da República. / Todos os depoimentos prestados sempre vieram respaldados. Com informações, dados, documentos, provas definitivas. Nunca houve só o dizer por dizer.
Jornal Nacional: A senhora se sente realmente perseguida?
Beatriz Catta Preta: Sem dúvida nenhuma.
Jornal Nacional: E a senhora se sente intimidada?
Beatriz Catta Preta: Sim, com certeza.
Jornal Nacional: A senhora consegue identificar de onde vem essa intimidação que a senhora enxerga tão claramente hoje?
Beatriz Catta Preta: Vem dos integrantes da CPI, daqueles que votaram a favor da minha convocação.
Jornal Nacional: Inclusive do presidente da Câmara, Eduardo Cunha?
Beatriz Catta Preta: Não posso afirmar, eu não vi nenhum depoimento dele a respeito desse assunto.
Jornal Nacional: Deputados comentam e até alguns advogados ligados à Lava Jato falam em off, nos bastidores, que a senhora já ganhou mais de R$ 20 milhões com as delações da Lava Jato. Essa cifra procede?
Beatriz Catta Preta: Esse número é absurdo. Não chega perto da metade disso.

[* Essa resposta ficou até engraçada: 6, 7 ou 8 milhões não chegam nem perto da metade de 20 milhões e ainda são muita coisa, não é mesmo?]

Jornal Nacional: Esse dinheiro que a senhora recebeu dos clientes da Lava Jato foram todos pagos por dentro? A senhora recebeu algum dinheiro fora do Brasil? A senhora sabe da origem desse dinheiro?
Beatriz Catta Preta: O dinheiro foi todo recebido via transferência bancária, aqui no Brasil, ou depósitos em cheque, na conta do escritório, tudo mediante nota fiscal, impostos recolhidos. A vida financeira do escritório, a minha vida financeira é absolutamente correta. Nunca recebi um centavo fora do Brasil.

Comento em tuitadas:

- Petistas da imprensa e da internet estão contentes com levantamento de suspeitas contra Cunha em horário nobre da TV. É bom que seja assim.

- Ainda que seja denunciado, Cunha não vai sair do cargo. PT só tem a perder com sua demonização. Quanto mais bater, mais vai levar na Câmara.

- Espero que Cunha julgue entrevista de Catta Preta no JN conspiração do PT contra ele e abra logo processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share

30/07/2015

às 15:00 \ Brasil

País sério é assim: Criminoso de 15 anos será acusado como adulto nos EUA após abusar e matar menina de 8

MeninaEnquanto no Brasil assassinos estupradores como os do caso no Piauí pegam no máximo três anos de internação com reavaliação semestral que pode libertá-los muito antes, e ainda matam a pancadas o delator do grupo na susposta “cela”, a promotoria de Santa Cruz, no litoral da Califórnia, no oeste dos Estados Unidos, informa que um criminoso de 15 anos será acusado como adulto por abusar sexualmente e matar uma menina de 8 anos em um condomínio da cidade no último domingo.

De acordo com a investigação, a garota Madyson Middletonm, que andava de patinete em área do conjunto de apartamentos onde morava, conhecia o acusado, Adrián Jerry González (sim: podemos dizer seu nome), que a enganou para levá-la ao local onde vivia com os pais e cometer os crimes.

Ela foi amarrada, agredida, estrangulada e abusada sexualmente antes de ser morta pelo monstro, que depois jogou o corpo em um container de reciclagem de lixo que ficava em uma garagem.

Por ser menor de idade, ele só não pode receber a pena de morte, mas até prisão perpétua, sim.

País sério é outra coisa.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Share
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados