‘Até o Último Homem’: a verdade é mais inacreditável que o filme

Roteirista precisou cortar partes que aconteceram na vida real por serem exageradas para a ficção

(Atenção: este texto contém spoilers)

Até o Último Homem é uma das grandes surpresas da temporada do Oscar, para o qual conquistou seis indicações – filme, direção, edição, mixagem de som, edição de som e ator, com Andrew Garfield. E também a prova de que Mel Gibson foi reabilitado por Hollywood depois de anos no ostracismo pelos comentários preconceituosos contra judeus e homossexuais que eclodiram em meio à litigiosa separação da pianista russa Oksana Grigorieva, por quem foi acusado de violência doméstica, outro rasgo em sua reputação.

O filme é baseado na história real de Desmond Doss (interpretado por Garfield), o primeiro soldado a alegar imperativo de consciência ao ser condecorado com a Medalha de Honra do governo americano. Doss se recusava a pegar em armas e a matar, por motivos pessoais e religiosos, mas mesmo assim se alistou no Exército durante a Segunda Guerra Mundial porque acreditava ser a coisa certa a fazer. Depois de uma batalha sangrenta em Okinawa, salvou sozinho algo entre 50 e 100 soldados feridos, deixados para trás no alto de um penhasco quando a companhia bateu em retirada.

Veja também

“Independentemente de suas crenças religiosas, a história de Desmond, um homem que não compromete seus princípios, é poderosa”, diz em entrevista ao blog É Tudo História Robert Schenkkan, que se baseou em um documentário e nas transcrições de entrevistas feitas para aquele filme para escrever o roteiro. “Será que seríamos tão firmes? Também acho que há um certo tipo de masculinidade sendo celebrado hoje em dia que se baseia na dominação, no narcisismo e na crueldade indiferente. Desmond é modelo de outro tipo de masculinidade: de autossacrifício, modéstia e generosidade.”

A modéstia explica por que a história demorou tanto tempo para ser contada, já que Desmond Doss resistiu até quase o fim de sua vida a vender os direitos para Hollywood – ele morreu em 2006, aos 87 anos. Schenkkan precisou condensar alguns fatos para caber no filme e ficcionalizou certos aspectos para obter efeito dramático, mas chegou a deixar de fora certas coisas por acreditar que eram inverossímeis.

Leia abaixo o que é real e o que foi criado:

 

Infância de Desmond Doss

ate-o-ultimo-homem-01

Criança ainda, na cidade natal de Lynchburg, no Estado da Virginia, Desmond briga com o irmão Harold e joga uma pedra na cabeça dele, deixando-o desacordado. Percebendo que podia tê-lo matado, entrega-se às orações – a família é adventista do sétimo dia. E inspira-se num quadro com os Dez Mandamentos. “Sim, havia uma gravura dos Dez Mandamentos na sala de sua casa, e ele ficou muito comovido com as figuras de Caim e Abel”, diz Schenkkan. Assim surgiu a sua convicção de que matar uma pessoa era errado.

 

Pai alcoólatra e violento

ate-o-ultimo-homem-02

No filme, o pai de Desmond sofre com os efeitos da depressão depois de ter lutado na Primeira Guerra Mundial, em que perdeu muitos de seus amigos de infância. Por isso, não quer que seus filhos se alistem. Na verdade, o carpinteiro William Thomas Doss nunca chegou a ir para o campo de batalha, portanto não sofria de estresse pós-trauma. “Mas ele realmente tinha problemas com álcool”, diz Schenkkan.

 

A razão para não pegar em armas

ate-o-ultimo-homem-03

Em Até o Último Homem, Desmond segue seus princípios religiosos, mas também pessoais para se recusar a pegar em armas e a matar. Num flashback, ele vê o pai batendo na mãe, com uma arma na mão. Desmond interfere, toma o revólver e aponta para o pai. Na realidade, o pai de Desmond puxou o revólver em uma briga com o cunhado. Sua mulher, mãe de Desmond, o convenceu a entregar a arma, que ela pediu para o filho jogar no rio, o que ele fez. “Fiz a mudança porque queria torná-lo mais humano. Ele não era um santo. Podia ficar bravo como qualquer pessoa. Era capaz de pensar em atos violentos. Por isso, sua decisão de imperativo de consciência é ainda mais impressionante”, afirma o roteirista.

 

Namoro e casamento com Dorothy

ate-o-ultimo-homem-04

No filme, Desmond conhece Dorothy (Teresa Palmer), uma enfermeira, quando doa sangue no hospital depois de ajudar um acidentado. “Eles se conheceram no hospital mesmo”, diz o roteirista. Mas não foi exatamente depois de ele ajudar um acidentado. Os dois começam a namorar e continuam mesmo depois de Desmond decidir se alistar. Planejam se casar antes de ele ser mandado para a guerra, em um dia de folga do treinamento. Mas o pedido de folga é negado e o casamento, adiado por algumas semanas. O casamento aconteceu em 17 de agosto de 1942.

 

As dificuldades no treinamento

ate-o-ultimo-homem-05

Esta foi uma das partes encurtadas no filme. “O treinamento de Desmond na verdade foi mais extenso, e sua companhia viajou para múltiplos locais nos Estados Unidos. Aí, quando foram mandados para o exterior, primeiro estiveram em Guam antes de chegar a Okinawa”, diz Schenkkan. Ele realmente era ridicularizado por se recusar a pegar em armas. “Exageramos as surras que ele levou”, conta o roteirista. “Mas os outros soldados jogavam seus sapatos nele enquanto rezava.” No filme, seu principal algoz, Smitty (Luke Bracey), é ficcional. Um dos comandantes tenta dispensá-lo por razões psiquiátricas, o que aconteceu de verdade.

Julgamento – Ele chegou a enfrentar a corte marcial por causa de suas convicções, como no longa. “Dramatizamos um pouco a participação de seu pai no julgamento”, confessa o roteirista. Em Até o Último Homem, seu pai pede ajuda a um antigo companheiro da Primeira Guerra Mundial, hoje em posição de comando, para livrar o filho da prisão, e, como costuma ser no cinema, a carta chega no último minuto. Já que na verdade ele nunca foi a guerra nenhuma, há diferenças aqui. “O pai de Desmond tinha um conhecido no Departamento de Guerra, e esse contato escreveu a carta que levou o comandante a recuar. E a carta não chegou tão dramaticamente como no longa.”

 

A Batalha de Okinawa

ate-o-ultimo-homem-06

Desmond e sua companhia passaram por outras batalhas antes de chegar a Okinawa, a única mostrada no filme. A Batalha de Okinawa foi a mais sangrenta do conflito no Pacífico, matando mais de 80.000 soldados. O batalhão de Desmond precisava escalar um paredão de pedra, com a ajuda de escadas de corda, como é mostrado no longa. Desarmado, ele corria para ajudar os feridos, sem nenhuma identificação, porque os médicos eram alvo dos japoneses. Incansável, ele vai conquistando o respeito de seus companheiros, inclusive do principal bully no treinamento, Smitty (Luke Bracey), um personagem fictício. Quando o soldado Ralph Morgan (vivido pelo veterano de guerra Damien Thomlinson) perde as duas pernas em uma explosão, outro paramédico diz para Desmond deixá-lo para trás – é preciso priorizar os pacientes com chances de sobreviver. Mas Desmond insiste em ajudá-lo. “É verdade, e aquele soldado sobreviveu”, disse Schenkkan.

 

O salvamento

ate-o-ultimo-homem-07

Cercados pelos japoneses, os americanos precisam bater em retirada. Desmond Doss fica para trás, resgatando feridos, por um período entre 10 e 12 horas. “Deus, me ajude a ajudar só mais um”, ele repete, como relatou mais tarde. Sob a mira de atiradores do exército inimigo, ele arrasta cada ferido para a beira do penhasco e depois os baixa um a um, com auxílio de uma corda, como aconteceu de verdade. A única diferença em relação à realidade é que, depois de algumas horas, seus companheiros lá embaixo enviaram reforços. No longa-metragem, ele se perde nas cavernas que o exército japonês usava para esconder seus homens e chega a ajudar um soldado inimigo. “Ele nunca mencionou ter entrado no sistema de cavernas, mas em mais de uma ocasião cuidou de soldados japoneses feridos”, diz Schenkkan. Os relatos de quantos homens ele salvou variam. Desmond achava que foram 50 e  seus companheiros, mais de 100. Então, eles concordaram com o número de 75.

 

O resgate

ate-o-ultimo-homem-08

Desmond desce da montanha e é levado de volta à base. Mas logo eles estavam de novo em combate. O respeito de seus colegas e comandantes agora é total, tanto que eles esperam Desmond fazer sua oração antes de escalar a encosta outra vez – é sábado, dia de descanso na sua religião. “É verdade, eles se recusaram a ir sem ele!”, diz Schenkkan. Na batalha, uma granada é jogada em sua direção, e Desmond a chuta para longe, para que seus companheiros não sejam feridos. “Ele ficou gravemente ferido e foi transferido de Okinawa para uma série de hospitais”, diz o roteirista. No processo, ele perdeu a sua Bíblia, como acontece no filme. “E sua companhia realmente voltou ao campo de batalha e procurou até achá-la”, afirma Schenkkan. Só que, em vez de recuperá-la antes de ser içado por um helicóptero, Desmond Doss a recebeu de volta ao ser condecorado pelo presidente Harry Truman na Casa Branca com a Medalha de Honra.

O que filme o não mostra – O roteirista decidiu cortar um trecho da realidade, pois achou inverossímil demais. Quando estava sendo carregado de maca, Desmond viu outro soldado ferido, saiu da sua maca e insistiu para que os médicos carregassem o outro soldado primeiro, em seu lugar.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. AguiaDoLest3

    Não vejo a hora de conferir esse lançamento!

    Curtir

  2. Atenção Veja. Não existe “içado por helicóptero” no filme e creio nem na vida real. Helicópteros só foram usados alguns anos depois.

    Curtir

  3. Leonardo de Paulo

    Helicopteros só começaram a ser usados em guerras na Coréia , 5 anos depois do fim da segunda guerra mundial

    Curtir

  4. Roberto Michelson

    Que eu saiba não havia helicópteros na segunda guerra….estranho!!

    Curtir

  5. José Magalhães

    Pessoal, se havia ou não helicóptero na II Segunda Guerra não importa. Não existe um único filme baseado em fatos plenamente fiel. O próprio artigo diz isso. Tentem entender a mensagem do filme!

    Curtir

  6. Enio Gomide Luela

    O Sikorsky R-4 foi um dos primeiros helicóptero e o primeiro a ser produzido em larga escala. Foi projetado por Igor Sikorsky em 1942, e produzido no mesmo ano para a Força Aérea Americana, e mais tarde foi utilizado também pela RAF e pela Marinha Real.[1]
    Referências : Sikorsky R-4 «Britain’s Test Pilots».↑ «A History Coast Guard Aviation» (PDF).

    Curtir

  7. Creio que os helicópteros só começaram a ser usados operacionalmente na Guerra da Coreia… Após 1950…

    Curtir

  8. Fabianev Gullenko Zremeni

    levado por helicoptero ?? rs…apesar de helicopteros ja terem sido testados nessa epoca ( Sikorsky ) , entre outros , efetivamente e oficialmente só apareceram no minimo uns 5 anos apos 1945…

    Curtir