Valentina de Botas: Dilma corre para um desvão da alma em permanente penumbra

Três anos depois, abriram a cela, a mulher saiu para nunca mais ser livre. Talvez porque impossível se libertar da ideologia que a levou para uma organização terrorista; talvez porque tão irrelevante currículo não passe mesmo de uma ficha policial; talvez porque ao trauma não tenha sido dada uma rota de cura; talvez por índole; […]

Três anos depois, abriram a cela, a mulher saiu para nunca mais ser livre. Talvez porque impossível se libertar da ideologia que a levou para uma organização terrorista; talvez porque tão irrelevante currículo não passe mesmo de uma ficha policial; talvez porque ao trauma não tenha sido dada uma rota de cura; talvez por índole; talvez por tudo isso, a mulher-que-foi-presa-e-torturada-pela-ditadura, quando acuada, corre para um desvão da alma em permanente penumbra tornada uma cela de onde, aos berros, anuncia que ninguém vai tirá-la de lá. Refere-se à presidência, mas fala de dentro de uma cela que insiste em fazer de argumento, resultando em banalização e ineficácia.

Poucas coisas são mais relevantes numa história de vida do que exercer a presidência da República e o mesmo poderia ser válido para Dilma se ela fosse uma presidente. Contudo, o exercício vil do cargo culminou, na tarde desta terça-feira, numa esculhambação institucional tão indecorosa que a passagem dessa farsante pelo Planalto não define uma gestão, mas uma instrumentalização criminosa do Estado e respectivos símbolos, valores, equipamentos, pessoal e recintos. Tudo para berrar ao país indignado que a mulher encarcerada não o libertará e que o juiz Sérgio Moro é a reencarnação curitibana de Hitler.

Se para a farsa mambembe, como as de uma Caravana Rolidei que espalha desgraça em contraste com a do filme, a presidente se reunisse à mesma malta na casa de um dos juristas analfabetos em lei ou de um dos professores obscuros, num fim de semana ou depois do expediente sempre ruinoso para a nação, tudo seria apenas a agonia do governo organizada segundo a moral dos presentes. No Palácio do Planalto, ela guiou tudo na avacalhação institucional custeada por nós para sermos acusados, aos berros, de golpistas e avisados de infâmias a respeito do admirável juiz Sérgio Moro, cuja presença se estabelecia no nome silenciado.

Um professor – Santo Deus! – da UnB disparou que a corrupção num país de tantas desigualdades não é o maior problema, como se ela não as agravasse. O pânico denunciado no embuste covarde se explicava também porque, no Brasil real, a Polícia Federal deflagrava a 26ª fase da Lava Jato, a Xepa, revelando um departamento exclusivo na Odebrecht para cuidar da propina aos comparsas lulopetistas. As ameaças do ministro-irmão-camarada Aragão, as chicanas da AGU na figura ridícula do porquinho Cardozo para defender o ministério para o lorde cigano jeca dessa caravana rolidei troncha que não passará e a pajelança obscura no Planalto pela abolição da legalidade nos berros de uma farsante acuada prolongam a morte dessa realidade.

Que Dilma não renuncie à presidência, aos crimes e ao próprio cárcere voluntário, o fato é que, sem querer e em 14 anos desse regime torpe, faz o único bem, ainda que a um custo que só adivinhamos, ao Brasil que já lhe disse bye bye, pois o prolongamento disso servirá para tatuar fundo na volátil memória do país que saberá ser livre a lição dura e preciosa: esses carcereiros, nunca mais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Darazoom

    Mais uma análise perfeita de Valentina. Chegaria a ser poética se não revelasse toda a feiura da alma penada.
    De fato, entre outras características a dona Dilma nunca teve a menor vocação para a presidência. Tanto que nos idos de 2010 a primeira coisa que ela fez ao ser “eleita” foi tascar logo ao cargo um epíteto de “presidenta”, renunciando a ele antes mesmo de ser empossada. E por que agora ela se agarra tanto ao cargo que nunca quis e com o qual não tem nem nunca teve a mínima afinidade? Entendo que é porque ela jamais renunciará a um cargo que nunca exerceu.
    Comparar esta nossa trajetória infeliz à caravana rolidei é bem apropriado, especialmente para deixar claro que aquela nos levava à felicidade – ainda que virtual e profana – enquanto esta nos leva à desgraça real e ainda mais profana.
    O ultimo parágrafo fecha com chave de ouro (desculpe o lugar comum) e nos deixa com a esperança de que tenhamos aprendido a lição a nós aplicada pelos bandidos ao longo desses quatorze anos. Se não aprendermos é porque o Brasil, infelizmente, não tem jeito. Bie, Bie, Brasil.
    P. S. Feliz páscoa, afiemos os malhos para o sábado de aleluia. E que em breve possamos dizer: Aleluia!

    Curtir

  2. Comentado por:

    Moi

    Muito bom. Estou adorando tudo isso, quanto mais resistem mais gente percebe o quanto sao criminosos.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Gloster

    Sua leitura é muito boa.
    Por favor! Não saia daqui.
    Vão te provocar para que isto aconteça.
    O Augusto sabe o que faz.
    Beijo “profundo”. Desculpe-me mas você é demais.
    Novo ‘beijo’ (agora, só com UMA aspas) já que somos íntimos. ?.
    Rsrs, kkkk, ou o que mais?
    Amo tua persona. Em português.
    Bjs.
    Abs.

    Curtir