Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

TikTok fecha parceria com Oracle para evitar banimento nos EUA

A menos de uma semana do prazo estipulado por Trump para a chinesa BytedDance sair dos EUA, secretário do Tesouro confirma negócio

Por Luisa Purchio, Josette Goulart Atualizado em 14 set 2020, 18h21 - Publicado em 14 set 2020, 11h19

A Oracle vai assumir a administração das operações do TikTok nos Estados Unidos como um “parceiro tecnológico confiável”. O negócio foi confirmado na manhã desta segunda-feira, 14, pelo secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin. Segundo ele, até o fim da semana o presidente Donald Trump será informado da operação com uma recomendação. O secretário afirmou que o negócio envolveria a criação de 25 mil novos empregos nos Estados Unidos. O anúncio resolve, ao menos parcialmente, o imbróglio que colocou o TikTok no meio da disputa comercial entre americanos e chineses. Trump havia dado até 20 de setembro para que os chineses da ByteDance, donos do TikTok, vendessem suas operações no país sob pena do banimento do aplicativo. A Microsoft chegou a fazer uma oferta neste fim de semana, mas os chineses acabaram aceitando a proposta da  californiana Oracle.

Mesmo com o negócio, ainda há dúvidas se Trump irá aceitar a solução encontrada já que não houve um contrato de venda, e sim uma parceria tecnológica. Trump exigia a saída da ByteDance do negócio sob alegação de a ferramenta ser utilizada pelo governo chinês para coletar indevidamente informações dos usuários.  Sucesso mundial, presente em mais de 200 países, o TikTok já foi baixado mais de dois bilhões de vezes. Só nos Estados Unidos, tem 100 milhões de usuários e 1.400 funcionários.

Apesar de se tratar de um assunto empresarial, ele tem contornos políticos importantes porque seu desdobramento sinalizará para onde irá a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos até a eleição presidencial, marcada para o dia 2 de novembro. O protecionismo do presidente americano Donald Trump, uma das suas principais bandeiras políticas, tende a se acirrar em meio a campanha eleitoral. Do outro lado, porém, o governo chinês mostra que não está disposto a ceder. Nessa segunda-feira, 14, a imprensa estatal chinesa declarou que a ByteDance não venderia o TikTok para a Oracle, deixando o futuro do aplicativo ainda imprevisível.

No domingo, a Bytedance, proprietária chinesa do aplicativo rejeitou a proposta de compra da americana Microsoft, gerando dúvidas sobre de que forma se resolverá o imbróglio sobre a saída da empresa dos EUA. “A ByteDance nos informou hoje que não venderia as operações do TikTok nos Estados Unidos para a Microsoft. Estamos confiantes de que nossa proposta teria sido boa para os usuários do TikTok, ao mesmo tempo que protegia os interesses da segurança nacional”, disse a empresa em nota no domingo, 13. “Para fazer isso, teríamos feito mudanças significativas para garantir que o serviço atendesse aos mais altos padrões de segurança, privacidade, segurança online e combate à desinformação, e deixamos esses princípios claros em nossa declaração de agosto”, disse o comunicado.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês