Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tendência mundial por legalização da maconha anima mundo dos negócios

O mais recente anúncio que aponta para essa mudança partiu do México, país conhecido pelo conservadorismo que permeia sua cultura

Por Ernesto Neves
Atualizado em 19 mar 2021, 10h33 - Publicado em 19 mar 2021, 06h00

Por mais que autoridades e pesquisas científicas sigam alertando sobre os danos à saúde causados pelo uso intensivo de maconha, e eles existem, a planta está, decididamente, descendo os degraus da pirâmide de drogas proibidas e se encaminhando para entrar no clube das substâncias legais. A mudança é resultado de uma nova mentalidade em relação à cannabis, impulsionada principalmente pela franca expansão de seu uso medicinal e pelo fracasso da maior parte das políticas de contenção do narcotráfico. O mais recente anúncio de legalização partiu do México, país conhecido pelo conservadorismo que permeia sua cultura: a Câmara dos Deputados aprovou por ampla maioria um projeto de lei, que agora segue para o Senado, onde o aval é certo, e para a assinatura do presidente Andrés Manuel López Obrador, aberto defensor da iniciativa liberalizante.

EXPANSÃO - Loja de produtos de cannabis em Seattle: vendas na pandemia -
EXPANSÃO - Loja de produtos de cannabis em Seattle: vendas na pandemia – (Elaine Thompson/AP/Imageplus/.)

Também no Canadá, no Uruguai e em vários estados americanos a maconha é liberada. Em Israel, África do Sul, Geórgia e Luxemburgo o consumo é tolerado com restrições, e em 42 países, inclusive o Brasil, o uso como medicamento foi autorizado pelo governo. “Observamos nos últimos vinte anos uma mudança radical na opinião pública em relação à cannabis”, diz Kassandra Frederique, diretora da Drug Policy Alliance, entidade que advoga por reformas na lei criminal. Quando entrar em vigor, a lei da maconha no México permitirá que maiores de idade portem até 28 gramas (o equivalente ao mesmo número de cigarros) e cultivem no máximo seis pés em casa. O governo planeja que o grosso do comércio e da venda seja conduzido por pequenos agricultores e varejistas e, assim, se consiga enfraquecer um braço (o menos lucrativo, aliás) dos negócios dos brutais cartéis que controlam parte do território mexicano. O processo de legalização foi gradativo. Em 2015, a Suprema Corte deu o primeiro passo, decidindo que proibir o consumo era inconstitucional. Dois anos depois, o uso de produtos medicinais, como o canabidiol, foi liberado. A nova lei faz do México, com seus 126 milhões de habitantes, o maior mercado potencial de maconha do planeta, com capacidade de movimentar 3,2 bilhões de dólares por ano.

Do outro lado da fronteira, nos Estados Unidos, mais três estados — Nova Jersey, Arizona e a Dakota do Sul — votaram na eleição de novembro para liberar o uso recreativo, e Mississippi fez o mesmo em relação ao medicinal, elevando para dezesseis os que legalizaram e para 26 os que permitem só como remédio. Segundo especialistas, os Estados Unidos estão firmemente plantados na trilha para a liberação da maconha em praticamente todo o território, previsão confirmada por pesquisas e fatos. Levantamento do instituto Gallup mostra que a maioria tanto de democratas quanto de republicanos, adversários ferrenhos em quase tudo hoje em dia, concorda com a legalização — o Congresso, inclusive, já extinguiu as punições federais ao porte. Entre a população, 68% dos americanos são a favor, um recorde histórico. A vice-presidente Kamala Harris defendeu a liberação na campanha eleitoral. O presidente Joe Biden se diz favorável à descriminalização, mas prefere deixar a questão nas mãos dos estados. Seu secretário da Saúde, Xavier Becerra, no entanto, é notório defensor da legalização. “A decisão do México deverá aumentar a pressão por mudanças, e não só nos Estados Unidos”, diz Andrew Rudman, do centro de estudos Wilson Center, em Washington.

Continua após a publicidade

arte maconha

Do ponto de vista dos negócios, a tendência à aceitação da maconha pela sociedade está mobilizando as empresas com potencial de atuar no setor. Nos Estados Unidos, a Constellation Brands, dona da cerveja Corona, e a Altria, a maior fabricante de tabaco do mundo, acabam de anunciar a criação da Coalizão pela Política, Educação e Regulamentação da Cannabis, grupo lobista que tem como objetivo influenciar a legislação futura sobre o assunto. As duas empresas veem aí sua chance de recuperação entre os millennials, que formam a maio parte dos consumidores e que costumam rejeitar álcool e cigarros em prol da boa saúde, mas adotam a droga. Pelo contrário: impulsionado pelos jovens, o comércio da planta in natura e de uma variedade de alimentos e bebidas que contêm THC, seu princípio ativo, alcançou 18,3 bilhões de dólares em 2020, salto de 70% na comparação com 2019. O setor emprega mais de 320 000 pessoas no país e, na contramão de quase toda a indústria, registrou aumento de vagas na pandemia.

MADE IN UGANDA - Plantação em Kasese: maconha produzida para exportação enquanto o uso continua proibido -
MADE IN UGANDA - Plantação em Kasese: maconha produzida para exportação enquanto o uso continua proibido – (Luke Dray/Getty Images)

Em Israel, onde o consumo medicinal é autorizado e o recreacional é tolerado, mas não em público, apenas dentro de casa, o ex-primeiro-ministro Ehud Barak abriu uma empresa para comercializar maconha (por enquanto, só como remédio) e se tornou porta-voz da abertura em relação a seu uso. Ele prevê que, em futuro não muito distante, um em cada três habitantes do planeta estará consumindo alguma forma de cannabis — motivo pelo qual as oportunidades nesse ramo devem ser aproveitadas “agressivamente e imediatamente”. Também onde a maconha é permitida só para uso medicinal, como no Brasil e nos vizinhos Argentina, Peru, Colômbia e Chile, as chances de bons negócios são animadoras. Aqui, a indústria estima em 4 milhões o número de pacientes a ser beneficiados, gerando um mercado calculado em 4,7 bilhões de reais.

Ainda no mundo empresarial, países como Uganda, Gana, Ruanda, Lesoto e Malawi, na África, e Líbano, no Oriente Médio, continuam proibindo o consumo, mas estão autorizando o cultivo unicamente para exportação. A formalização do comércio de maconha e sua remoção do âmbito do crime organizado, no entanto, são tarefas complexas. No México, especialistas afirmam que as plantações existentes estão, todas, em território do tráfico — que, de qualquer forma, arrebanha a maior parte de seus rendimentos com a venda de cocaína e metanfetamina. “Na busca de popularidade, o governo está superestimando os efeitos da lei”, diz Falko Ernst, da consultoria International Crisis Group. Até a Holanda, pioneira na liberação da maconha, está repensando o alcance da medida diante da crescente atuação do crime organizado no país (leia o quadro). Ao que tudo indica, por mais sérios que sejam os problemas, porém, o baseado está saindo do armário para ocupar a sala principal de várias casas no exterior.

Leia também:

Continua após a publicidade
  • Carta ao Leitor: O caminho perdido, entenda melhor sobre a economia do Brasil.
  • Covid 19: como os vizinhos da América do Sul tentam evitar o ‘Risco Brasil’.
  • Bolsonaro ainda não deu sinais claros de que compreende o tamanho do buraco em que se encontra.
  • Medicina Avançada: Novas tecnologias conferem a médicos, seguranças e soldados, visão especial.
  • Fracasso do governo na pandemia acentua uma urgência: acelerar a vacinação.
  • Plano de Bolsonaro para melhorar imagem já admite isolamento social total.
  • O inimigo dentro de casa: o novo embate entre o Planalto e o Coaf. 

Publicado em VEJA de 24 de março de 2021, edição nº 2730

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.