Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Telefonica/Vivo tem pior índice de satisfação de clientes, diz Anatel

Pesquisa da agência mostrou que as empresas mais bem avaliada pelos usuários foram a GVT, Sercomtel, Embratel e CTBC

Por Da Redação - 19 abr 2013, 19h16

A Oi e a Telefonica Vivo são as empresas que apresentam os menores níveis de satisfação por parte dos usuários de telefonia fixa tanto residencial quanto corporativa, mostra a Pesquisa Nacional de Satisfação dos Usuários dos Serviços de Telecomunicações divulgada nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Não houve pesquisa por empresa em relação à satisfação com a banda larga fixa.

No caso da telefonia fixa residencial, a Oi obteve um índice de satisfação de 58,6% e a Telefonica registrou um índice de 55,4%. Ambas as companhias ficaram abaixo da média geral de satisfação com o serviço, que foi de 58,9%. A empresa mais bem avaliada pelos usuários foi a GVT, com 67,1%, seguida por Sercomtel (66,3%), Embratel (62,5%) e CTBC (62,4%).

A telefonia fixa residencial foi aprovada por 46,5% dos usuários – 43,5% satisfeitos e 2,9% totalmente satisfeitos – de acordo com pesquisa realizada com quase 25 mil entrevistados. O índice de insatisfação desse serviço foi de 12,8%, enquanto 40,7% dos entrevistados se mantiveram neutros.

Leia ainda: Jornalista da ‘Economist’ relata saga pessoal com a TIM no Brasil

Publicidade

Anatel aplica novas multas à Oi – sendo uma de R$ 13,8 milhões

Orelhão – Os usuários dos orelhões brasileiros também não estão satisfeitos com os serviços nesses aparelhos. A Pesquisa Nacional de Satisfação dos Usuários dos Serviços de Telecomunicações, divulgada nesta sexta-feira, 19, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), resultou em um nível de satisfação média de apenas 36,8%, contra um índice de 58,9% nos serviços fixos residenciais e de 62,8% nos serviços corporativos.

Do total de entrevistados que usam orelhões, 45% disseram estar insatisfeitos com o serviço e 5,2% o desaprovaram totalmente. O maior porcentual, de 48,7%, afirmou ser indiferente e apenas 1,1% das pessoas que responderam aos questionários relevaram estar satisfeitas com o serviço. A quantidade de usuários totalmente satisfeitos foi desprezível.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade