Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Prates sinaliza entrada do Brasil na Opep+, mas sem cotas de produção

Presidente da estatal afirma que o país deve ser uma espécie de observador; decisão final será tomada em junho

Por da Redação
1 dez 2023, 10h00

O presidente-executivo da Petrobras, Jean Paul Prates, defendeu a entrada do Brasil na Opep+, grupo composto pelos países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, entre eles a Arábia Saudita e Venezuela,  e produtores aliados, como a Rússia e o México.

A declaração de Prates ocorre no mesmo dia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em seu discurso na COP28 que as economias globais precisam diminuir a dependência de combustíveis fósseis e apostar nas energias renováveis, posição que não é defendida pelo grupo petrolífero.

“Eles chamam outros países que não têm direito a voto e não são impostas cotas a esses países. Jamais participaríamos de uma entidade que estabelecesse cota para o Brasil, ainda mais com o apoio da Petrobras que é uma empresa aberta no mercado e não pode ter cota”, afirmou o executivo. Questionada por VEJA sobre a fala do presidente, a Petrobras não respondeu até a publicação desta reportagem.

Uma das principais resistências para o Brasil participar das cotas é a Petrobras, que busca elevar sua extração no país, para ampliar a oferta de derivados no mercado interno. Além disso, a companhia obtém importantes receitas com exportações de petróleo. O Brasil é o maior produtor de petróleo da América do Sul, com uma produção de 4,66 milhões de barris de óleo equivalente ao dia (petróleo e gás) em setembro.

Este não é o primeiro convite da entidade para que o Brasil faça parte de seus quadros. Em 2019, durante o governo de Jair Bolsonaro, o país foi convidado pela Arábia Saudita, mas recusou a adesão.

Continua após a publicidade

Como funciona a Opep+

A Opep tem como objetivo coordenar e unificar as políticas de produção e exportação da commodity pelos países membros, visando sempre “salvaguardar os seus interesses, individual e coletivamente”, afirma a organização em seu estatuto. Além dos 13 países membros, o grupo com o “+” tem aliados que participam das discussões, como Rússia e México.

Na prática, as decisões da Opep+ em determinar a produção tem como resultado o controle de preços no mercado global.  Com uma maior produção, o preço tende a ficar mais barato. Já com uma menor produção, a commodity tende a ficar mais cara.

Na quinta-feira, 30, a Opep anunciou um corte voluntário de 2 milhões de barris por dia na produção global de petróleo a partir de janeiro de 2024. A medida é recorrente e avaliada por analistas de mercado como uma tentativa de entidade de manter os preços do petróleo em patamares elevados. O petróleo tipo brent é negociado a 80 dólares por barril nesta sexta-feira.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.