Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

População mais velha não para de crescer e demora mais a sair do mercado

Pesquisa mostra que pessoas com mais de 55 anos sustentam pais, filhos e netos

Por Machado da Costa
Atualizado em 9 out 2018, 14h05 - Publicado em 9 out 2018, 13h06

Um estudo feito com mais de 2.300 pessoas com mais de 55 anos constata que a conta do envelhecimento não fecha no Brasil. Essas pessoas, chamadas de maduras no levantamento, sustentam pais, filhos, netos e, na maioria dos casos, precisam continuar trabalhando para não deixar a roda parar. A pesquisa lança luz sobre as necessidades financeiras desse grupo que representa quase um quarto do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Intitulado Tsunami Prateado, o estudo relembra que, em 2050, o Brasil terá 68,1 milhões de pessoas maduras, enquanto que o país contará com apenas 14 milhões de crianças e adolescentes. Isso exercerá uma grande pressão financeira sobre esse grupo e sobre o sistema previdenciário. Com menos pessoas para sustentá-los, eles precisarão continuar trabalhando cada vez mais tempo para manter seus padrões de vida.

Padrão de vida, que aliás, não é lá grandes coisas, segundo os entrevistados. É frustrada a ideia de que, ao chegar nessa idade, seria a hora de curtir uma vida construída a partir de muito trabalho.

“Essas pessoas que estão chegando aos 60 anos, tinham o referencial de pais e avós que paravam muito antes. Eles não se planejaram muito para essa segunda metade da vida”, afirma Layla Vallias, sócia da consultoria Hype60+, responsável pelo estudo.

Apesar de 73% dos entrevistados se dizerem independentes financeiramente, eles têm dificuldade em se manter no mercado de trabalho e absorver as evoluções tecnológicas. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), mostram que a partir dos 40 anos, fica mais difícil encontrar uma vaga.

Entre os entrevistados com mais de 55 anos, aproximadamente 24% afirmaram que “não existem vagas no mercado de trabalho para pessoas maduras”. E essa sensação é confirmada pelos dados oficiais do governo.

Neste ano, há geração líquida positiva no número de postos de trabalho no país, exceto para as faixas etárias acima de 40 anos. A partir dessa idade, o número de pessoas empregadas é menor e a quantidade de desligamentos supera – gerando um número líquido negativo.

Diferença entre contratações e desligamentos, em números absolutos, em 2018
 Faixa etária 50 a 64 40 a 49 30 a 39 25 a 29 18 a 24
 Geração líquida -172.218 -32.096 2.150 59.507 537.437
Fonte: Caged

“Essa geração, que ainda têm filhos, ou até netos, para criar e pais para manter, precisa continuar gerando renda. Eles são o arrimo de muitas as famílias”, diz Vallias.

Continua após a publicidade

O estudo mostra que entre as principais fontes de renda na faixa etária de 55 anos a 64 anos, estão a aposentadoria (39%), o trabalho profissional (49%), os rendimentos de aluguéis (6%), e as aplicações financeiras (3%), além do plano de previdência privada (2%). Para quem tem mais de 65 anos, a aposentadoria cresce para 69%, enquanto que o trabalho diminui para 22%. Os outros indicadores somam 9%.

“O mercado de trabalho exclui as pessoas mais velhas, e ao mesmo tempo elas querem e precisam continuar trabalhando por muito tempo. Perguntamos sobre quais as maiores perdas com a idade e 23% dizem que é o mercado de trabalho”, assinala Vallias.

A consultoria conclui que o envelhecimento da população, que classifica como “Tsunami Prateado”, deve ser visto como um desafio, mas também como uma força positiva para a economia e uma oportunidade social.

“Muitas empresas ainda não entendem como é a vida dessas pessoas com mais de 55 anos. É tão contraditório, porque elas são uma potência econômica”, diz Vallias. “Essa é uma grande questão, pois estamos envelhecendo rapidamente.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.